Leo de Brito encurrala ministro da Educação, que admite conquistas dos governos Dilma e Lula

Deputado Federal Leo de Brito encurrala ministro da Educação de Temer, que admite conquistas dos governos Dilma e Lula.

 Por Paula Amanda 

O clima esquentou na audiência realizada pela Comissão de Educação, da Câmara Federal, nesta quarta-feira, 17, oportunidade em que o deputado federal Leo de Brito questionou, duramente, o ministro da Educação, Mendonça Filho, após discurso “deselegante”, como apontou o parlamentar acreano. Segundo de Brito, o gestor do MEC fez um discurso revanchista.

“Ano passado, quando eu estava na condição de presidente da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle, eu vi uma apresentação sua muito mais equilibrada, do que hoje. Hoje eu vi muito mais o deputado e líder da oposição, do que o ministro da Educação. É de estranhar o discurso revanchista, partidário e até deselegante, do gestor responsável pelo desmonte das políticas que garantiram avanços nos índices de educação nos últimos 13 anos”, declarou Leo de Brito ao ministro.

Mendonça Filho foi convidado pela Comissão de Educação para prestar contas de sua atuação frente ao ministério, mas ao invés disso atacou a gestão do Partido dos Trabalhadores (PT), que antecedeu o atual governo, sem apresentar qualquer dado relevante.

“Infelizmente, a apresentação do Ministro se demonstrou partidária, restando evidente o intuito de realização de disputa política ao invés de debater sobre a política educacional. O ministro usou 80% do seu tempo para falar mal do PT", disse.

Leo de Brito também questionou os cortes orçamentários do MEC para os institutos federais. “É importante que se tenha atenção na ponta da educação, de modo a viabilizar o funcionamento e custeio das entidades educacionais”, disse.

Após a intervenção do parlamentar, Mendonça Filho tentou justificar sua postura por estar incomodado com as críticas que vem recebendo na condição da pasta. “Tenho sofrido várias críticas por parte da oposição”, afirmou.

Por fim o ministro recuou e admitiu os avanços conquistados nos governos anteriores. “Reconheço os avanços educacionais conquistados nos últimos 13 anos e garanto, que o MEC pretende aumentar as verbas referentes aos Institutos Federias nos próximos anos”, concluiu.

Leo De Brito

:: Textos publicados nesta página são de inteira responsabilidade do colunista. Não refletem a opinião do Jornal.

.