Colégio Tiradentes inicia ano letivo com orientações de supervisores

A partir da próxima segunda-feira, 12, serão colocadas em prática as disciplinas curriculares, com os professores da rede estadual de ensino.

A Polícia Militar do Acre (PMAC), por meio da Coordenação do Colégio Militar Tiradentes, o primeiro de Rio Branco, juntamente com o Dom Pedro II, deu início nesta segunda-feira, 5, às aulas referentes ao ano letivo 2018. No total, a instituição vai atender 560 alunos do 6º ao 9º ano, os quais foram distribuídos nos turnos da manhã e da tarde.

O espaço conta com uma estrutura nova, com banheiros, bebedouros, um grande refeitório e 12 salas de aula. Um dos diferenciais do colégio militar é que, além de disciplinas comuns da base curricular, como português e matemática, o corpo de estudantes também terá no currículo regulamentos que definem “regras” de convivência, assim como instruções típicas do meio militar, como doutrina cívico-militar e ordem unida, por exemplo.

Segundo o major Agleison Correia, diretor do colégio, a expectativa em torno da experiência é a melhor possível. “A Polícia Militar encabeça esse projeto com o objetivo de auxiliar e ser mais um parceiro da Secretaria de Educação para oferecer uma formação mais cidadã. Temos uma estrutura boa, e à medida que formos avançando vai melhorar ainda mais e, com certeza, temos condições de ofertar um ensino de qualidade, que é isso que nós buscamos”, disse.

Conforme a proposta pedagógica, nesse primeiro momento, as instruções serão ministradas por oito supervisores militares, que permanecerão à frente das turmas nos dois turnos.

“Todos precisam estar envolvidos: pais, professores, alunos e supervisores militares, cada um cumprindo seus deveres e responsabilidades. Nós acreditamos que dá certo. Neste primeiro dia, os alunos se mostram bastante ansiosos, mas naturalmente vão incorporando a rotina do colégio”, declara o diretor militar.

Máximus Gabriel, de 13 anos, estudante do 9º ano, falou sobre o que espera do colégio gerido pela Polícia Militar. “Eu já esperava essa formalidade. Espero que seja um lugar de aprendizagem, onde eu possa focar nos estudos e estar preparado para a vida. Que aqui a gente tenha responsabilidade e saiba respeitar qualquer pessoa, seja militar ou não. Nesse primeiro dia está sendo muito bom, o ambiente é agradável, bem arejado.”

No próximo dia 12, iniciam-se as aulas da Escola Militar D. Pedro II (coordenada pelo Corpo de Bombeiros) e também das demais escolas de ensino médio.

Já no dia 19, é o início do ano letivo nas escolas de ensino em tempo integral e Educação de Jovens e Adultos (EJA), que este ano passará a oferecer também ensino diurno.

Governo paga reajuste a mais de 15 mil servidores da Educação

Pelo menos 15,7 mil servidores da Secretaria do Estado de Educação e Esporte do Acre (SEE), receberam a terceira parcela do reajuste salarial que vem sendo concedido desde 2017.

Por Resley Saab

São professores e técnicos de apoio efetivos e temporários e provisórios. Lembrando que os provisórios recebem 90% dos vencimentos dos efetivos. Para os professores, a terceira e última parcela garante um reajuste total de 19,48%. Para os demais servidores, ele é de 23,75%, com isso, o professor em início de carreira, que ganhava R$ 2.010, passou a receber em fevereiro o equivalente a R$ 2.402.

Na opinião do secretário de Educação, Marco Antonio Brandão, “a oportunidade de ingresso no serviço público tem sido uma preocupação constante” da administração Tião Viana. “Trata-se de uma valorização justa, em consonância com o que merecem nossos servidores”, diz Brandão.

Aliás, essa é uma prioridade do governo, que ao longo dos últimos anos, tem garantido a realização de concursos e empossado novos servidores, nas mais diversas áreas, principalmente na Segurança Pública, na Saúde e na Educação.

Em março de 2017, o governador Tião Viana assinou decreto que reajustou os salários de mais de 24 mil servidores públicos estaduais, aumento acatado pelos sindicatos dos trabalhadores.

