Homens da polícia militar tiveram que deter o vereador Roberto Freire

Além de ter agredido a servidora, Roberto proferiu palavras de baixo calão
Além de ter agredido a servidora, Roberto proferiu palavras de baixo calão

O ato público realizado na manhã dessa segunda-feira, 9, em frente ao prédio da prefeitura municipal de Tarauacá, organizada pelos vereadores Mirabor Leite (PMDB), Roberto Freire (PRÓS), Roberto Jesus (PDT) e pelo líder comunitário Gilson Amorim, acabou em ofensas e muita confusão entre os líderes do movimento e assessores do prefeito da cidade, Rodrigo Damasceno (PT).

Toda a manifestação foi acompanhada pela população. Durante a ocasião, homens da polícia militar tiveram que deter o vereador Roberto Freire após ter agredido verbal e fisicamente a servidora municipal Maria Rosa Dourado, que participava do encontro. Ela informou que sofreu socos e arranhões.

A polícia amparou a vítima, que prestou queixa sobre o ocorrido. Além de ter agredido a servidora, Roberto proferiu palavras de
baixo calão, chamando a Prefeitura de Tarauacá de “Puteiro”.

Baixaria

“Uma baixaria”. Foi como o prefeito de Tarauacá avaliou o ato contra sua administração. Rodrigo Damasceno disse, ainda, que o vereador Roberto Freire chamou mulheres servidoras da prefeitura de “putas”. “Foram várias ofensas pessoais. O vereador Roberto Freire começou a chamar as mulheres da prefeitura de prostitutas, de putas. E aí as mulheres se manifestaram e ele agrediu uma delas. Infelizmente eles não souberam fazer um ato com lisura. Foram pra baixaria”, disse Damasceno.