Eu era uma criança e já não sentia o desejo de usar as coisas de menino,

Camila pediu para não ter o rosto exibido pela reportagem
Camila pediu para não ter o rosto exibido pela reportagem

A série de reportagens em “Em busca do personagem” do Portal Quinari continua nesta segunda-feira, contando a história de Camila Salles.

Camila Salles de 21 anos é um jovem homem que optou pela homossexualidade, no entanto sentia o profundo desejo de ser uma mulher e logo virou um travestir.

Quando descobriu

“Eu era uma criança e já não sentia o desejo de usar as coisas de menino, como exemplo roupas, sempre quis ser mulher”, diz Camila.

Logo a diante eu pergunto como foi à reação da família, ela diz:

“Foi difícil, meus pais são evangélicos e eles também sofrem discriminação por eu ter tido essa opção de fazer as alterações no meu corpo”.

Preocupada sobre a utilização e imagens a entrevista segue, e a mãe de Camila assiste sentada as perguntas que eram feitas a filha.

Sobre a discriminação sofrida

“Depois que eu tive que mudar meu corpo, eu não sou mais a mesma. Já vi muitas amigas morrendo, tudo pela discriminação que nós sofremos”, desabafa.

Questionada se concluiu os estudos ela responde com outra pergunta: “Como se não posso ter uma vida normal e todo mundo me discrimina? O que eu queria mesmo era me matricular numa escola e ninguém ficar apontando o dedo e fazendo gracinhas com o meu jeito”, dispara.

O que marcou a sua vida?

Camila e o jornalista Gilberto Moura durante a entrevista
Camila e o jornalista Gilberto Moura durante a entrevista

“Várias coisas marcam a vida da gente, já vi amigas morrerem na minha frente por conta da discriminação, de intolerância. Travesti lá fora e aqui sofre o pão que o diabo amassou, por conta de vivermos dessa forma, aí as pessoas findam bagunçando, mexendo e tudo vira uma consequência mais grave” relata.

Qual é teu futuro hoje?

“Eu tenho meus planos, meus projetos, mais espaço para isso eu não tenho. Eu estudei até o terceiro ano, agora depois que eu fiz algumas mudanças tive que desistir e findei não concluindo”, desabafa.

O pedido especial

No fim da reportagem Camila foi enfática ao dizer que não deseja mudar de vida, no entanto não mudará de opção sexual e deseja apenas uma oportunidade de trabalho para seguir estudando normalmente.

Da Redação do Portal Quinari-Gilberto Moura