Professoras agradecem pela valorização

Professora Leilane Gomes, da escola estadual Boa União, em Rio Branco (Foto: Stalin Melo)

Há três anos lotada na escola Jovem Boa União, a professora Leilane Gomes de Souza ressalta “que todos os professores merecem o reconhecimento, e o governo tem feito isso”.

“Desde que entrei na Educação tenho crescido muito como profissional. E o que mais me alegra é ter aqui na escola uma gestão de excelência, que auxilia o professor, de modo que possamos evoluir profissionalmente e como pessoas também”, diz Souza.

“O governo tem sim valorizado, tanto a categoria, quanto tem se preocupado com os estudantes”. “E se for aberto um novo concurso eu vou fazer de novo”, ressalta, visivelmente, satisfeita com a profissão. Leilane Souza é do concurso de 2013 e foi chamada em 2015. É formada em Artes Cênicas pela Ufac e leciona a disciplina de artes.

Sentimento semelhante é compartilhado pela professora Maria José Pinho da Silva, uma veterana de 25 anos dedicados ao ofício do ensinar. Formada em Pedagogia, já foi coordenadora pedagógica e atualmente leciona na escola Ramona de Castro.

“Percebo que esse avanço salarial não é somente para os professores, mas também para o pessoal de apoio, e isso é gratificante. A gente sabe que, apesar da crise que pela qual o país está passando, o governo vem cumprindo com a sua palavra, com o seu compromisso em dar aumento para o funcionário público”, destaca Silva, que acredita que a motivação por partes dos profissionais aumentou em sala de aula.

 

Brasileia terá primeira escola de tempo integral do Alto Acre

Alto Acre terá a maior escola nessa modalidade de ensino no estado. Escola receberá alunos de Brasileia, Epitaciolândia e também da Bolívia.

Por Mágila Campos 

Quatro municípios acreanos compõem a regional do Alto Acre. E o primeiro deles a receber o novo modelo de ensino do Acre é Brasileia. A cidade foi contemplada  com uma escola de tempo integral, que funcionará já em 2018.

As aulas se iniciam no primeiro semestre do ano letivo e vão funcionar na Escola Estadual Kayrala José Kayrala. Até o momento a instituição já registrou 748 matrículas, mas tem capacidade para 800 alunos. Com isso a escola se torna a maior nessa modalidade de ensino no estado.

Como o novo modelo de ensino é uma novidade na região, o secretário de Estado de Educação e Esporte, Marco Brandão, reuniu-se com os pais e responsáveis pelos alunos, que já estão matriculados, para apresentar o novo método para a comunidade. As matrículas ainda continuam abertas.

Durante o encontro, o chefe da pasta da educação explicou que o novo sistema educacional vem para revolucionar o processo de ensino-aprendizagem, porque coloca o jovem no centro do processo pedagógico.

“É uma nova escola que nasce para instigar e valorizar o desenvolvimento das competências e habilidades dos nossos jovens. Eles serão os grandes protagonistas, porque terão autonomia para construir a escola que sonham”, destaca Brandão. Ele falou sobre a adequação da Kayrala para receber o novo método educacional. “A escola já conta com 18 salas de aulas, laboratórios e refeitórios equipados, mas alguns espaços serão ampliados para melhor atender nossos estudantes.”

O secretário lembrou também que o estabelecimento está recebendo climatização, ampliação de banheiros e vestiários, e até o início das aulas, previstas para 12 de março, o órgão estará pronto para receber os estudantes.

“A escola já possuía uma boa estrutura, e por isso, foram necessários apenas alguns ajustes. Algumas coisas levam um pouco mais de tempo para serem concluídas, mas trabalhamos para oferecer o melhor para nossa população”, complementou a coordenadora do núcleo da Secretaria de Educação no município, Lêda Santiago.

Na reunião, alguns pais trataram sobre questões como estrutura da instituição, alimentação e regime escolar. E receberam os esclarecimentos das principais dúvidas quanto ao ensino e à infraestrutura do espaço.

