De acordo com a vereadora, além dos péssimos salários recebidos pela classe, eles são obrigados a trabalhar de forma humilhante.

feijo-garis

10268722_483405815123938_1028842774536228138_n-320x210No município de Feijó, os garis são tratados como “animais irracionais”. A frase foi dita pela vereadora Matildes de Araújo (PSDB).

Ao usar a tribuna do Poder Legislativo, nesta semana, a vereadora fez duras críticas contra o prefeito Merla Albuquerque (PT), pela maneira como o gestor trata os garis que atuam na limpeza pública do município.

De acordo com a vereadora, além dos péssimos salários recebidos pela classe, eles são obrigados a trabalhar de forma humilhante.

“Haja vista também que o carro de coleta de lixo está sendo substituído por uma caçamba de transportar barro, que tem altura superior ao permitido por lei, o que pode gerar uma série de problemas de ordem físico, causados por excesso de peso na execução do trabalho”.

Outro fator questionado pela vereadora Matildes é a quantidade de garis que são disponibilizados para a limpeza da cidade.

“Além de não atender a demanda de lixo, existe, à disposição de outros setores da prefeitura, mais de quarenta garis que deveriam estar atuando conforme os contratos celebrados”.

A vereadora afirma que irá acionar a Prefeitura de Feijó na Justiça para que “o cidadão seja tratado de forma humana”.

O jornalismo da ContilNet Notícias tentou entrar em contato com o prefeito Merla Albuquerque através do telefone (68) 9971-**31, mas não obteve sucesso. Tão logo o contato seja estabelecido, um espaço será cedido para posteriores esclarecimentos.

Contilnet Notícias