Selecionada no Mais Médicos pede companheirismo dos colegas brasileiros.
‘Não queremos ser melhores’, disse a médica, que deverá atuar em Beruri.

Adela Fernandez, médica cubana, pede companheirismo de colegas brasileiros (Foto: Marcos Dantas/G1 AM)
Adela Fernandez, médica cubana, pede companheirismo de colegas brasileiros (Foto: Marcos Dantas/G1 AM)

Marcos DantasDo G1 AM

A médica cubana Adela Fernandez, selecionada na primeira etapa do Programa Mais Médicos, do Governo Federal, desembarcou em Manaus na noite deste domingo (15), junto com mais 29 colegas que atuarão em Manaus e no interior. Formada há 16 anos, Adela disse esperar que os profissionais brasileiros respeitem os estrangeiros.

A cubana, que vai trabalhar em Beruri, município distante 173 km de Manaus, pediu que os médicos locais não tenham resistência com os selecionados do programa. Para ela, o objetivo dos profissionais que estão vindo ao Brasil é trabalhar em conjunto com os locais. “Os médicos não têm que ter resistência conosco, pois estamos aqui para ocupar o nosso lugar e não tirar o lugar de ninguém, nem querer ser melhor que ninguém. A única coisa que queremos é trabalhar cotovelo com cotovelo”, disse ao G1.

Natural de Guantánamo, Adela acredita que o maior desafio que vai encontrar no interior são as doenças que são pouco conhecidas ou nem existem mais em Cuba. “Temos muita expectativa, porque vamos atender à população brasileira e enfrentar doenças que não são muito conhecidas e até erradicadas em Cuba. Estamos ansiosos para trabalhar lado a lado com os médicos daqui. Queremos fazer mudanças no estilo de vida, para melhorar a saúde do povo brasileiro”, afirmou.

Chegada dos médicos

Médicos estrangeiros e brasileiros formados no exterior desembarcaram neste domingo (15), em Manaus (Foto: Marcos Dantas/G1 AM)
Médicos estrangeiros e brasileiros formados no exterior desembarcaram neste domingo (15), em Manaus (Foto: Marcos Dantas/G1 AM)

Nesta semana, 74 médicos selecionados na primeira fase do programa Mais Médicos, do Governo Federal, desembarcaram em Manaus. Destes, 64 chegaram à capital doAmazonas na noite deste domingo.

Eles foram recebidos pelo secretário de Saúde Indígena do Ministério da Saúde, Antônio Alves, e pelo secretário estadual de saúde, Wilson Alecrim, no aeroporto da Base Aérea de Manaus. Eles passarão por um treinamento para conhecimento de doenças da região e até o dia 22 serão enviados para os municípios onde irão trabalhar.

Dos 74 médicos, 61 são naturais de Cuba, e outros 13 originários de Espanha, Portugal, Bolívia, Peru, República Dominicana, México, e brasileiros formados no exterior. Nesta primeira fase do Mais Médicos, o Amazonas deve receber, no total, 123 médicos.