Odineia Tangoa,  mãe de Maiqueliny Silva, uma das estudantes matriculadas na instituição, disse que está feliz pela implantação do regime integral na região. “É uma novidade para todo mundo, né? Matriculei minha filha porque acredito que esta nova escola vai fazer muita diferença na formação dela”, conta.

Já a filha diz que está ansiosa. “Eu pensei que ia só passar mais tempo na escola, mas pelo que o secretário falou vai ser divertido porque vou escolher o que quero estudar e poder tomar decisões na escola. Estou muito contente, até porque antes eu ficava um horário sem fazer nada mesmo”, diz.

Ensino integral

O protagonismo juvenil é um dos diferenciais da escola integral. É um estabelecimento de ensino que, além do currículo comum, os estudantes poderão escolher os assuntos e projetos em que desejam se especializar. Na prática, representa uma ruptura com o modelo tradicional de ensino.

????????????????????????????????????

CEL abre inscrições de curso nos EUA para professores de inglês

O DAÍ é o programa que, em inglês, é o Fulbright Distinguished Awards in Teaching Program for International Teachers, o antigo ILEP.

Por Stalin Melo

A Secretaria de Educação e Esporte (SEE), por meio do Centro de Estudo de Línguas (CEL), está com inscrições abertas para o DAÍ, um programa de aperfeiçoamento do Departamento de Estado dos Estados Unidos para professores de inglês do ensino médio da rede pública estadual.

O curso tem duração de cinco meses e os professores selecionados terão aulas e treinamento intensivo no que diz respeito às metodologias e estratégia de ensino, planejamento, liderança e reforço na utilização de tecnologias em educação.

As inscrições para o curso terminam no dia 2 de março e os interessados recebem mais informações pelo e-mail dianaketlenya@gmail.com.

Para participar, o professor precisa estar pelo menos com 50% de sua carga horária em sala de aula; possuir, no mínimo, licenciatura ou bacharelado em inglês; possuir, pelo menos, cinco anos de experiência comprovada em sala de aula, mais dois anos de trabalho como professor de inglês, para poder compartilhar o aprendizado adquirido durante o intercâmbio nos Estados Unidos, além de fluência oral e escrita na língua inglesa.

O coordenador do CEL, professor Ramsés Reis, alerta os professores quanto ao prazo para as inscrições. “Os professores devem ficar atentos porque o programa é para quem trabalha com o ensino médio, e não é bom deixar para se inscrever na última hora.”

Aluno de escola rural realiza sonho de ingressar na Ufac

O jovem Diego garantiu sua classificação em sexto lugar no curso de educação física da Ufac. O estudante pretende se especializar em sua futura área de atuação.

Por Thais Farias / Assessoria

Diego, 25 anos, ingressa este ano na Universidade (Foto: Mágila Campos)

Não precisa ser íntimo de Diego Freitas para notar que ele carrega uma força de vontade especial. Desde a adolescência, Diego, que hoje trabalha como agricultor familiar, é daquelas pessoas decididas, que não temem as dificuldades perante a vida. Desse modo, alguns obstáculos tiveram que ser superados para que o jovem pudesse encontrar caminhos que o levassem até o sucesso.

Apaixonado por animais e pela calmaria que a vida rural proporciona, Diego, hoje com 25 anos, está prestes a concretizar um sonho antigo: cursar uma faculdade. A ideia de ingressar no nível superior lhe parecia distante, quando tinha que desistir dos estudos devido ao trabalho de sua mãe (vendedora), que os obrigava a mudar de bairro, moradia e escola frequentemente.

Por conta disso, parte da vida estudantil do rapaz foi cursada por meio de programas de ensino especial oferecidos pela Secretaria de Estado de Educação e Esportes (SEE), como o Programa Nacional de Inclusão de Jovens (Projovem) e Educação de Jovens e Adultos (EJA).

