A tentativa de matar o agente ocorreu na tarde desta segunda-feira (05) durante o “banho de sol” de 80 presidiários do Pavilhão “E” da URP

Fonte-ecos da noticias

DSC_5430-300x199A tentativa de matar o agente penitenciário Márcio Bento Mota ocorreu na tarde desta segunda-feira (05) durante o “banho de sol” de 80 presidiários do Pavilhão “E” e da Unidade de Recuperação Provisória – URP, quando o agente que estava na guarita foi empurrado de uma altura de mais de cinco metros.

De acordo com informações os presos teriam feito uma espécie de “escada humana” (quando um preso sobre o outro) até alcançar a guarita em que estava o agente penitenciário.

Ao perceber a ação dos detentos o agente B. Mota ainda efetuou um tiro de arma não letal para cima, objetivando alertar os coletas de trabalho, mas quando os demais agentes perceberam os presos já haviam empurrado o agente da guarita.

Com o impacto da queda o agente sofreu uma forte pancada na cabeça e perdeu os sentidos sendo socorrido pelos colegas que acionaram o SAMU.

A vítima foi encaminhada ao Pronto Socorro de Rio Branco, onde deu entrada em estado preocupante e suspeita de traumatismo craniano e continua internado sendo submetido a exames para detectar a gravidade da lesão já que houve perda de memoria e os médicos ainda estão avaliando se a perda da memoria foi devida o trauma sofrido e tentam reverter o quadro com medicamentos para diminuir o inchaço da cabeça.

O presidente do Sindicato dos agentes penitenciários do estado do Acre- Adriano Marques esteve no Pronto Socorro onde acompanhou o agente ferido e a família dele e afirmou que o sindicato tomará todas as providências relacionadas ao caso.

Os quatro presos que teriam conseguido escalar a muralha e alcançar a guarita foram conduzidos a Delegacia de Flagrantes – DEFLA da 1ª Regional, onde decidiram não falar nada ao delegado alegando que somente falaram em juízo.