A pedido de Leo de Brito, atividade de garimpagem do Juruá será tema de audiência pública

A audiência deve ser realizada no município de Cruzeiro do Sul, com a participação de parlamentares, da sociedade e das entidades competentes.

O deputado federal Leo de Brito garantiu aprovação, na Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia, de requerimento em que solicita a realização de audiência pública para debater a atividade de garimpagem no Juruá. 

Brito sugere no documento que estejam presentes na mesa redonda representantes do Ministério de Minas e Energia, do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (IBAMA), do Ministério do Meio Ambiente (MMA) e do Ministério Público Federal no Estado do Acre (MPF/AC).

Preocupado com os possíveis impactos ambientais, o parlamentar também já solicitou explicações ao Ministério de Minas e Energia a respeito do pedido de garimpagem e exploração de ouro no Juruá, feito pela Cooperativa Ponte e Lacerda, do Mato Grosso, protocolado junto ao Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM).

O caso foi denunciado pela imprensa acreana no início deste mês.  As áreas solicitadas para atividade de garimpo estariam em Cruzeiro do Sul (7.904,98 hectares), duas áreas em Rodrigues Alves (9603,37 ha e 9,170,47 ha) e duas em Mâncio Lima (8.155,23 ha e 7.783,73 hectares). Um total aproximado de 42 mil hectares.

“Não dá para deixar um assunto sério como este passar despercebido pela sociedade, como acontecem com muitas pautas de Meio Ambiente que são negligenciadas. Além da necessidade de realização de estudos técnicos a respeito dos impactos ambientais causados por essa grandiosa exploração, precisamos pensar nas pequenos olarias e areais da nossa própria região, que segundo denúncia, estariam impedidos de trabalhar”, ressaltou Leo de Brito.

A pedido de Leo de Brito

TRE e Estado se unem pela manutenção do número de zonas eleitorais no Acre

O governador Tião Viana se reuniu nesta segunda-feira, 26, com o presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Acre (TRE-AC), desembargador Roberto Barros.

 Por Samuel Bryan 

Eles discutiram sobre a redução no número de zonas eleitorais no estado e pactuaram um esforço conjunto para que ela não se concretize no interior.

As zonas eleitorais, também conhecidas como círculos eleitorais, são divisões que correspondem a critérios demográficos para organizar as eleições.

Ao todo, dez zonas foram criadas no Acre nos anos de 1976 e 1997, mas a partir deste ano, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), começou a rever as regras de criação, mudando até mesmo os números já instituídos.

Segundo Roberto Barros, só Rio Branco possuía três zonas eleitorais. Com a mudança, a capital acreana passa a ter agora apenas duas.

Já no interior, os estudos preliminares indicam que, das sete zonas existentes hoje, deve haver a redução de uma.

“Viemos então conversar com o governador quanto a essa situação e saber sua visão sobre o remodelamento. Chegamos à conclusão de que é importante manter as zonas eleitorais que já existem, não correndo o risco de diminuir mais uma e haver uma redução do atendimento ao eleitor no interior, onde há muitas comunidades de difícil acesso e os serviços podem ser dificultados”, conta o presidente do TRE.

Agora, governo e TRE se unirão para manter o número de zonas eleitorais no interior junto ao TSE e ainda, quem sabe, reverter a situação de Rio Branco.

TRE e Estado

Governo comemora Semana dos Bombeiros com homenagens e anuncia concurso

Governador falou da importância do reconhecimento da união entre as diferentes instituições. Durante o ato, o governador anunciou o concurso para Bombeiros para as próximas semanas.

 Por Arison Jardim 

Em comemoração à Semana do Corpos de Bombeiros Militar do Acre (CBMAC), a corporação, acompanhada do governador Tião Viana, realizou na manhã desta terça-feira, 27 a entrega da Medalha de Ordem do Mérito Imperador Dom Pedro II, para mais de 30 personalidades em homenagem. São representantes da segurança pública, justiça e meio ambiente. Na oportunidade, o governador Tião Viana anunciou para as próximas semanas a divulgação de concurso público para as fileiras do CBMAC.

