Bestene: “O PP terá chapas próprias para federal e estadual”

O PP foi outro partido grande da oposição a descartar uma aliança para a Câmara Federal e Assembléia Legislativa com o PMDB. “Nós trabalhamos para formar uma chapa de deputado estadual e de deputado federal, o PMDB como o maior partido da oposição deveria ter buscado novos quadros e ter montado as suas chapas próprias”, afirmou ontem o presidente do PP, José Bestene (foto). Ele defende que todos os partidos colaborariam mais para ajudar a candidatura do senador Gladson Cameli (PP) ao governo, tendo maior número de candidatos a deputado. Bestene mostrou como exemplo a última eleição para a prefeitura da Capital, quando a deputada Eliane Sinhasique (PMDB) tinha um punhado de candidatos a vereadores e a aliança do PT mais de uma centena. Isso influência numa campanha, destaca. Bestene diz que, com candidaturas próprias é o único caminho para um partido crescer, e é isso que está fazendo o PP. A decisão do PP marchar só é unânime entre os candidatos do partido a deputado. O PP veio se somar ao DEM na defesa de ter chapas próprias na área proporcional.

PSDB TAMBÉM NÃO QUER COLIGAR COM O PMDB

O presidente do PSDB, Major Rocha, também deixa fora a hipótese de coligação com o PMDB, porque está avançada a discussão de uma aliança com o PSD e PR. Deixou isso claro durante a conversa de ontem com a coluna. Mas acha que o PMDB poderia ser o primeiro a dar o exemplo de unidade, obrigando o candidato ao Senado, Márcio Bittar (PDB), a levar para uma coligação o PPS-PTB e SOLIDARIEDADE, partidos com os quais tem afinidade política.

SOLIDARIEDADE

Rocha citou o caso do SOLIDARIEDADE, que é presidido por Márcia Bittar, mulher de Márcio Bittar. Por qual razão não trazê-lo para se coligar com o PMDB e ajudar a dar legenda aos peemedebistas? É a pergunta do Rocha. E que os dirigentes de outros partidos estão fazendo.

PP E O SACRIFÍCIO

O Major Rocha, entretanto, faz uma ressalva que, por ter a candidatura ao governo o PP deveria ser o primeiro a se sacrificar numa coligação com o PMDB. “Nós já entramos no sacrifício algumas vezes, por qual razão o PP não pode entrar”? É a indagação que deixou.

PESQUISA NO FORNO

O respeitado instituto DATA-CONTROL está prestes a entrar em campo com uma pesquisa para governador, senador, deputado federal e deputado estadual, abrangendo uma coleta de dados dos 22 municípios. Quando se realiza uma pesquisa num campo amplo o resultado é mais confiável.

DELTA EM 14 MUNICÍPIOS

Vamos dar os números da Pesquisa Estimulada da DELTA, publicada pela TV-GAZETA: Marcus Alexandre (36%), Gladson Cameli (35%) e Coronel PM Ulisses (6%). A princípio se trata de um empate técnico na essência. Pela primeira vez em todas as pesquisas realizadas até aqui o Marcus aparece liderando. A surpresa é o Coronel PM Ulisses com (6%), um número alto para quem ainda não massificou ser candidato ao governo. Massificando seu nome ao do candidato Jair Bolsonaro, cujas idéias defende, o Coronel Ulisses pode dar um salto. Em pesquisa acredita quem quer. E lembrar sempre que, pesquisa a mais de ano da eleição é palpite, como diz o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Mas pode se dizer que,  será uma eleição pegada e a ser decidida nos detalhes. Ainda falta se conhecer o candidato que sairá pela REDE, sigla da Marina.  

ATENÇÃO!

A partir de 1º de Janeiro todas as pesquisas terão que ser registradas e a pena é alta para quem não seguir a norma ou tentar fraudar pesquisas. E como aparece picareta em eleição!

PERDER DE POUCO

O candidato Gladson Cameli (PP), dificilmente, ganhará do prefeito Marcus Alexandre, na Capital. O Seu desafio será perder de pouco para cobrir a diferença nos municípios do interior.

FEIJÓ E TARAUACÁ

Na avaliação da cúpula do governo a situação eleitoral em Tarauacá é favorável a uma vitória do candidato do PT a governador, porque a prefeita Marilete Vitorino, não engrenou na gestão. Mas em relação a Feijó os petistas avaliam que a oposição ainda tem vantagem.

