É um avanço grande, parece uma coisa simples mais tem um significado grande para aqueles que necessitam”, pontou.

Fernando Oliveira

IMG-20140610-WA0001

Na tarde desta terça-feira 10, o Governo do Acre em parceria com o Cartório de Brasiléia, realizou um fato inédito no município que foi a implantação da unidade de registro para recém-nascidos no Hospital de Clinicas Raimundo Chaar.

A novidade já existe em alguns hospitais acreanos e inova com um sistema bastante relevante que une em poucas horas o nascimento de uma pessoa e o reconhecimento social, como cidadão brasileiro.

O Acre é o segundo estado brasileiro a ter esse sistema. Em São Paulo várias unidades de saude  já fazem o registro de nascimentos de bebês com poucas horas de vida.

A solicitação para que Brasiléia pudesse adotar o registro imediato de recém nascidos, partiu da vereadora Fernanda Hassem (PT), em setembro de 2013 e em menos de de um ano teve aprovação do Governo do Estado.

Para Fernanda Hassem a resposta positiva do governo é mais um legado em favor dos mais necessitados.” A gente sabe da dificuldades de muitos pais e mães em registrar seus filhos por morarem em lugares distantes não tiram certidões de nascimentos de seus filhos. É um avanço grande, parece uma coisa simples mais tem um significado grande para aqueles que necessitam”, pontou.

A tabeliã Valéria Cristina destaca que a parceria Governo e Cartório, põe fim a um problema antigo que é o registro tardio prejudicando muitas vezes a vida da criança brasileira, quando os pais deixavam de fazer a documentação no período certo.

O Secretário Estadual de Justiça e Direitos Humanos comenta que as políticas sociais do governo do Acre e da presidente Dilma tem avançado muito no sentido de reduzir as desigualdades. ” O registro de nascimento é a porta de entrada para a cidadania. As pessoas só podem ter acesso a programas sociais do governo do estado do governo federal ou municipal se tiver registro civil de nascimento. estamos fazendo em todos hospitais do Acre essa parceria onde a criança ao nascer possa também serem registradas”, finalizou.