O laudo adulterado foi apresentado pela parlamentar em denúncia apresentada ao Ministério Público Estadual

A vereadora Eliane Sinhasiqui (PMDB)
A vereadora Eliane Sinhasiqui (PMDB)

Escrito por Tião Vitor

A vereadora Eliane Sinhasiqui (PMDB) adulterou um laudo do da Unidade de Tecnologia de Alimento (Utal) da Universidade Federal do Acre (Ufac) para afirmar que a água distribuída em Rio Branco pelo Departamento de Pavimentação e Saneamento do Acre (Depasa) está contaminada e não é própria para o consumo.

O laudo adulterado foi apresentado pela parlamentar em denúncia apresentada ao Ministério Público Estadual (MPE) e em reportagem divulgada no site AC24 Horas nesta quarta-feira, 11, em matéria titulada “Exame confirma que água distribuída em Rio Branco está contaminada”.

No final desta tarde, o diretor-presidente do Depasa, Felizmar Mesquita, convocou a imprensa da capital para repor a verdade, apresentar o laudo completo divulgado pela Utal e condenar a postura da parlamentar peemedebista, postura essa considerada como uma vil tentativa de prejudicar o trabalho que vem sendo executado pelo Depasa e pelo governo do Estado do Acre.

Também no final da tarde desta quarta-feira, o professor-doutor Antonio Gilson Gomes Mesquita, diretor da Utal, divulgou uma nota em que esclarece que as informações constantes no que foi divulgado pela vereadora referem-se a uma amostra coletada em apenas um domicílio no bairro Wilson Ribeiro, não podendo, portanto, ser tomado como padrão de toda a distribuição na capital.

Veja abaixo a nota divulgada pela Utal:

Nota de Esclarecimento

A Unidade de Tecnologia de Alimentos (Utal) da Universidade Federal do Acre (Ufac) vem a público esclarecer o conteúdo veiculado no site do diário “AC 24 Horas”, postado em 11/9/2013, sob o título “Exame confirma que água distribuída em Rio Branco está contaminada”.

Inicialmente, nossa unidade foi procurada por um interessado em realizar uma análise da amostra de água que este havia, pessoalmente, coletado, por determinação da senhora vereadora Eliane Sinhasique. Ocorre que, conforme nosso procedimento padrão, primeiramente é gerada uma Guia de Recolhimento da União (GRU), que deve ser paga para posterior agendamento da coleta, que é realizada por um técnico treinado da Utal, devidamente identificado e em veículo oficial.

A coleta da amostra feita pela Utal foi realizada na residência situada no bairro Ilson Ribeiro, à Rua 1, nº 271. As análises da amostra gerou o Laudo de n° 521/2013, abaixo apresentado, que foi entregue ao representante da referida parlamentar.

Ao observar os resultados especificados pelo referido laudo, nota-se que apenas um único parâmetro (“Coliformes Totais”), entre os seis analisados, encontra-se em desconformidade com a Portaria n° 2.914 de 12 de dezembro de 2011 do Ministério da Saúde. Este parâmetro indica a presença de um grupo de micro-organismos não fecais que ocorrem naturalmente no ambiente e que não são responsáveis pela transmissão de doenças de veiculação hídrica, tais como febre tifoide, febre paratifoide, disenteria bacilar e cólera.

Além disso, seria necessário, para afirmar a contaminação de toda a água distribuída pela empresa responsável pelo tratamento, um estudo mais profundo com coletas de, pelo menos, 40 amostras de água a cada 20 mil habitantes, a serem obtidas desde sua origem de distribuição (ETA) até as unidades consumidoras.

Portanto, o laudo emitido pela Utal se restringe, única e exclusivamente, à amostra coletada pelo nosso técnico no domicílio acima mencionado, não dando margem para outra interpretação.

Com isso, esperamos ter esclarecido os equívocos que a matéria veiculada tenha deixado transparecer, além de tranquilizar a sociedade civil organizada quanto ao consumo da água. Finalmente, nos colocamos à disposição para, em conjunto com a empresa distribuidora, realizar um estudo detalhado da qualidade da água consumida pela população de Rio Branco e tornar seu resultado público.

Rio Branco-AC, 11 de setembro de 2013.

Prof. Dr. Antonio Gilson Gomes Mesquita

(Diretor da Utal)

E, abaixo, o laudo em sua íntegra: