MS e Sesacre realizam o teste da nova versão da Caderneta de Saúde da Pessoa Idosa

O evento teve a participação de representantes do Ministério da Saúde (MS), da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre) e das secretarias municipais de sáude de Xapuri, Senador Guiomard, Plácido de Castro e do Bujari (Foto: Assessoria)
O evento teve a participação de representantes do Ministério da Saúde (MS), da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre) e das secretarias municipais de sáude de Xapuri, Senador Guiomard, Plácido de Castro e do Bujari (Foto: Assessoria)

No ano em que o Estatuto do Idoso completa 10 anos – sancionado em outubro de 2003 pelo ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva –, o Ministério da Saúde (MS), por meio da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), propõe a revisão da Caderneta da Pessoa Idosa, cuja primeira versão foi lançada em 2007. Neste sábado, 26, no Centro Dia para Idosos (Estação Experimental), um grupo de idosos do bairro Distrito Industrial participou deste processo, que levanta a proposta de aperfeiçoar o atendimento da comunidade ainda na atenção primária – postos de saúde e unidades da família.

O público acordou mais cedo para esperar o transporte coletivo em pontos de concentração distribuídos pela região do Rui Lino, Mocinha Magalhães, Primavera e Universitário – com o apoio do Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo (Sindcol). Concluído o trajeto, eles foram recepcionados com um café da manhã, cedido pelo restaurante Tempero do Norte, para mantê-los animados para a maratona de entrevistas, que durou cerca de 30 minutos. Como já era prevista a chegada de muita gente – foram mais de 100 pessoas –, houve também a realização de atividades físicas, oficinas cognitivos, avaliação da pressão arterial e de glicemia capilar (diabetes).

A programação chamou a atenção da aposentada Nazaré Gomes de Menezes, que participou do teste da nova versão da caderneta por considerá-la eficiente. Ela revela que utiliza o benefício há  pouco tempo, mas já enxerga mudanças quando procura atendimento na rede pública de saúde. “É muito bom, né, tá bem mais ligeiro”. E dona Nazaré não está sozinha. Dos 48 mil idosos acreanos, quase metade – 22 mil – faz uso desta ferramenta, que torna possível o acompanhamento detalhado do quadro de saúde e também da realidade social desta comunidade, além de auxiliar na identificação precoce de situações de risco, já que todas as consultas ficam registradas.

Acesso à informação

Para o geriatra Edegar Nunes Moraes, coordenador do Centro de Atenção ao Idoso do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (MG), a Caderneta de Saúde da Pessoa Idosa proporciona ao paciente um maior acesso a informação sobre a própria saúde, avanço que permite o empoderamento e, principalmente, o autocuidado. “É uma ajuda valiosa para os médicos na hora de tomar as decisões clínicas. As versões anteriores foram muito boas, mas, hoje, o conhecimento avançou demais. Então, o MS achou importante atualizar a caderneta em cima das novas informações sobre a avaliação da saúde do idoso, que deve começar na base, na atenção primária”.

No Acre, o teste da nova Caderneta de Saúde da Pessoa foi desenvolvido pelo Ministério da Saúde (MS), por meio da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) (Foto: Assessoria)
No Acre, o teste da nova Caderneta de Saúde da Pessoa foi desenvolvido pelo Ministério da Saúde (MS), por meio da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) (Foto: Assessoria)

De acordo com Dalia Romero, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) –  instituição responsável pelo processo de revisão da caderneta –,  é importante que a população perceba o conceito de saúde no âmbito geral. Ponto que foi reafirmado nesta nova versão. “Na Constituição de 1998, a República já entende que saúde não é apenas doença: saúde é um complexo que se relaciona com a qualidade de vida. Quando o Brasil melhora os índices de escolaridade e promove um programa social, como o Bolsa Família, ele está, na verdade, investindo na saúde. Então, por exemplo, quando a caderneta solicita informações sobre a situação familiar, também aborda a questão da saúde, porque é uma área em que tudo interfere”, afirma.

O Acre na atenção da comunidade idosa

O Acre já implantou o uso da Caderneta de Saúde da Pessoa Idosa nas 21 cidades do interior, sendo que Rio Branco já recebe o benefício diretamente: 43 das 53 Unidades de Saúde da Família fazem o acompanhamento. O usuário com mais de 60 anos recebe o documento e devolve uma ficha preenchida para a Sesacre, que utiliza os dados para alimentar um banco de dados – em fase de elaboração desde 2009 –, a fim de possibilitar que o governo conheça o perfil da comunidade idosa da região. Foi assim, a partir desta dinâmica, que o MS incluiu o Estado na fase de teste.

“É muito importante que todos os municípios também tenham uma área técnica de saúde do idoso. Por isso convidamos os representantes de Xapuri, Senador Guiomard, Plácido de Castro e Bujari, que estão presentes por entenderem a importância de somar esforços nesta ação do MS, que no próximo ano deve entregar a nova caderneta. Em nome do governo, aproveito para agradecer aos apoiadores que tornaram o dia mais especial e agradável”, explica Rossy Ramos, coordenadora da Divisão de Saúde do Idoso da Sesacre. Fora o Sindcol e o Tempero do Norte, a empresa de água mineral Verágua também colaborou para a programação.

AGENCIA DE NOTICIAS DO ACRE