Bolivianos Tem Prioridade no Brasil e os Brasileiro a Prioridade e Zero

Escrito Por Super User

feira livre 12

Fomos convidados por alguns brasileiros para irmos ao Mercado Municipal de Brasiléia Maria Florêncio do Nascimento para em loco observar o tratamento que os bolivianos tem recebido aqui no Brasil, na Fronteira de Brasiléia com a Bolívia, ate a feira que nós trabalhamos eles trabalha juntos, não pagam nem os espaços que fazem as suas vendas o que nos queremos com isso é chamar a atenção das autoridades do nosso país Brasileiro, o porquê dos nossos irmãos Brasileiros na Bolívia não tem tido o mesmo tratamento, nos últimos dias tem sido de forma escrachada muito maltratado, extorquidos e ate mesmo roubados.

Será que esse Acordo que foi feito entre as nações realmente tem sido acompanhado por nossas autoridade? Será que elas sabem do que realmente esta acontecendo aqui na fronteira? Quem desabafa é o senhor Antonio Carlos Paixão mora aqui há mais de 30 anos e nunca tinha visto uma situação dessa na fronteira, não consegue ir no pais visinho por conta do comportamentos de alguns, e quem deveria prestar serviço de guarnição (La policia) ao cidadão são os primeiros a nos coagir, será que vamos ficar nessa guerra fria ate quando, alguém vai ter que pagar o preço com a própria vida para os políticos tomarem alguma providencia.

Nossa equipe conversou com a pessoa responsável do Mercado o senhor Moraisinho e passou a nossa equipe que aqui todos os bolivianos tem um tratamento igual aos brasileiros ate nem pagam os espaços.Declarou um dos entrevistados que os Brasileiros para trabalharem na Bolívia têm que pagar, ter dupla nacionalidade ou passaporte.

Realmente que acordo é esse a onde só nos fazemos a nossa parte e o resto não faz a sua é no mínimo desleal o que queremos é chamar a atenção das autoridades e resolver esses impasses e não fazer vista grossa para que depois não lamentar, mais caso não se tome providencia vamos fazer a nossa parte por que quem tem sofrido com isso aqui somos nós para mais tarde não lamentarmos o pior finalizou o feirante.

feira livre 1feira livre