Cartas foram recebidas pela campanha ‘Papai Noel dos Correios’.Crianças também pedem materiais escolares.

No Acre, criança pede emprego para ajudar nas despesas de casa (Foto: Caio Fulgêncio/G1)
No Acre, criança pede emprego para ajudar nas despesas de casa (Foto: Caio Fulgêncio/G1)

As cartas começaram a chegar em novembro. O ‘Papai Noel dos Correios’ pretende levar  presentes a crianças de seis escolas públicas, uma creche e comunidades carentes de Rio Branco. Os pedidos são variados. No entanto, dentre bolas, bonecas, bicicletas e vídeo games, é possível encontrar sonhos diferentes e inusitados, que refletem até mesmo algumas realidades da capital.

Em uma carta sem enfeites, escrita à lápis, uma criança moradora do bairro Taquari pede umemprego para ajudar em casa. Com palavras tímidas, ela revela que o motivo do pedido é a doença do pai e os poucos recursos em decorrência disso.

“Eu não vou pedir muito, mas vou lhe pedir um emprego para ajudar meus pais, porque meu pai é doente e não ganha muito, mas eu gostaria de lhe pedir um emprego para ajudar na despesa de casa”, diz na carta.

Moradora do bairro Conquista, também na capital acreana, outra criança escreve ao Papai Noele pede uma casa. Ela conta que aos 2 anos perdeu a mãe e precisa da moradia para viver com pai, pois onde mora atualmente é alugado. O pai está desempregado.

“O meu objetivo de escrever esta  carta é para ganhar uma casa para morar com meu pai, pois ele não tem dinheiro para comprar nossa casa”, escreve. Em outro trecho, a criança reforça o pedido. “Papai Noel fale com o governador Tião Viana e peça uma casa para mim e meu pai. Vou fazer 9 anos em janeiro do ano que vem”.

Criança pede uma casa para morar com o pai em Rio Branco (Foto: Caio Fulgêncio/G1)
Criança pede uma casa para morar com o pai em Rio Branco (Foto: Caio Fulgêncio/G1)

MATERIAIS ESCOLARES 

Dentre os principais pedidos nas cartas recebidas pelos Correios estão materiais escolares. Com 10 anos, uma menina, também do bairro Taquari, pede metade de um kit para estudar para ela e o irmão que tem autismo. “A minha mãe não tem emprego, a única renda é o Bolsa Família. Meu pai não mora com a gente, ele dá uma pensão que não só dá para a gente comer”, conta.

Realidade semelhante vive outra menina de 11 anos. Ela diz que a mãe está desempregada. “Tenho um pedido a fazer, o meu material escolar, pois minha mãe está desempregada e não tem dinheiro”, escreve.

Criança de 11 anos pede ao Papai Noel materiais escolares (Foto: Caio Fulgêncio/G1)
Criança de 11 anos pede ao Papai Noel materiais escolares (Foto: Caio Fulgêncio/G1)

CAMPANHA

A campanha ‘Papel Noel dos Correios’ foi lançada no dia 18 de novembro. De acordo com a coordenação da campanha, nem todas as cartas podem ser atendidas. Como a campanha depende de padrinhos, ou seja, pessoas que adotam uma carta e se comprometem em levar o presente para ser entregue a determinada criança, pedidos grandes e muito caros não podem ser realizados. Os presentes começam a ser entregues a partir do dia 19 de dezembro.

Mesmo assim, os Correios trabalham até mesmo com substituição de presentes, para que todos recebam algo. Segundo Antônio Carlos Mourão, um dos responsáveis pela campanha, este ano o atendimento pode chegar em torno de 1.800 a 2 mil cartas. “Nosso papel é trazer a satisfação das crianças no Natal, porque é muita criança que não tem a menor condição de ter um presente”, diz.

Participando como padrinho pela primeira vez, o garçom Douglas Félix, de 29 anos, adotou duas cartas. Uma delas será entregue ao irmão. Materiais escolares e boneca eram os pedidos. Ele diz que está satisfeito em participar. “A gente trabalha com projetos sociais nascomunidades carentes, analisando os problemas da sociedade. É bom ver uma criança feliz”, fala.

Caio Fulgêncio Do G1 ACRE