Boca_boca

Na TV, Bocalom revela que declarações de Márcio Bittar causaram problemas no PSDB; Tucano diz que pode deixar o partido em breve

O secretário-geral do PSDB e ex-prefeito de Acrelândia, Tião Bocalom, jogou mais gasolina na nas desavenças que ele vem tendo com o presidente do PSDB no Acre, o primeiro secretário da Câmara, deputado Márcio Bittar. Na noite desta terça-feira, 9, em entrevista ao Programa Gazeta Entrevista, sob o comando do jornalista Alan Rick, o candidato derrotado nas eleições municipais do ano passado manifestou seu descontentamento com problemas internos que vem tomando conta do partido e que existe a possibilidade de ele deixar os tucanos e ir para o PSB ou DEM.

Bocalom afirmou na TV que as declarações de Márcio Bittar em recente entrevista no programa causaram problemas no ninho tucano. “Aquela entrevista criou uma situação constrangedora. Ele [Márcio Bittar] não foi tão feliz na entrevista e então criou alguns problemas internos, muita gente chateada e tal quando ele disse que dentro da oposição tinha coronelismo e dentro do meu próprio partido. E se ele diz isso, se não é ele o coronel, então sobra para o Bocalom. Mas isso a gente deixa passar, para mim não tem problema não. Eu fico tranquilo e eu tenho certeza absoluta que não sou coronel”, revelou o tucano, enfatizando que foi o responsável por abrir as portas para Bittar no PSDB.

“Quando ele veio [Marcio Bittar] para o Partido em 2009,eu era o presidente do partido, muita gente não o queria. E eu fiz questão, a pedido do PSDB nacional, que ele viesse porque eu sabia e que ele era uma grande liderança e que teria destaque como tem hoje”, relembrou Bocalom.

Ainda na entrevista, Tião Bocalom externou a sua insatisfação com o rumo que o PSDB vem tomando sob o comando de Marcio Bittar e sobre uma possível saída. “Realmente as especulações estão bastante grandes. Existe uma insatisfação minha lá dentro do partido. Isso é claro, público e notório. Coisas que vem acontecendo internamente. Na verdade, nada que você não possa contornar. A política é assim mesmo. De repente eu não tô me sentindo bem agora e numa conversa todo mundo senta, conversa, orienta, pede e acaba que as coisas se encaixam. Evidentemente que eu tenho recebido convites do PSB, do DEM, do próprio MD que gostariam, se eu deixasse o PSDB, o convite está feito, mas não tem nada certo. Poderá acontecer sim a saída do PSDB”

Perguntado se sua relação com Marcio Bittar está comprometida, Bocalom disse que os dois tem apenas “algumas diferenças”. “Essa entrevista recente aqui nos deixou muito chateados, porque a vida inteira nós aqui do PSDB, eu como representante, sempre fui muito duro contra a Frente Popular, e de repente a gente ver o nosso presidente vir aqui e dizer “não, porque o governador foi bem”. Dentro do partido mesmo, diz que essa entrevista ai pode trazer problemas na campanha. Criou um clima meio ruim. Todo mundo sabe que quando eu assumi o PSDB em 2006, foi exatamente porque o partido estava meio que balançando naquela época. O PSDB é oposição. Nós vamos continuar na linha de oposição, mas eu acho foi uma infelicidade de nosso presidente quando ele deu essa entrevista aqui. Ele já repensou melhor. A gente é a verdadeira oposição. A gente não tem acordo com a Frente Popular, alfinetou.

Sobre seu seu futuro político, Tião Bocalom destacou que nada está definido ainda, mas a sua posição como candidato a deputado federal pode mudar numa eventual saída do diretório Tucano. “Evidentemente que o nosso nome está colocado para deputado federal , mas eu sempre digo uma coisa: eu sou soldado. Nós temos muito tempo pela frente. Se de repente eu deixar o PSDB, evidentemente que ai as coisas podem mudar. Pode aparecer outras situações ai, mas não tem nada certo ainda. Estamos conversando bastante”, revela.

Questionado sobre a o resultado da pesquisa Delta que coloca o governador Sebastião Viana na frente, mesmo com todos os escândalos recorrentes eu seu governo, Bocalom afirmou que a oposição está muito bem no pleito. “Quando você somar 31 [do Marcio] mais 17 [do Petecão] vai dar 48. Então a oposição tá bem. Esse é o momento que a oposição, cada um está se lançando , se colocando. Eu tenho certeza que lá na frente nós teremos a união, aonde nós teremos o melhor nome; A prova tá aqui. Então essa pesquisa está ótima, porque a oposição tem um número maior. Quando junta Petecão mais o Marcio Bittar , está dando 48%. Então isso mostra que o povo quer mudar. E vai mudar, eu tenho certeza disso”, destacou.

Da redação ac24horas
Rio Branco, Acre