Após ser cercado pela PM, homem efetuou disparos e feriu um policial.

Raimunda cobra providências (Foto: Genival Moura/G1)
Raimunda cobra providências
(Foto: Genival Moura/G1)

A Polícia Militar de Cruzeiro do Sulconseguiu evitar uma tragédia, na tarde de sexta-feira (8). De acordo com a PM, um homem tentou matar a esposa com uma escopeta em um bar no bairro Copacabana. Após efetuar disparos contra a polícia, ele atingiu um soldado de raspão e ameaçou se matar com uma faca.  O suspeito havia sido liberado pela justiça há poucos dias, depois de agredir a companheira.

Raimunda Silva da Conceição de 28 anos, trabalhava em um bar quando foi surpreendida pelo marido, Manoel Peixoto da Costa, de 33 anos. Um amigo do casal tentou tomar a arma do suspeito e um disparo foi efetuado contra o teto de uma residência ao lado. Cercado pela polícia, Peixoto tentou fugir atirando contra os policiais e atingiu de raspão a mão de um soldado da PM.

“Após deixar a escopeta, ele foi cercado e colocou uma faca no próprio pescoço pedindo que ninguém se aproximasse caso contrário ele iria se matar. Nós tentamos negociar, mas ele acabou desferindo um corte no pescoço e em seguida a própria guarnição fez a condução do ferido ao Pronto-Socorro porque ele sangrava bastante”, explicou Renizio Negreiros, sargento da Polícia Militar.

O homem ferido passou por uma cirurgia para sutura do corte e se recupera bem, segundo a polícia. O soldado atingido com o disparo também recebeu atendimento médico mas foi liberado.

Peixoto já havia agredido a esposa com um soco no rosto no início da semana. Raimunda Silva da Conceição prestou queixa contra o agressor que foi preso em flagrante na segunda-feira (4) pela Polícia Civil. Segundo a delegada, Carla Ívane de Brito, uma fiança foi arbitrada, mas como o suspeito não conseguiu pagar a quantia foi encaminhado ao presídio local.

No dia seguinte, mesmo sem pagar a fiança, o homem foi liberado pela justiça mediante a condição de não se aproximar da esposa ou proferir ameaças a ela. “Só que ele saiu e já começou me ameaçar, inclusive rondou a escola onde eu estudo provavelmente com a arma.

Na sexta-feira (8) de manhã eu procurei a delegacia e informei o que estava acontecendo, quando foi à tarde houve tudo isso. O que adianta a gente denunciar?”, indagou a mulher em estado de choque.

A delegada Carla Ívane de Brito, da Delegacia de Proteção à Mulher, disse que só soube das novas ameaças quatro dias depois que o suspeito estava em liberdade. Ela disse ainda que já estava providenciando um pedido de prisão preventiva e ofereceu um abrigo que acolhe mulheres vítimas de violência, mas a vítima não aceitou.

Após receber alta do hospital, Manoel Peixoto da Costa, será novamente encaminhado ao presídio de Cruzeiro do Sul.

Genival Moura Do G1 AC