A corporação, criada no Brasil em 1856, tem realizado um papel crucial no Acre, de proteção às vidas e também na luta contra desastres naturais, como as enchentes e secas dos rios. E na gestão de Tião Viana, o governo tem dado apoio para fortalecimento da instituição.

“Fico honrado por fazer parte deste governo e desta corporação. Para nós, a Semana dos Bombeiros são os 365 dias do ano. Entendemos que nossa missão é servir”, declarou o comandante-geral do CBMAC, coronel Roney Cunha. Ele lembrou também o avanço que o efetivo deu nos últimos seis anos, passando de 240 para 541 combatentes.

Emylson Farias, secretário de Segurança Pública do Acre, reforçou sobre o quanto o governo do Estado tem dado possibilidades de crescimento para as forças de segurança. “O governo do Acre foi o único a aumentar em 100% seu efetivo dos Bombeiros e a duplicar o efetivo de toda a força de segurança”, afirmou Farias.

Marcus Alexandre, prefeito de Rio Branco, cidade que sofreu a pior enchente de sua história em 2015, fez um agradecimento ao esforço de todos os combatentes dos Bombeiros nesse período.

“Eu agradeço muito o apoio que a corporação nos dá em todos os casos de enchente. E é o mesmo esforço em todos os municípios do estado, eu vejo o quanto cada membro luta para ajudar a todos”, disse Marcus Alexandre.

Em sua mensagem aos soldados do fogo, o governador falou sobre a importância da união que ali ocorria entre as instituições. “Na vida, nós não podemos fazer o cotidiano sem valorizar uns aos outros. Hoje, damos um exemplo no qual os poderes públicos se unem e reconhecem nas diferentes missões de vida e da Constituição que realizam com bravura”, declarou Tião Viana.

Tião Viana

Governo cria mecanismo para zerar filas de cirurgias nos próximos meses

É um benefício que vai trazer igualdade plena entre todos os usuários e nós só pedimos um pouco de compreensão da população”, disse o governador Tião Viana.

 Por Samuel Bryan 

Em entrevista coletiva na manhã desta segunda-feira, 26, o governador Tião Viana, junto de sua equipe de gestores da saúde, anunciou a criação da Fila Única de Cirurgia no Estado. Trata-se um novo sistema para o agendamento de cirurgias que têm por objetivo zerar a demanda reprimida do Acre nos próximos meses.

Com a mudança, o mapa de cirurgias, que hoje é de responsabilidade da Central de Agendamento de Cirurgias (CAC), vai passar a ser feito pela Central de Regulação Estadual. De forma prática, os médicos reguladores passam a ser responsáveis por fazer o processo de agendamento das cirurgias, analisando diversos fatores, desde os exames pré-operatórios do paciente, avaliação de risco, capacidades de cirurgias diárias e até a disponibilidade do material necessário para o procedimento cirúrgico.

Segundo Tião Viana, o Acre já realiza 17 mil cirurgias por ano. Agora, os médicos poderão ir além de suas cargas horárias e receber remuneração adicional pela realização de mais cirurgias. Com isso, o governo prevê um investimento de R$ 5 milhões a mais para o fim da demanda reprimida.

“É um benefício que vai trazer igualdade plena entre todos os usuários e nós só pedimos um pouco de compreensão da população. Já alcançamos uma redução drástica da fila em 2012, ela voltou a se avolumar e agora acreditamos que encontramos uma solução definitiva. Por isso, em poucos meses, teremos o fim da espera de cirurgias pela população”, disse o governador.

Resultados ampliados

Entre os resultados apresentados, o Acre já conseguiu zerar a fila de angioplastia e está próximo de encerrar a de cirurgias cardíacas, onde não há mais pessoas esperando pela implantação de marca-passos, por exemplo. O governo admite que a maior preocupação dentro da fila de cirurgias é a do setor de urologia, principalmente em idosos, mas que com o novo mecanismo e a contratação de mais profissionais, este setor ganhará uma atenção especial.