Diego concluiu o ensino médio no ano passado, pelo sistema EJA, na escola rural Dr. Santiago Dantas, situada no km 15 da Rodovia AC-90, na Transacreana. Assim que finalizou, focou os estudos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). “Foi a primeira vez que eu me senti seguro para tentar conseguir uma vaga na universidade. Para isso eu estudei de todas as formas que podia: na escola, em casa, nos livros, na internet. Sentia que não podia mais esperar para pensar no meu futuro.”

A princípio, desejava cursar medicina veterinária, no entanto, como o curso é em período integral, ficaria impossibilitado de prosseguir com seu trabalho diário na chácara em que reside com a família. Foi então que optou pelo curso de educação física, que, além de possibilitar estudar e continuar seu trabalho na agricultura familiar, também lhe interessa por um motivo bem pessoal.

“Antes de morar na zona rural eu pesava 140 quilos, e depois que comecei a trabalhar com minhas plantações e bichos perdi quase 40 quilos em quatro anos, sem auxílio de nenhum profissional. Passei a fazer atividade física também para os concursos e me apaixonei. Isso me fez entender o valor da saúde e da qualidade de vida, colocando o curso como minha segunda opção no Enem.”

O esforço deu certo e garantiu sua classificação em sexto lugar na chamada regular do exame para o curso de educação física na Universidade Federal do Acre (Ufac). Uma alegria que não tinha tamanho para ele e a família. “É uma sensação de realização. Um sentimento de felicidade e agradecimento a Deus, a minha família e aos meus professores.”

Mas isso só foi possível depois que percebeu o prejuízo de uma vida sem escolaridade. “Foi um surto mesmo que deu em mim. Percebi o quanto tempo eu havia perdido sem estudar e vi a realidade, que da maneira que estava vivendo não me levaria a lugar nenhum. Compreendi que se eu não focasse nos estudos não conseguiria dar uma vida melhor a minha família. Foi aí que eu despertei.”

Ensino especial

Diego concluiu o ensino médio pelo sistema EJA, na escola rural Dr. Santiago Dantas (Foto: Mágila Campos)

Ser aluno de EJA tem suas peculiaridades que diferem do ensino regular. Foram dois anos e meio para a conclusão do ensino médio, tempo insuficiente para o aprendizado de um aluno se consideramos o método de ensino regular. Contudo, para Diego, foi a solução encontrada para reverter o atraso em sua escolaridade. Com a assistência do EJA, ele viu a oportunidade de sonhar novamente com um futuro brilhante, a ponto de orgulhar-se de si próprio.

Considerando as dificuldades que enfrentou no dia a dia, Diego tirou essa fase de letra. Voltar à sala de aula aos 21 anos o fez refletir sobre muitas coisas, entre elas, a solidariedade e a compaixão pelo outro. “Dividi espaço com pessoas que estavam na escola pela primeira vez. Não podia ser egoísta e pensar somente na minha necessidade. Foi um tempo de troca de experiências e muita sabedoria. E sem o amparo dos professores que tive, seria impossível continuar.”

Para enfrentar a concorrência do Enem com igualdade, o aluno não esperava somente o conteúdo passado pelo professor em sala de aula. “Sempre busquei conteúdo também em casa, pela internet, para chegar à aula dominando as disciplinas. Gostava de chega na aula do dia seguinte dominando o assunto das disciplinas passadas”.

O secretário estadual de educação e esportes, Marco Brandão, alerta que o público-alvo da ação educacional, que oferece novas perspectivas de vida profissional e social, são pessoas com idade a partir de 15 anos que, por razões diversas, não tiveram a oportunidade de frequentar a escola ou concluir os estudos. “Por meio da EJA é possível acessar diversos ciclos de formação, os quais foram organizados para atender todos os níveis de ensino. Ainda existe ainda o Programa Especial de Ensino Médio (PEEM/Poronga) que é voltado para alunos de Ensino Médio que se encontram em distorção idade-série, ou seja, quando a idade não corresponde com o ano letivo que o estudante cursa”.

Desde 2014, todos os municípios são atendidos, incluindo Santa Rosa do Purus – onde a SEE iniciou atendimento com Ensino Médio EJA desde o ano de 2013, uma vez que os demais segmentos estão sobre responsabilidade do município.

