A administração da Cúria – o governo do Vaticano – pelo cardeal Bertone, de 78 anos,
(RFI)
Foto de arquivo de Pietro Parolin, que foi nomeado neste sábado, 31 de agosto de 2013, secretário de Estado do Vaticano pelo papa Francisco. Reuters
Foto de arquivo de Pietro Parolin, que foi nomeado neste sábado, 31 de agosto de 2013, secretário de Estado do Vaticano pelo papa Francisco.
Reuters

Em plena reflexão sobre a reforma da Cúria, o papa Francisco substituiu neste sábado, 31 de agosto de 2013, a segunda maior autoridade do Vaticano, o controverso cardeal Tarcisio Bertone. Segundo um comunicado da Santa Sé, o cargo de secretário de Estado será ocupado por um diplomata, o italiano Pietro Parolin, que era embaixador do Vaticano na Venezuela.

 

A administração da Cúria – o governo do Vaticano – pelo cardeal Bertone, de 78 anos, foi contestada muitas vezes. Ele era alvo de ataques nos documentos revelados pelo escândalo Vatileaks, acusado de erros de gestão e de escolhas desastrosas.

“O Santo Padre Francisco aceitou a demissão de sua Eminência o cardeal Tarcisio Bertone, anunciou a Santa Sé, especificando que este último vai continuar a exercer suas funções até o dia 15 de outubro.

Aos 58 anos, Pietro Parolin é relativamente jovem nas altas esferas do Vaticano, o que, segundo os observadores, poderia contribuir para renovar o governo da Igreja. Ele trabalhou anteriormente no México e na Nigéria e tratou de questões delicadas, como as relações entre o Vaticano e a China comunista, o Vietnã e Israel.

O cardeal Bertone havia sido nomeado ao cargo de secretário de Estado em 2006 pelo papa Bento 16, com o qual ele atravessou todas as dificuldades dos últimos anos: escândalos de pedofilia, o vazamento de documentos confidenciais e a reforma das finanças do Vaticano.

Uma ampla reorganização da Cúria está sendo realizada. Desde sua eleição em março, o papa Francisco nomeou várias comissões encarregadas de estudar a reforma da Cúria e do banco do Vaticano. As linhas gerais dessa reforma devem ser divulgadas no início de outubro.

Faz parte da tradição que os novos papas substituam, com maior ou menor rapidez, o secretário de Estado nomeado por seu predecessor, e o cardeal Bertone já havia ultrapassado o limite de idade, 75 anos, geralmente em vigor para a aposentadoria dos altos responsáveis da Igreja.