O secretário de Saúde, Gemil de Abreu Júnior, ressalta: “O Acre vai deixar um legado de dignidade para a vida das pessoas que estão nessa fila. E paralelamente a isso, vamos estar atuando com uma ampla fiscalização e cobrando que as equipes médicas cumpram suas cargas horárias. Eles estão concordando e percebendo que a população só tem a ganhar”.

Tião Viana Governador

Lula tem 30%, Jair Bolsonaro, 16%, e Marina Silva, 15%, aponta pesquisa Datafolha para 2018; veja os dados

Uma pesquisa do instituto Datafolha foi divulgada nesta segunda-feira (26) pelo jornal “Folha de S.Paulo” com índices de intenção de voto para o primeiro turno da eleição presidencial de 2018. Veja os resultados dos oito cenários pesquisados:

Cenário 1 (com Alckmin):

Lula (PT): 30%
Jair Bolsonaro (PSC): 16%
Marina Silva (Rede): 15%
Alckmin (PSDB): 8%
Ciro Gomes (PDT): 5%
Luciana Genro (PSol): 2%
Eduardo Jorge (PV): 2%
Ronaldo Caiado (DEM): 2%
Branco/nulo/nenhum: 18%
Não sabe: 2%

Cenário 2 (com Doria):

Lula (PT): 30%
Marina Silva (Rede): 15%
Jair Bolsonaro (PSC): 15%
João Doria (PSDB): 10%
Ciro Gomes (PDT): 6%
Luciana Genro (PSOL): 2%
Eduardo Jorge (PV): 2%
Ronaldo Caiado (DEM): 2%
Branco/nulo/nenhum: 16%
Não sabe: 2%

Cenário 3 (com Joaquim Barbosa e Alckmin)

Lula (PT): 30%
Marina Silva (Rede): 15%
Jair Bolsonaro (PSC): 15%
Joaquim Barbosa (sem partido): 11%
Geraldo Alckmin (PSDB): 8%
Luciana Genro (PSOL): 2%
Eduardo Jorge (PV): 2%
Ronaldo Caiado (DEM): 2%
Branco/nulo/nenhum: 14%
Não sabe: 2%

Cenário 4 (com Joaquim Barbosa e Doria)

Lula (PT): 29%
Marina Silva (Rede): 15%
Jair Bolsonaro (PSC): 13%
Joaquim Barbosa (sem partido): 10%
João Doria (PSDB): 9%
Luciana Genro (PSOL): 2%
Eduardo Jorge (PV): 2%
Ronaldo Caiado (DEM): 1%
Branco/nulo/nenhum: 15%
Não sabe: 2%

Cenário 5 (sem PT)

Marina Silva (Rede): 22%
Jair Bolsonaro (PSC): 16%
Joaquim Barbosa (sem partido): 12%
Ciro Gomes (PDT): 9%
Geraldo Alckim (PSDB): 9%
Luciana Genro (PSol): 3%
Eduardo Jorge (PV): 2%
Ronaldo Caiado (DEM): 2%
Branco/nulo/nenhum: 23%
Não sabe: 3%

Cenário 6 (Com Haddad):

Marina Silva (Rede): 22%
Jair Bolsonaro (PSC): 16%
Joaquim Barbosa (sem partido): 13%
Geraldo Alckim (PSDB): 10%
Luciana Genro (PSol): 4%
Fernando Haddad (PT): 3%
Eduardo Jorge (PV): 2%
Ronaldo Caiado (DEM): 2%
Branco/Nulo/Nenhum: 25%
Não sabe: 3%

Cenário 7 (com Moro):