Exemplo

Ele faz parte de uma família de seis irmãos, dos quais apenas uma possui nível superior, e agora, ele. “Além de tudo, essa também é uma maneira de eu incentivar meus irmãos a continuar os estudos. Busco ser esse exemplo para eles e meu enteado. Apesar de ter desperdiçado uma parte da minha vida sem estudar, eu acordei e resolvi estudar, pois é o único caminho pelo qual posso melhorar de vida.”

Casado há 10 anos, seu envolvimento com os animais o fizeram permanecer na zona rural. “Trocamos nossa casa na cidade por esta e, por conta dos animais que criamos, não posso sair daqui, mas vou conciliar meus afazeres de casa com o estudo.”

Sobre o futuro

Agora ele quer se especializar na área que escolheu estudar.  “A partir do momento que eu entrar na universidade eu quero focar nas disciplinas, para concluir e absorver a melhor quantidade de informações que eu puder, para ter uma boa base de formação. Daí para frente quero me dedicar ainda mais para os concursos, agora a nível superior ou, conseguir um contrato para trabalhar na área”.

Para a esposa de Diego, foi só felicidade saber que o marido vai cursar uma faculdade federal. “Fiquei muito feliz. Vamos nos adaptar a nova rotina para que nada interfira na vida acadêmica dele”.

Enem 2018

Na primeira chamada do Enem, sete alunos da escola rural Santiago Dantas se classificaram na chamada regular por meio do Sistema Unificado de Seleção (Sisu), além de estudantes de outras instituições da zona rural.

Tarauacá terá primeira escola de Ensino integral da região

A escola jovem funcionará já este ano. Para a cidade de Tarauacá foram ofertadas 720 vagas para o ensino médio.

Por Mágila Campos 

Os estudantes de Tarauacá agora terão mais uma opção para estudar o ensino médio, isso porque, a terra do abacaxi, foi uma das cidades acreanas contempladas com o novo modelo de ensino do Acre: A escola de tempo integral. As aulas serão na Djalma Batista, primeira instituição da região do Vale do Tarauacá/Envira a receber o novo sistema.

A educação integral representa uma ruptura do modelo tradicional de ensino. Ao mesmo tempo que provoca uma revolução no processo de ensino-aprendizagem, porque instiga e valoriza o desenvolvimento das competências e habilidades dos jovens do século 21.

As aulas já começam em março deste ano e para apresentar a nova metodologia para os tarauacaenses o secretário de Educação e Esporte do Acre, Marco Brandão, se reuniu com os pais dos alunos matriculados na primeira instituição a atuar com o novo processo educacional.

Durante o encontro o gestor explicou sobre a nova dinâmica de ensino, que não se trata apenas de ampliar o tempo de permanência dos estudantes na escola, mas de repensar as práticas pedagógicas com o intuito de redimensionar o tempo e os espaços escolares.

“Essa é uma escola voltada para os jovens e construída com os jovens. É uma escola onde o protagonismo juvenil se destaca, onde ele é o centro do processo pedagógico. O aluno passa mais tempo na escola, mas ele também passa a escolher o que ele quer fazer. Porque além do currículo comum, ele poderá escolher os assuntos e projetos que deseja e que são pertinentes ao processo teoria e prática”, salienta.

Investimento

Brandão destacou ainda que a nova escola representa um esforço do governador Tião Viana em revolucionar ainda mais a educação acreana, da capital ao interior. Prova disso é que para a efetivar o modelo nas primeiras instituições da região, o governo do Acre está investindo R$ 28 milhões.

Sendo que desse montante, apenas R$ 8 milhões são provenientes de verba federal e os outros R$ 20 milhões, são recursos próprios do Estado. “ Para o governo esse recurso não é um gasto, mas um investimento na educação dos acreanos”, frisou Brandão.

Implantação no Acre

Em Rio Branco, o sistema foi implantado em 2017 e este ano se estende para mais três cidades acreanas, Brasileia, Cruzeiro do Sul e Tarauacá. Em suma, quatro das cincos regionais: Juruá, Tarauacá/Envira, Baixo e Alto Acre, estarão com o novo método em funcionamento em março deste ano.

