MPE Quer Uma Resposta Sobre Atraso Do Ano Letivo Em Escola Rural De Brasiléia

Fernando Oliveira/Chiquinho Chaves

Foto Alemão Monteiro
Foto Alemão Monteiro

Na tarde desta quarta-feira 21, a promotora de justiça de Brasiléia Diana Soraia Tabalipa, concedeu entrevista a um programa de rádio em Epitaciolândia, onde convidou pais de alunos matriculados na Escola rural Conci Melo (KM 26), e representantes da Prefeitura de Brasiléia, para uma reunião na sexta-feira 23, pela parte da tarde, onde a pauta será o atraso do ano letivo para alunos do ensino fundamental de 1° ao 5° ano.

A comunidade rural alega que seus filhos correm o sério risco de perder o ano letivo em virtude da  inoperância da Prefeitura na demora em concluir a reforma da citada escola que através desse site foi comprovada a irresponsabilidade de não trabalharem com madeira adequada, pois estão utilizando madeira de uma outra escola demolida e muitas madeiras novas estão sendo compradas na Bolívia conforme contou o mestre de Obras sr. Olávo Coelho.

Repórter Fernando Oliveira ( esquerda) em entrevista aos promotores de Justiça de Brasiléia Dr. Ildon (direita) e Dra. Diana Soraia (centro)
Repórter Fernando Oliveira ( esquerda) em entrevista aos promotores de Justiça de Brasiléia Dr. Ildon (direita) e Dra. Diana Soraia (centro)

Após a denuncia das irregularidades na reforma da escola Conci Melo, foi realizada uma pintura na madeira reaproveitada como forma de jogar o lixo para baixo do tapete, ou maquiar os erros ali cometidos.

Para Diana Soraia, as denuncias estão sendo apuradas Melo Ministério Público, e na reunião ora marcada ela vai comprovar in loco os fatos.

A vereadora petista Fernanda Hassem, que apresentou a denuncia junto ao  MPE, relata que o ano letivo para os filhos dos produtores rurais está amplamente comprometido. “Não vou entrar no mérito das irregularidades na reforma da escola que salvo engano está no valor de 100 mil reais, dessa parte a justiça vai se encarregar. Isso é preocupante, mas nesse momento cobramos uma resposta sobre o inicio das aulas desses alunos afinal já estamos no final do mês de maio e nada de aulas”,pontou.

Em recente comentário sobre a gravidade das denuncias nessa obra de responsabilidade da prefeitura de Brasiléia, o vereador Joelso Pontes cobrou que fosse colocado para conhecimento da população uma placa identificando o valor da obra.

Mesmo sendo uma obra de competência da administração municipal, a assessoria de comunicação de Everaldo Gomes, encaminhou nota de esclarecimentos a redação do site sentinela da fronteira, eximindo a prefeitura de Brasiléia de quaisquer erros ou irregularidades na reforma da escola, e tentando desqualificar o trabalho da imprensa.

SAM_28331