Volante trabalha para recuperar o tempo perdido por causa do período que ficou inativo profissionalmente (Foto: Duaine Rodrigues)

Experiente volante diz que vai fazer de tudo para honrar a camisa do Galo.

Duaine RodriguesRio Branco, AC

Volante trabalha para recuperar o tempo perdido por causa do período que ficou inativo profissionalmente (Foto: Duaine Rodrigues)
Volante trabalha para recuperar o tempo perdido por causa do período que ficou inativo profissionalmente (Foto: Duaine Rodrigues)

dsc_1075_1

Pela primeira vez defendendo o Atlético Acreano, o volante Ismael, de 34 anos, chegou ao Acre na terça-feira (25) e tem trabalhado em dois períodos para alcançar a melhor forma física, já que está a cerca de quatro meses inativo. O jogador, que por sete temporadas defendeu as cores do Rio Branco, onde ganhou sete títulos, segundo suas contas, falou sobre a sensação de vestir outra camisa de um clube local que não seja a do alvirrubro.

– É a melhor possível. O tempo no Rio Branco foi bom, mas hoje estou no Atlético e muito feliz por isso, pelo projeto implantado, pela pessoas que têm aqui. Espero honrar muito essa camisa. O torcedor pode esperar a mesma vontade de outros anos e, se Deus quiser, vamos conseguir um título para a equipe, que pelas campanhas que vem fazendo nos últimos anos, já está merecendo – comentou.

Ismael conta que manteve a atividade jogando, mas não profissionalmente, desde que deixou o Estrelão após o fim da Série C do Campeonato Brasileiro de 2013 e reconhece que precisa de tempo para poder ficar nas melhores condições técnica e física. Ele até chegou a fazer parte do elenco do Sobradinho-DF em 2014, mas por causa de um problema de saúde da sua mãe, pediu dispensa da equipe e retornou para a sua cidade natal, no interior de São Paulo. Com a melhora do estado de saúde da genitora, decidiu voltar aos gramados.

– Mantive a atividade jogando, mas não profissionalmente. Fui para o Sobradinho, mas por causa da minha mãe, que tem Mal de Parkinson e teve uma recaída, pedi dispensa e fui ficar com ela. Agora que Deus colocou sua mão sobre ela, que está bem melhor, vou trabalhar para recuperar o tempo perdido. Estou muito atrás dos companheiros que estão trabalhando há um certo tempo, mas nada assustador. Vou ser bem sincero com o nosso treinador. Vim para ajudar, independente de jogar, mas vou trabalhar dois períodos para ficar à disposição o mais rápido possível – afirmou.

E o volante vai ter quer suar muito para conseguir uma vaga no meio de campo, já que para o setor onde atua, o treinador do Atlético, Zé Marco tem diversas peças como Wilson, Araújo Goiano, Rubens Júnior, Willian e Neném. No entanto, a concorrência não é vista como problema.

– O time tem volantes de qualidade e isso é bom. Uma dor de cabeça saudável que todo treinador deseja. O ruim é quando olha e não vê quem possa confiar. O bom é que ele confia e, independente de quem estiver jogando, vão tentar honrar a camisa do Galo, buscar a classificação, primeiramente, e depois ir em busca do título – analisou Ismael.

Com a experiência de quem jogou por diversas vezes o clássico contra o Rio Branco, Ismael comentou sobre o duelo que reúne as duas equipes no domingo (30). Ele ressalta que a partida é apenas mais um jogo e que o resultado dela não vai decidir o campeonato.

– Um jogo em que as duas equipes precisam vencer para chegar à classificação. O campeonato não é Atlético e Rio Branco, mas sim um todo, com equipes qualificadas. São dois times bons, fortes, que têm condição de vencer, mas na nossa cabeça não passa só o Rio Branco e sim todos os adversários. Claro que, no domingo, temos que focar no Rio Branco para tentar somar três pontos para buscarmos a classificação, pois quando se chega entre os quatros é um campeonato à parte – encerrou.