Coluna do Mariano Maciel

Poder e regalia acirram eleições para presidentes dos Poderes

Sem afobação  

Deputado Rodrigo Maia, atual presidente da Câmara, tem recebido conselhos de aliados para repetir estratégia de Eduardo Cunha, que abriu mão do recesso parlamentar para viajar pelos estados em campanha para a presidência da Câmara.

* Maia ainda tem dúvidas. Teme criar um clima de afobação.

Sub judice

Mas o ministro Celso de Mello, do STF, adotou, em despacho, o rito abreviado para a ação direta de inconstitucionalidade do Solidariedade sobre a possibilidade de reeleição do presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

* Com isso, a decisão ficará a cargo do plenário, que só voltará às atividades em fevereiro, depois da eleição para o comando da Câmara.Se vencer, o cargo ficará sub judice.

Vice presidente

Já o PMDB decidiu fazer eleição direta e secreta, em 31 de janeiro, para definir seu candidato à primeira-vice da Câmara.

* Ao menos os deputados Lúcio Vieira Lima (BA) e José Priante (PA) devem concorrer à vaga.

Sucessão no Senado  

Favorito para assumir a presidência no Senado no próximo ano, o líder do PMDB na Casa, Eunício Oliveira (CE) procura gora se distanciar da imagem do atual presidente Renan Calheiros (AL).

* Para buscar apoio dos partidos, Eunício tem afirmado em conversas reservadas que não é “da turma do Renan”.

À Presidência em 2017     

O PT pretende lançar a pré-candidatura do ex-presidente Lula à Presidência da República ainda no primeiro semestre do ano que vem, entre fevereiro e abril. A estratégia tem dois objetivos: O primeiro é aproveitar politicamente a baixa popularidade do governo Michel Temer. O segundo é reforçar a defesa jurídica de Lula, réu em cinco processos penais, quatro deles provenientes da Operação Lava Jato e seus desdobramentos.

O que marcou 2016 I

Entre tantos acontecimentos marcantes de 2016, um dos que mais impactaram o país e o Congresso Nacional foi o impeachment da presidente Dilma Rousseff.

* O processo caracterizou-se por polêmica e divergência de opiniões no Parlamento e na sociedade.

O que marcou 2016 II

O ano de 2016 será lembrado por crises políticas. Os desdobramentos e descobertas da Operação Lava Jato elevaram a temperatura, com a prisão de parlamentares, ex-ministros e empresários. Nos últimos meses, uma crise entre poderes teve como protagonistas Câmara, Senado e Supremo Tribunal Federal.

* Eduardo Cunha, que enfrentava processo no Conselho de Ética, acabou sendo cassado depois de enfrentar um processo que durou 10 meses, o mais longo da história da Câmara. Depois de perder o mandato acabou sendo preso pela Polícia Federal e encaminhado  à Curitiba.

Frase

“Eu tenho um objetivo e um sonho: que ao final do meu mandato, embora sendo eu de São Paulo, vocês possam dizer 'esse foi o maior presidente nordestino que passou pelo Brasil” – Michel Temer em visita a Alagoas.

:: Textos publicados nesta página são de inteira responsabilidade do colunista. Não refletem a opinião do Jornal.

.