Priscilla Alvesdo G1 Norte Fluminense

 

Foi enterrado neste sábado (13) o corpo da idosa de 86 anos que morreu após ter sido queimada com água quente em Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense. O enterro aconteceu por volta das 11h no Cemitério do Caju e foi marcado pela comoção e indignação dos parentes e amigos que foram ao local. A principal suspeita de ter jogado água quente em Maria Zenir Rodrigues da Silva é a cuidadora Kati Giane Rodrigues Simão, de 40 anos, que está foragida.

“Nós conhecíamos essa mulher há 6 meses e ela cuidava da minha avó às vezes, quando a outra cuidadora folgava. Não imaginávamos que ia acontecer isso. A agressão foi tanta que a água quente perfurou o tímpano e, o olho esquerdo também foi afetado e minha avó perdeu a visão. Queremos justiça”, desabafou Fabiano Silva, neto da vítima.maria_zenir_da_silva

A idosa tinha AVC, era cadeirante e tinha dificuldades na fala. A agressão aconteceu na localidade de Santa Cruz, em Campos, no dia 25 de junho. Desde então, a vítima permanecia internada em estado grave e faleceu na última sexta-feira (12) no Hospital Ferreira Machado.

Segundo a Polícia Civil, Kati Giane Rodrigues Simão fugiu após o crime. Um mandado de prisão temporária contra a suspeita foi expedido desde o dia 29 de junho.

Maria Zenir morreu em Campos
(Foto: Reprodução/InterTv RJ)
(Foto: Divulgação/Polícia Civil)

“O inquérito policial está concluído. A informação que a polícia tem é que a suspeita saiu da cidade no dia seguinte ao crime. Agora, a polícia investiga para onde ela foi. Sabemos que antes do crime ela já morou em São Paulo, no Rio Grande do Sul e até no Nordeste”, informou Paulo Pires, delegado adjunto da 134ª Delegacia de Campos. 

culpada
Denúncia – Quem tiver informações sobre Kati Giane pode ligar, sem precisar se identificar, para o telefone (22) 2724-1580   Kati Giane é suspeita e está foragida
(Foto: Divulgação/Polícia Civil)