Lula (PT): 29%
Sergio Moro (sempartido): 14%
Marina silva (Rede): 14%
Jair Bolsonaro (PSC): 13%
Geraldo Alckmin (PSDB): 6%
Luciana Genro (PSol): 2%
Eduardo Jorge (PV): 2%
Ronaldo Caiado (DEM): 1%
Branco/Nulo/Nenhum: 15%
Não sabe: 2%

Cenário 8 (Sem alvos da Lava jato)

Marina Silva (Rede): 27%
Jair Bolsonaro (PSC): 18%
João Doria (PSDB): 14%
Ciro Gomes (PDT): 12%
Branco/Nulo/Nenhum: 26%
Não sabe: 3%
Rejeição no 1º turno

Lula (PT): 46%
Alckmin (PSDB): 34%
Bolsonaro (PSC): 30%
Haddad (PT): 28%
Ciro (PDT): 26%
Marina (Rede): 25%
L. Genro (Psol): 24%
Caiado (DEM): 23%
Moro (s/ part.): 22%
Eduardo Jorge (PV): 21%
Doria (PSDB): 20%
J. Barbosa (s/ part.): 16%
Votaria em qualquer um/não rejeita nenhum: 3%
Não votaria em nenhum: 3%
A pesquisa tem margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou para menos e índice de confiança de 95%. O Datafolha ouviu 2.771 pessoas nos dias 21 e 23 de abril.

Segundo turno

Em relação ao segundo turno, foram feitas oito projeções. São elas:

Cenário 1

Lula: 45%
Alckmin: 32%
Cenário 2

Lula: 45%
Doria: 34%
Cenário 3

Marina: 40%
Lula: 40%
Cenário 4

Lula: 45%
Bolsonaro: 32%
Cenário 5

Marina: 49%
Bolsonaro: 27%
Cenário 6

Alckmin: 34%
Ciro: 31%
Cenário 7

Ciro: 34%
Doria: 32%
Cenário 8

Moro: 44%
Lula: 42%

LulaDo G1.globo.com

Tião Viana é homenageado por empresários moveleiros do Acre

Com investimento de R$ 6 milhões, o Instituto de Tecnologia Senai de Madeiras e Móveis traz uma visão tecnológica para o setor.

 Por Samuel Bryan 

tião viana

Em 2011, Tião Viana criou o Programa de Regionalização do Mobiliário da Administração Pública, que valorizou o setor e lhe rendeu reconhecimento (Foto: Sérgio Vale)

Em um café da manhã no Instituto de Tecnologia Senai de Madeiras e Móveis, o governador Tião Viana foi homenageado por membros e empresários filiados ao Sindicato da Indústria de Móveis do Estado do Acre (Sindmóveis/AC), por seu empenho e parceria no fortalecimento do setor.

Desde sua primeira gestão, Tião Viana foi responsável por um amplo trabalho de valorização da movelaria acreana, criando em 2011 o Programa de Regionalização do Mobiliário da Administração Pública, pelo qual as secretarias de Estado passaram a adquirir somente móveis fabricados por movelarias e marcenarias acreanas, gerando ampla renda e empregos para o setor.

“Alguns países do mundo têm minas de ouro e minas de cobre, e o Acre tem uma mina sobre a terra chamada madeira. A economia florestal vale tanto quanto diamante. Mas nós temos que usar com inteligência, com sustentabilidade, e o governo se tornou um parceiro do setor privado, que hoje está fortalecido”, disse Tião Viana.

Augusto Nepomuceno, presidente do Sindmóveis, ressalta que o impacto do programa de compras governamentais no setor moveleiro representa até 60% do mercado, motivo que gera emprego e renda mesmo num período de crise.

“Desde 2011 temos essa parceria com o governo do Estado. Tião Viana montou esse programa de compras e hoje estamos sempre inovando, agora com o Instituto Senai, sendo isso tudo muito gratificante para o setor”, ressalta Nepomuceno.

O instituto

Aproveitando a visita, o governador pode conhecer as instalações do Instituto de Tecnologia Senai de Madeiras e Móveis.

