Deformação é intencional e associada com grupo de origem centro-asiática. 

Pesquisadora de instituto de arqueologia francês trabalha no crânio deformado (Foto: FREDERICK FLORIN / AFP)
Pesquisadora de instituto de arqueologia francês trabalha no crânio deformado (Foto: FREDERICK FLORIN / AFP)

Um levantamento arqueológico numa área da Alsácia, na França, que será destinada a instalações industriais, revelou, entre inúmeros objetos de épocas diversas, um crânio deformado em um cemitério do período merovíngio, que durou do século V ao VIII. Segundo a agência AFP, o achado é do começo desse período (século V). Trata-se da cabeça de um adolescente da elite da sociedade de origem bárbara que habitava aquela região na época.

De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Arqueológicas Preventivas (Inrap, na sigla em francês), a deformação do crânio, feita intencionalmente para dar distinção social, é associada com os hunos, grupo de origem centro-asiática que se instalou na Europa. Para alterar o formato do crânio, ele é pressionado com placas fixas ao seu redor desde a infância.

Do G1, em São Paulo

Crânio deformado do século V é achado na França (Foto: FREDERICK FLORIN / AFP)
Crânio deformado do século V é achado na França (Foto: FREDERICK FLORIN / AFP)