Uma das linhas de crédito que serão apresentadas é a FNO 

Banco-da-amazonia-do-acre-

O Banco da Amazônia (Basa) em parceria com órgãos como o Sebrae e governo do Estado realiza ação para levar o Fundo de Constitucional do Norte (FNO) para os municípios de Assis Brasil, Jordão, Porto Walter e Marechal Thaumaturgo.  Uma equipe visitará os municípios para realizar as reuniões itinerantes e orientar os futuros clientes.

“Os beneficiados se dividem entre empresários rurais e não rurais” explica o superintendente do Basa, João Roberto da Costa.

Segundo o superintendente alguns dos requisitos para os interessados são: ter conta no banco e no caso de empresa é necessário ter as licenças ambientais em dia. O Basa tem como valor mínimo a meta de aplicar R$ 381 milhões no Acre.

Uma das linhas de crédito que serão apresentadas é a FNO Amazônia Sustentável, o Programa que visa contribuir para o desenvolvimento econômico e social da Região Norte pautado em bases sustentáveis, apoiando empreendimentos não rurais, a partir da concessão de financiamentos adequados às reais necessidades dos setores produtivos.

Podem participar do programa setores da agroindústria, indústria, infraestrutura não governamental e infraestrutura econômica de empresas públicas não dependentes de transferências financeiras do Poder Público, cujos empreendimentos a financiar sejam considerados prioritários para a economia e também turismo, comércio, prestação de  serviços, cultura e produção de bens manufaturados e semimanufaturados destinados exclusivamente à exportação.

Podem ser financiados todos os itens necessários à implementação do plano ou projeto. como: máquinas, equipamentos e veículos, aeronaves e embarcações de transporte de carga e de passageiros, novos ou usados, de forma isolada, desde que relacionados diretamente com a atividade do empreendimento e mediante a comprovação de sua necessidade por técnico do Banco.

O limite de crédito varia de acordo com o porte da empresa e pode chegar a R$ 20 mil, com carência para pagamento de até 4 anos.

Natan Peres – A Tribuna