Cachorro está internado com traumatismo craniano e ferimentos no corpo. Agressor alega que agiu em legítima defesa.

José Nilson
José Nilson dono do cachorro

Escrito Por G1 AC

O técnico de refrigeração, José Nilson, denunciou, na tarde desta terça-feira (17), a agressão contra o seu cachorro Rabito. De acordo com o dono do animal, os ferimentos foram causados por pedaços de madeira que resultaram em vários ferimentos e traumatismo craniano no cachorro. O suspeito das agressões se defende e afirma ter agido em legítima defesa.
Nilson disse que foi informado do caso pelo seu vizinho que viu tudo. “Minha mulher e eu tínhamos saído de casa e o cachorro se soltou, ele sempre fica preso. O vizinho disse que ele estava passeando na rua, sem avançar em ninguém, quando um rapaz, conhecido como Tabaco, passou na moto e o Rabito o acompanhou latindo. Ele se assustou, mas parece que nem chegou a cair da moto, ficou com raiva e pegou um pedaço de madeira para atingir meu cachorro”, disse.

O dono do cachorro ressalta que o vizinho presenciou toda a ação do motoqueiro. “Não satisfeito, ele entrou no meu quintal e o cachorro já estava dentro da área de serviço, dentro da minha casa. Ele entrou na minha casa e continuou agredindo o meu cachorro. O vizinho escutou e quando chegou lá, ele estava saindo por baixo do arame da minha casa e o cachorro ficou desmaiado e sangrando muito pela boca, o olho também estava bem inchado por causa da pancada na cabeça”.
Logo após o ocorrido, o vizinho de Nilson, ligou para ele que estava no trabalho e contou a situação. O técnico de refrigeração foi em casa e tentou resolver o problema com o motoqueiro. “Quando eu cheguei em casa, meu cachorro estava em pé, mas ainda sangrava muito. Eu procurei o agressor e perguntei se o 
Rabito tinha mordido, ele disse que não, mas que tinha quebrado o retrovisor da moto. Eu falei para ele que qualquer dano eu pagaria, mas ele não tinha o direito de entrar na minha casa e agredir o meu cachorro. Ele não estava mais na rua, tinha ido se refugiar em casa”, explica.
Mesmo com a tentativa de um acordo, Nilton disse que o suspeito mandou que ele fosse na delegacia e registrasse queixa contra ele. Um boletim de ocorrência foi registrado na 4ª Regional de Rio Branco e uma audiência está marcada para o dia 30. O delegado responsável pela Regional, Jarlen Alexandre, informou que o procedimento é tentar um acordo na audiência e, caso não seja resolvido, será feita uma conciliação no juizado.
Estado de saúde do cachorro
Rabito está em recuperação em um clínica veterinária. O veternário relata que ele chegou bastante assustado no local e demorou algumas horas até que ele se acalmasse para ser devidamente examinado. Além disso apresentava ferimentos, febre e traumatismo craniano.
Sobre o estado de saúde do cachorro, o médico não descarta a possibilidade de coágulos que podem deixar sequelas no animal. Porém, se mostra otimista com a evolução apresentada por Rabito. “Ele chegou aqui em um estado péssimo, mas evolui muito bem de ontem pra hoje. Eu acredito que em dois dias ela já possa voltar para a casa”, ressalta.

José Nilson dono do cachorro
pedaço de madeira usado para agredir o cachorro         

Legítima defesa
O suspeito das agressões é Luiz da Silva, mais conhecido como ‘Tabaco’. Ele confirmou que agrediu o cachorro, mas nega ter entrado na casa de Nilson. Além disso, ele afirma ter agido em legítima defesa por ter sido atacado por Rabito. “Eu ia passando e ele me atacou, partiu pra cima. A minha moto caiu e ai peguei um pedaço de madeira para acertar ele. Ele correu pra dentro do quintal e não sei mais o que aconteceu”, justificou.
Apesar de não ter sido mordido pelo animal, Luiz diz que o cachorro tentou morder a sua perna e só reagiu após perceber um ataque do animal que, segundo ele, estava furioso. O suspeito disse que está ciente sobre o boletim de ocorrência e que também vai tomar providências. “Eu vou prestar queixa também. O cachorro me atacou!”.
Ao ser questionado sobre um possível arrependimento, Luiz diz que vai esclarecer as informações somente para o delegado. “Eu me defendi, foi em legítima defesa”, finaliza.

José Nilson dono do cachorro
José Nilson dono do cachorro