Foram investidos recursos da ordem de R$ 6 milhões na unidade, com o oferecimento de cursos de educação profissional – com os Cursos de Técnico em Edificações, em Marcenaria, em Design e Segurança do Trabalho, além de cursos de formação inicial e continuada em todas as áreas de atendimento da unidade.

Lembrando a alta tecnologia em suas instalações, o diretor regional do Senai, César Dotto, completa: “O Senai traz uma nova visão para o setor, uma visão de prestação de serviços técnicos e tecnológicos, além de trabalhos de secagem, afiação e, principalmente, um núcleo forte de design, com produção de protótipos diferenciados, valorizando o setor empresarial”.

Sem a união das oposições, Gladson Cameli não será candidato. DEM é pivô da discórdia

O senador Gladson Cameli deixou claro que não vai “perder tempo” disputando o Governo do Acre sem a união de todos os partidos da oposição.

Cameli não concorda com a decisão do DEM de lançar uma candidatura alternativa. Na última semana, o acjornal.com noticiou, com exclusividade, a declaração do presidente estadual do Democratas, Tião Bocalom, para quem é preciso haver uma opção ao eleitor caso a operação Lava Jato surpreenda antes ou no decorrer da campanha eleitoral.

“E se o Gladson cair na Lava Jato?”, indagou Bocalom. A insatisfação do senador do PP foi demonstrada a assessores e dirigentes do partido.

Filiados de peso ouvidos pela reportagem disseram que “a intransigência de alguns membros da oposição vai entregar o governo ao PT por mais quatro anos”. Ninguém da assessoria do senador foi localizado até o fechamento desta reportagem, na noite deste domingo.

Números

O dirigente democrata Frank Lima postou numa rede social o que chamou de “triagem políticas” com base na votação obtida pelas principais lideranças do DEM na atualidade somente na capital.

O dirigente relatou a votação dos deputados federais Alan Rick (recém filiado ao DEM), Major Rocha, do PSDB, e do próprio Bocalom, 176.280 votos na corrida para o governo em 2014. 

Franck Lima é entusiasta de uma segunda candidatura da oposição e, para tanto, prometeu listar a “desenvoltura de alguns políticos na capital. “Mais fica bem claro que o Rocha, Alan e Bocalom têm peso na capital, no tocante a uma candidatura majoritária”, disse ele.

Chapa pronta

O DEM amadurece a cada dia o planejamento de lançar uma chapa com Alan Rick, Bocalom e Rocha, mas não fechou questão sobre qual dos três sairia para o governo. “Estamos conversando com o povo. Isso é possível, sim. Por que não? “, disse o presidente do DEM.

Clique e veja abaixor matéria relacionada

Gladson CamelliFonte: acjornal.com

“E se o Gladson cair na Lava Jato?”, indaga Bocalom, que trabalha segunda alternativa da oposição para o governo em 2018

O presidente da Executiva Regional do DEM-AC, Tião Bocalom, disse que a crise política senário político agravado pelas investigações da Operação Lava Jato exigem reflexões e tomadas de decisões razoáveis.

O dirigente se diz entusiasta da pré-candidatura do senador Gladson Cameli para o Governo do estado nas eleições de 2018. “Nós vamos rodar o estado todo para ouvir a população. O Alan (Rick, filiado na noite desta quinta-feira) pode ser nosso candidato a governador, como pode disputar o senado ou a reeleição. O Rocha, inegavelmente, é um dos grandes quadros do PSDB, e não pode estar fora de qualquer discussão nesse sentido. Eu estou pronto para atender o que for melhor para o nosso Acre”, disse. “A única certeza é que nós estamos conversando com as pessoas”.

