O aposentado foi operado no dia 12 de julho, e já consegue urinar sem a ajuda da sonda. 

Serviços de urologia, como consultas e exames, foram feitos de forma itinerante pelo programa Saúde do Homem, em todos os municípios acreanos (Foto: Marcelo Torres/Sesacre)
Serviços de urologia, como consultas e exames, foram feitos de forma itinerante pelo programa Saúde do Homem, em todos os municípios acreanos (Foto: Marcelo Torres/Sesacre)

Marcelo Torres

Em alusão ao mês Novembro Azul, que é destinado a conscientizar o público masculino a procurar osserviços de saúde periodicamente, o serviço de urologias do Hospital das Clínicas (HC) de Rio Branco deve realizar cerca de 50 cirurgias de grande e médio porte, no período de 25 a 29.

Miguel Machado Filho, de 76 anos, realizou uma cirurgia de retirada de tumor na próstata. “Desde oano passado, eu vinha sentindo dores ao urinar. No início deste ano, procurei um médico, em uma unidade de saúde próxima da minha casa. Foi quando passei por uma consulta e fui encaminhado para o HC, onde fizeram exames e diagnosticaram que eu tinha um câncer na próstata”, lembra o aposentado.

O aposentado foi operado no dia 12 de julho, e já consegue urinar sem a ajuda da sonda. “Essa é uma vitória, pois acreditava que não suportaria todos esses procedimentos. Agradeço a todos que me ajudaram para que hoje eu pudesse falar da minha história”, declara emocionado opaciente.

Atenção à Saúde Pública masculina

Os homens, em especial os brasileiros, não têm a mesma preocupação com a saúde como as mulheres, que vão aos ginecologistas anualmente e realizam exames preventivos. O hábito de realizar um checkup não é uma atitude comum entre o público masculino, o que facilita a evolução de doenças que poderiam ser evitadas.

No Brasil, as doenças mais comuns entre os homens são as do coração, cerebrovasculares (acidente vascular cerebral ou derrame), hipertensão, obesidade e diabetes. Para tratar com esse público específico, o Ministério da Saúde (MS) criou a política nacional de atenção integral da saúde do homem com idade entre 19 a 59 anos.

Essa política tem como finalidade contribuir de modo efetivo para a redução das doenças e da mortalidade, desenvolvendo metas de prevenção, promoção, tratamento e reabilitação dos agravos à saúde do homem, sobretudo nos serviços oferecidos no Sistema Único de Saúde (SUS).

O programa Saúde do Homem foi lançado em 2011 no Acre, com oficinas de capacitação para preparar os profissionais que atendem na atenção básica de saúde. Nos últimos três anos, a equipe do Saúde do Homem realizou a implantação do programa em todos os municípios do Estado, além de serviços como atendimentos ambulatoriais, exames de toque retal (para averiguar a situação da próstata), e os casos que requereram intervenção cirúrgica, foram encaminhados para o HC.

Urologia no Acre

De acordo com o coordenador estadual do programa Saúde do Homem, o médico Mauro Trindade, o maior objetivo é incentivar a prevenção de doenças, considerando que, a cada três mortes de pessoas adultas, duas são de homens. Eles vivem, em média, sete anos menos do que as mulheres e têm mais doenças do coração, câncer, diabetes, colesterol e pressão arterial elevada.

O serviço de urologia no Acre passou a ter um trabalho com mais ênfase desde 2011, com a formação de uma equipe de cinco profissionais urologistas que atendem no Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (Huerb), Maternidade Bárbara Heliodora e nos hospitais do Câncer e do Idoso.

No HC várias cirurgias urológicas são realizadas, ou seja, as de câncer nos rins, bexiga, próstata, transplante renal, retirada de pedra nos rins, além das de trauma, reconstrutoras, perda de urinária e má formação congênita.

O médico urologista Fernando de Assis ressalta que, em todos os dias, esses hospitais dispõem de um médico especialista da área para atender a demanda. “Realizamos, mensalmente, cerca de 500 atendimentos ambulatoriais no HC. Há também a parceria com o programa Saúde do Homem, onde levamos atendimento médico para os locais mais longínquos”, conta.

Assis comenta que a fila de espera do Tratamento Fora de Domicílio (TFD) para atendimentos urológicos foi extinta, pois os pacientes são diagnosticados e tratados aqui mesmo, no Acre, sem precisar sair de perto da família. “Esse é o maior ganho, tanto para a população, quanto para o serviço de urologia do Estado”, enfatiza.