Agora dá para entender sobre Alto Acre

blog_do_crica_luiz_carlos_moreira_jorge

Antes, a oposição era comandada por alguém do porte do Nabor Junior. Hoje, pelo desgastado ex-prefeito de Brasiléia, Aldemir Lopes. Explicadas, então, essas constantes derrotas para o PT. Assim você tem uma idéia exata do motivo de sucessivas derrotas da oposição. Tendo um Aldemir como parâmetro de “líder” (sic), como é que queriam uma candidatura única da oposição ao governo e a senador? Aldemir é líder dele mesmo.

Enfrentando a crise

O prefeito de Epitaciolândia, André Hassem, não ficou no choro, foi inteligente: reduziu de nove para cinco as secretarias, em 50% os nomeados por portarias e em 20% o total de servidores terceirizados. É melhor cortar na carne agora que depois não pagar os fornecedores e funcionários.

Salário mínimo

Acabou ainda com as gratificações e nivelou todo mundo no salário mínimo. “Ou fazia isso ou não pagaria a folha dos funcionários e nem teria dinheiro para investimentos”, explicou André.

Vai para o pau

E o prefeito que não rezar por este tipo de cartilha não vai pagar a folha dos funcionários.

Como pode dar certo?

A prefeitura de Assis Brasil deve a Deus e ao mundo e não tem como pagar. E o prefeito Beitinho paga um assessor que só lhe atrapalha, o mesmo salário seu. Como dar certo?.

O impossível aconteceu

A ex-prefeita de Assis Brasil, Eliane Gadelha (PT), fez uma gestão desastrada. Deixou a prefeitura em frangalhos. Pois bem, para se ter uma idéia como anda a administração do prefeito Dr.Betinho (PSDB), já tem gente na cidade gritando: “volta, Eliane!”. O impossível aconteceu.

Brasiléia…

Como é que alguém de segundo escalão transfere 400 mil reais á sua conta sem a secretária saber?

Na cabeça de otário

Só cabe na cabeça de um otário que este rapaz tenha dado desfalque tão grande sem apoio.

Começa preocupar

Bateu a preocupação no comando da campanha do candidato ao governo, Márcio Bittar (PSDB), por não conseguir decolar e tampouco superar a candidatura do Tião Bocalon (DEM).

Os tempos são outros

Não adianta se colocar um monte de medalhões políticos ao lado e pensar que isso pode render votos. Não rende nada. Os tempos são outros. E para governador se vota no nome.