Quase R$ 2 mi foram investidos no programa Crack, é Possivel Vencer.

Novos veículos serão utilizados pela Polícia Militar (PM) (Foto: Rayssa Natani/G1)
Novos veículos serão utilizados pela Polícia Militar (PM) (Foto: Rayssa Natani/G1)

Viaturas e equipamentos foram entregues nesta quinta-feira (14)  para compor o suporte logístico dos setores de segurança pública do Acre. O estado aderiu ao Programa Nacional de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas, coordenado pelo Ministério da Justiça em parceria com a Secretaria Nacional de Políticas Sobre Drogas (Senad). 

Para aumentar a segurança nos bairros e colocar em prática o Programa Crack, é Possível Vencer, o estado recebeu do Governo Federal um centro de comando e controle móvel, um sistema de videomonitoramento com 20 câmeras, duas viaturas policiais, duas motocicletas caracterizadas para uso policial com seis capacetes, 50 armas de condutividade elétrica, mais um data kit e 150 espargidores de gás lacrimogêneo. O total do investimento foi de R$ 1.887.833,50.

A secretária nacional de Segurança Pública, Regina Miki, esteve presente durante a entrega oficial. “É uma satisfação voltar ao Acre e poder entregar equipamentos para que os policias possam ter um olhar diferenciado sobre o trabalho executado com o Crack, é Possível Vencer e com os nossos irmãos detentos”, diz.

A secretária nacional de Segurança Pública, Regina Miki esteve presente na entrega (Foto: Rayssa Natani/G1)
A secretária nacional de Segurança Pública, Regina Miki esteve presente na entrega (Foto: Rayssa Natani/G1)

la defendeu em seu discurso  a criação de políticas públicas para trazer para perto os que estão à margem da sociedade. “É preciso que haja uma quebra de paradigma e se faça entender que o usuário não é um problema de polícia, é um problema de saúde. Isso cabe as políticas sociais, trazer a oportunidade dos usuários fazerem seus projetos de vida”.

Regina citou ainda a importância da integração entre a segurança, saúde e a assistência social. “Tudo isso muito alinhado aos direitos humanos, porque nós entendemos que este usuário em um determinado momento da vida teve um desvio e precisa da mão amiga do estado, da família e da sociedade para que ele possa retomar”.

De acordo com o secretário Estadual de Segurança Pública do Acre, Reni Graebner, este plano de integração já vem sendo realizado no estado. “Aqui, nós trabalhamos totalmente integrados, não só nesse projeto, mas em todas as situações. Só não havia essa sistematização. Em conjunto com todas as instituições, as secretarias do estado e da prefeitura, buscamos a prevenção, sem deixar de fazer a repressão”, destaca.

Segundo Dora Araújo, da Secretaria de Assistência Social, com os recursos do Plano Crack foram criados o Centro Pop e o Centro de Referência Especializada da Assitência (Creas). No primeiro, um grupo de técnicos realiza abordagem social durante 24 horas. “O dependente químico é tratado como um problema de saúde. Atuamos em quatro eixos: tratamento, segurança e o eixo do serviço de atendimento à família”, acrescenta.

Rayssa Natani Do G1 AC

50 armas de condutividade elétrica foram entregues (Foto: Rayssa Natani/G1)
50 armas de condutividade elétrica foram entregues
(Foto: Rayssa Natani/G1)