Estudante é atropelado a caminho da escola e morre em hospital da capital

Jefferson Dias foi atropelado, na Rodovia AC 40, Vila Benfica. Família alega que motorista mentiu sobre quem conduzia o carro no momento do acidente; motorista nega.

O estudante Jefferson Carneiro Dias, de 18 anos, morreu no Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco após ser atropelado na Rodovia AC -40, próximo a Vila Benfica, em Rio Branco. A família informou que o estudante  atravessava a rua de bicicleta quando foi atingido. Um homem se apresentou como condutor do veículo, porém, parentes alegam que outra pessoa conduzia o carro no momento do ocorrido.

O motorista do veículo, de 54 anos, negou que havia outra pessoa dirigindo o carro. Além disso, o condutor, que preferiu não ser identificado, falou que o estudante apareceu do nada e não teve tempo de frear.

"Eu estava dirigindo o carro. Ele atravessou de uma vez na frente do carro. Sempre a gente é culpado porque é condutor do veículo, acharam que sou culpado por conduzir o veículo e não por atropelar o rapaz. Bati porque ele atravessou com a bicicleta de uma vez. Eu estava com minha enteada. Pedi até para a polícia fazer a perícia das digitais no volante do carro, na direção para saber", defendeu-se.

O jovem chegou a ser socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas morreu no hospital. O autônomo Raimundo Carneiro Dias, de 34 anos, disse que o irmão estava a caminho da escola com um amigo quando foi atropelado.

“Esse colega dele atravessou a AC-40 e quando ele ia atravessar não conseguiu porque o condutor do veículo colidiu nele. Eu estava saindo de casa quando um amigo dele me comunicou do fato. Fomos de imediato para o local e descobrimos que era meu irmão. Procurei o condutor do veículo, que se apresentou e assumiu as responsabilidades dos atos”, relatou.

O irmão afirmou ainda que chegou a conversar brevemente com o motorista. Ainda segundo o rapaz, Dias ainda estava vivo quando a família chegou no local. Ele diz ainda que o motorista mentiu sobre quem estava dirigindo o veículo e que pretende tomar providências judiciais contra ele.

"Não deu para saber quem estava errado. A bicicleta partiu ao meio, ficou jogada no meio-fio. Não tinha frenagem de nada, acho que estava acima da velocidade. Ainda estava com vida quando cheguei no local. Segurei a mão dele, tentei reanimá-lo, conversei com ele, mas não respondeu nada. Foram os últimos momentos dele", relembra.

Jovem Estudante

Do G1 Acre