Esta vantagem, porém, é questionada pelos adversários que apontam uma série de irregularidades.

Os cinco candidatos derrotados ao cargo de presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Acre (Sinteac) entrarão com um pedido de liminar, na tarde desta sexta-feira, 30, junto à Justiça do Trabalho tentando a suspensão da posse de Rosana Nascimento, que deve ocorrer no próximo dia 5 de setembro.

Além da não posse da candidata vitoriosa, eles vão pedir a anulação do processo eleitoral e a convocação de uma nova disputa. Ao todo, Rosana da CUT, como também é conhecida, recebeu 1.978 votos.

Esta vantagem, porém, é questionada pelos adversários que apontam uma série de irregularidades. De acordo com Waldir França, algumas das urnas foram violadas, enquanto outras chegaram a permanecer nas escolas sem irem para a quadra do Colégio Acreano, escolhido como local da apuração.

França ainda aponta uma possível atuação tendenciosa da comissão eleitoral. O candidato, que vinha como de oposição, disse que toda a estrutura do governo estava em benefício de candidata vencedora.

Procurada pela reportagem, Rosana Nascimento disse que as acusações de fraude não procedem. “O processo foi todo transparente, tanto que a nossa chapa foi a que menos contou com fiscais”, afirma. De acordo com ela, seus próprios concorrentes deram sumiço em urnas quando da confusão envolvendo a PM.

“Não há nenhuma razão para impugnarem a eleição, não cometemos nenhuma irregularidade, cumprimos tudo o que manda nosso estatuto, agora se eles se acham prejudicado é um direito recorrer à Justiça”, declarou Rosana.

O professor Justino Queiroz disse que vai entrar com uma ação Justiça/Foto: Agência ContilNet
O professor Justino Queiroz disse que vai entrar com uma ação Justiça/Foto: Agência ContilNet