BASE EM MONITORAMENTO

Quando uma avaliação deste porte é feita pelos dirigentes petistas é com base em pesquisas internas. Feijó e Tarauacá foram municípios que praticamente garantiram a reeleição do governador Tião Viana. E hoje estão em mãos de prefeitos da oposição.

É MUITA ACOMODAÇÃO

Por mais que se tente não se consegue entender que um partido do porte do PMDB, o maior da oposição, não consegue formar chapas completas para Federal e Estadual e fica numa situação de andar implorando por uma coligação com os demais aliados da oposição, para salvar os poucos candidatos que tem a deputado federal e deputado estadual. Acomodou-se!

QUEM MANDA NO PDT?

O presidente do PDT, Luiz Tchê, deu um recado curto e grosso ao deputado Heitor Junior (PDT), de que as portas do PDT estão abertas a todos os parlamentares que queiram se filiar e avisou: “o partido não tem dono”. Heitor é contra a filiação de políticos com mandatos.

LONGE DA EXCOMUNHÃO

Não passou do confessionário a divergência entre o Bispo Don Joaquin Pertinez e o governador Tião Viana sobre as relações comerciais com o Hospital Santa Juliana. Ficou muito longe da excomunhão. As relações estremecidas e foram amainadas e reatadas.

NADA AO CURTO PRAZO

Não se trata de ser pessimista, não creio que da reunião que vai acontecer no Acre com as cúpulas do Judiciário, Executivo, Judiciário, MPF, presidente Temer presentes, possa sair alguma decisão que traga melhorias ao sistema de segurança a um curto prazo.

QUESTÃO FINANCEIRA

E que a implantação de um Sistema Nacional de Segurança pretendido não se monta da noite para o dia e requer muitos recursos. E o governo federal não está com os cofres cheios para uma viabilização rápida da idéia. Espera-se que não morra num Protocolo de Intenções.

INVESTIDAS FRACASSADAS

Muito embora esteja pensando correto na preservação dos espaços políticos do seu partido, o prefeito de Cruzeiro do Sul, Vagner Sales (PMDB), esbarrou na reação das siglas aliadas em não querer coligações para a Câmara Federal e ALEAC.  Todos com chapas próprias. E agora?

CLÁUSULA DE BARREIRA

Há ainda a questão da Cláusula de Barreira. Os partidos precisam ter 1,5% dos votos válidos para deputado federal em nove Estados, para não perderem o tempo no horário eleitoral e o Fundo Partidário. E simplesmente desaparecerem do mapa político. 

ACELEROU A MARCHA

A prefeitura de Rio Branco acelerou a marcha das suas equipes de tapa-buraco, trabalhando até na parte noturna. Tem que sair um pouco das vias dos corredores de ônibus e entrar nas ruas transversais, muitas com sérios problemas de conservação. E o inverno já deu as caras.

O INVERNO DIRÁ

Quem vem pela BR-364 de Cruzeiro do Sul a Rio Branco já elogiou o bom trabalho do DNIT em pontos que eram considerados críticos. O problema é que os recursos foram poucos e não vai dar para atacar problemas sérios em outros trechos da estrada. Mas, vamos acreditar na palavra do Superintendente Thiago Caetano, de que a 364 não fechará no pique do inverno.

MONTAR ACAMPAMENTO

O presidente do PP, José Bestene, promete que a partir da sua chegada em Rio Branco, o senador Gladson Cameli (PP) vai montar acampamento na Capital e passar a percorrer todos os seus bairros. Quer fincar bandeira no principal reduto eleitoral do PT.

VIROU BANDEIRA ESFARRAPADA

Na eleição do próximo ano, o PT não vai ter como colar a bandeira da corrupção na testa do candidato a governador da oposição, devido aos escândalos do governo Michel Temer. Como a oposição não conseguiu quando a Dilma era presidente. É bobagem entrar por este viés. Isso só seria possível se o PT estivesse incólume de denúncias na Lava-Jato e não está. Sua principal estrela, Lula foi condenado em um processo, está em grau de recurso, até o fim do ano deverá ser condenado em outro e tem mais meia dúzia para responder. Em se tratando de corrupção se um acusar o outro vai ficar no zero a zero. A disputa para o governo será em cima de temas paroquiais, como sempre ocorreu em todas as eleições. O resto fica por conta da melhor campanha. 

Textos publicados nesta página são de inteira responsabilidade do colunista. Não refletem a opinião do Jornal.

.

Esta notícia está na categoria Crica. Marcar o link.