Gato escaldado…

“Agora, e se houver problema com o Gladson, uma coisa que nós, sinceramente, não queremos que aconteça. E aí, a oposição vai ficar sem alternativa?”, indagou Bocalom. “O próprio PT está entendendo que é preciso lançar mais nomes para essa disputa. É bem provável que eles (o PT) venham com duas candidaturas para tentar levar a disputa para o segundo turno”, afirmou. Bocalom admitiu que o nome de Alan Rick foi mencionado, ainda que informalmente, como potencial candidato ao Palácio Rio Branco. Porém, assegura, nada é oficial nesse momento. “Então…..nós vamos, sim, criar novas alternativas. Nosso trabalho é muito sério. É algo de quem quer propor soluções para a coletividade”, reafirmou. Para ele, as eleições de 2018 serão da ética e da moral.

Marcus Alexandra

No PT, o prefeito Marcus Alexandra já teria admitido sua intenção se disputar as convenções. A chamada Democracia Radical do partido, capitaneada pelo próprio governador Tião Viana, dirigentes partidários e o articulador Francisco Nepomuceno, defendem a candidatura do deputado estadual Daniel Zen, líder do governo na Aleac. A ala de mulheres petistas mantém apoio á vice-governadora, Nazaré Araújo. Ainda pela Frente Popular, o secretário de Segurança Pública, Emylson Farias, surge como opção do PDT.

Tião Bocalom

Fonte: acjornal.com

Ney Amorim debate com lideranças a convocação de mais peritos criminais

Convocação de mais peritos criminais será levada pelo presidente Ney Amorim ao Governo do Estado.

O presidente da Assembleia Legislativa do Acre, Ney Amorim, recebeu o policial civil Adejanes Costa e o advogado Raimundo Monteiro para fazer uma exposição de motivos do impacto financeiro da falta de peritos na Polícia Civil feita pela Comissão do Cadastro de Reserva.

Na conversa, que contou com a presença do deputado Ghelen Diniz, foi debatida a questão da convocação de mais peritos criminais que será levada pelo presidente Ney Amorim ao Governo do Estado por meio da Secretaria de Segurança Pública.

Ney Amorim

MPAC abre procedimento para investigar isenção de ISS para as empresas de transporte coletivo

O Ministério Público do Estado do Acre (MPAC) cansou de tentar saber como a prefeitura de Acrelândia gasta combustíveis no município e decidiu ampliar a investigação e instaurou um inquérito civil público para apurar os fatos. 

O MPAC bem que tentou obter as informações de forma tranquila, mas a prefeitura pediu mais prazo e não atendeu ao pedido.

A Portaria 0008/2017/PJC/ACRELO revela que a primeira tentativa de saber como a prefeitura de Acrelândia gasta combustível ocorreu por intermédio de um ofício ainda no começo do mês de maio, sendo concedido um prazo de 30 dias para as “informações detalhadas, extraídas a partir da análise das requisições de abastecimento, acerca do consumo de gasolina, referente aos meses de janeiro, fevereiro, março e abril, individualizando o valor gasto por cada Secretaria/Setor da Prefeitura”.

Mas em ofício resposta, o gabinete do prefeito de Acrelândia (OF/GAB.PREF/PMA/N. 0425/2017), pediu mais prazo, sendo isso acatado pelo MPAC.

Ocorre que o município limitou-se a encaminhar ao MPAC as notas de empenho, notas de liquidação, cópias de requisições, sem apresentar as informações detalhadas como havia sido solicitado.

O MPAC ser possível de estar ocorrendo “total ausência de controle interno, na medida em que o Município não consegue informar ao Ministério Público, portanto, tampouco à população, detalhadamente, o consumo de determinado combustível, dentro de certo período de tempo”.

Por conta disso, o promotor daquela cidade resolveu instaurar o inquérito civil público para apurar os fatos. Após a coleta de dados o MPAC pode promover ação competente (cível e/ou criminal) ou mesmo arquivar dos autos.

O caso foi registrado como: “investigar a aparente ausência ou ineficiência de controle interno no âmbito da prefeitura municipal de Acrelândia.

prefeitura de Acrelândia