Daniel Moreira da Silva confirmou ter sido orientado a denunciar o fato pelo ex-vereador

Daniel Moreira da Silva confirmou ter sido orientado a denunciar o fato pelo ex-vereador
Daniel Moreira da Silva confirmou ter sido orientado a denunciar o fato pelo ex-vereador

No parecer do Promotor Eleitoral Fernando José Piazenski ele trata de desconstruir as provas que cassaram os 6.191 votos do Prefeito eleito James Gomes.

Os nomes do Ex-prefeito Celso Ribeiro, do ex-vereador Valna e de Henrique Belezura colaboraram para que o procurador compreenda que trata-se uma orquestração eleitoral.

Leia parte do que escreve o Promotor Fernando José Piazenski:

A inicial e as provas produzidas em juízo são fundadas em declarações de pessoas interligadas aos integrantes do grupo de oposição em declarações imprecisas e incongruentes.

Valna, o Promotor, Celso, André e Belezura
Valna, o Promotor, Celso, André e Belezura

Isso porque Erlenilson do Nascimento Souza é empregado de uma das Fazendas do Pai de “Belezura”, um dos coordenadores da candidatura do opositor André Maia, da coligação do segundo colocado.

Daniel Moreira da Silva confirmou ter sido orientado a denunciar o fato pelo ex-vereador “Vauna”, da coligação do segundo colocado.

Por fim as declarações de Francisca Souza Lima são contraditórias e soam com falsas quando cotejadas com as testemunhas Maria de Fátima de Almeida Silva e Sebastião Moura Ferreira, moradores da comunidade Bonal, os quais uníssonos ao afirmarem que, ao contrário do declarado em júizo e na sede do Ministério Público da 8ª Zona, Francisca de Souza Lima não participou de nenhuma reunião, não mora mais naquela localidade desde 2011 e os fatos relatados por ela são inverídicos.

A fragilidade probatória (ou as provas) em que se escora a condenação é inrrelevante e não tem condão de sustentar condenação, porquanto os depoimentos encartados aos autos, conforme descrito acima, não comprovam que efetivamente ouve captação ilícita de sufrágio.

Da Redação do Portal Quinari