A igreja é uma instituição que também trabalha finanças em seu sistema

Denílson Segóvia (PEN)
Denílson Segóvia (PEN)

O deputado estadual Denílson Segóvia (PEN) usou a tribuna da Aleac para fazer um desabafo sobre os últimos acontecimentos que envolveram seu nome numa disputa interna na Igreja do Evangelho Quadrangular, onde vazou que ele ele teria sido destituído da presidência da IEQ por causar prejuízos institucionais à igreja.

“A igreja é uma instituição que também trabalha finanças em seu sistema organizacional. Eu recebi padrões que a Quadramgular integrasse o Transparência Brasil, mas alguns pastores não conseguiram se adequar pela falta de prática. Quando eu vi a coisa apertar, eu pedi uma intervenção”, diz Segóvia.

O deputado nega que tenha acontecido a intervenção, conforme afirmou o pastor Coronel Juvenal. Denílson Segóvia isenta o colega por qualquer informação que tenha sido divulgada da situação organizacional da igreja. Ele afirma ainda, que continua como pastor de sua congregação na Isaura Parente, no bairro Bosque.

“A nossa instituição é tão organizada, que não aceita um recibo qualquer na prestação de contas. Na área financeira não existe aleluia nem glória a Deus. A Quadrangular tem mais de 12 mil filiais no Brasil, totalmente online, adequada a um sistema de relatório. Os pastores que saíram confundiram o pastorado com administração”, afirma o pastor Segóvia.

O parlamentar disse que foi atacado porque exigia relatórios da situação financeira das igrejas, “mas não deixei até o último instante de ser um bom gestor”. Segóvia informou que se reuniu com 270 líderes da denominação, em todo o Brasil, para decidir a questão da transparência nas contas da IEQ.

“A minha igreja é transparente. Quero finalizar dizendo que pessoas do ministério que estão me atacando é porque não cumpriram suas obrigações. Eu quero tirar de cima do Juvenal, todo este peso das acusações. Jamais tivemos problemas de agressão na instituição, sempre convivemos na paz. Esta tempestade vai passar”, finaliza Denílson Segóvia.

Ray Melo, da redação de ac24horas