Idosa vítima de AVC aguarda decisão judicial para ter direito à auxílio-doença

Teresinha Teles do Nascimento
Teresinha Teles do Nascimento

Vítima de Acidente Vascular Cerebral (AVC), dona Teresinha Teles do Nascimento, 58, há três anos vive acamada. Ela não anda, não fala, tem dificuldades para comer e ouvir.

Sem recursos financeiros o esposo Francisco Noé da Silva, 62, buscou junto ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) um auxílio doença para a companheira. O benefício foi concedido, mas após três anos foi suspenso.

O esposo entrou na justiça com um novo pedido de auxílio doença. O processo tramita na 1ª Vara Cível da Comarca de Cruzeiro do Sul. A petição inicial é de 2011. Uma nova perícia médica foi realizada. O laudo já está em anexos nos autos. As partes devem, nos próximos dias, serem intimadas para tomar conhecimento do resultado. Após concluso o juiz dará a sentença ou marcará uma nova audiência para ouvir as partes.

Por ainda pagar o empréstimo feito para comprar a casa onde vivem no Conjunto Vale dos Buritis em Cruzeiro do Sul, os dois sobrevivem de apenas 240 reais  mensais. O valor é dividido para as despesas da casa e remédios. O casal conta ainda com a ajuda dos vizinhos que se sensibilizam com a situação. “A casa fica há quase 100 metros do asfalto. Quando ela tem crise, ele precisa levar ela nos braços até o SAMU, que só vem até o começo da ladeira. É complicado pra ele. Em dias de chuva a situação é ainda mais comovente”, desabafou a vizinha Rosilma Antônia dos Santos.

As informações e iamgem são do Juruá On Line, por Glória Maria.