A coordenadora do núcleo da Secretaria de Estado de Educação em Tarauacá, Francisca Aragão, que tem mais de 50 anos dedicados à area, ressaltou que a escola de tempo integral representa um avanço para o ensino da região.

“Tarauacá está inaugurando uma nova era na educação, porque esse é um método inovador, que vai desafiar os nossos estudantes a romper as barreiras do tempo e do espaço para alcançar o sucesso. Vai formá-los para enfrentar o mundo”, disse Francisca Aragão.

Foi pensando nisso que o autônomo Antônio Vieira matriculou Raimundo Pereira. Para ele, a nova escola vai oferecer as condições necessárias para que o filho consiga terminar o ensino médio com as capacidades necessárias para cursar medicina em uma universidade federal.

“Estou até emocionado, porque meu filho já é um bom menino, sempre tirou boas notas e sonha em fazer medicina. Por isso, acredito que fui um dos primeiros a procurar a escola porque tenho certeza que agora estudando o dia todo ele vai sair preparado para concorrer com qualquer outro estudante”, conta.

Prefeitura realiza reforma em escola Conci Alves na zona rural de Brasileia

Será feito pintura geral, melhorias no piso do refeitório, sala dos professores e secretaria, como a construção de  cobertura ligando o refeitório.

A Prefeitura de Brasiléia através da Secretaria de Educação tem trabalhado para que as escolas de difícil acesso consiga levar mais comodidade e segurança aos seus alunos, com isso, a prefeitura vem realizando um trabalho de reparação na escola Conci Alves no km 26, da BR 317.

A escola recebe alunos de diversos ramais do município, trabalhando com ensino fundamental. Essas crianças enfrentam uma luta diária para chegar até seu destino final, e a Prefeita reconhecendo todo esse esforço, vem buscando com a sua gestão dar prioridade ao ensino educacional na zona rural.

A Prefeita Fernanda Hassem falou sobre a reforma no ambiente escolar.

“Fazendo preparação para o inicio do ano letivo, que vai acompanhar o calendário estadual para o inicio das aulas, a partir do dia 5 de março. Estamos realizando essas reformas nas escolas e iniciamos pela Concí Alves que tem pouco tempo de construção, mais já apresentava alguns problemas para as crianças e atendendo um pedido da gestão da escola, da secretária e da população, estamos fazendo esse melhoramento, e posteriormente iremos avançar para as escolas da cidade”, disse Fernanda.

A Secretária de Educação Ramiege Rodrigues destacou a importância dessa reforma.

“com o início do ano letivo chegando não poderíamos iniciar as aulas com as condições em que a escola Concí se apresentava. A infraestrutura da escola não oferecia comodidade e segurança aos alunos e servidores. Estamos realizando reparos, vamos fazer uma pintura geral e algumas melhorias como o piso do refeitório e sala dos professores e secretaria, bem como a construção de uma cobertura ligando os pavilhões para que as crianças deixem de ir ao refeitório debaixo da chuva ou sol quente. Queremos assim, oferecer melhores condições para aqueles que fazem educação nessa escola”, disse Ramiege.

Tião Viana fortalece educação com novos equipamentos

A entrega foi um um esforço do governo para modernizar o ambiente de trabalho e facilitar a vida dos servidores num investimento de R$ 4,2 milhões.

Por Samuel Bryan 

O governador Tião Viana realizou na manhã desta quarta-feira, 7, a entrega de quase 1.700 equipamentos para a Secretaria de Educação do Acre (SEE). A solenidade na própria secretária, simbolizou um esforço do governo para modernizar o ambiente de trabalho e facilitar a vida dos servidores num investimento de R$ 4,2 milhões.

São 786 novos computadores, 786 nobreaks e 125 impressoras distribuídas em todas as unidades da SEE no estado.

Para Tião Viana, a ação vem como um reconhecimento aos servidores da educação estadual que tem realizado um importante trabalho em sua gestão e conquistado grandes avanços, como a melhoria dos indicadores educacionais, mais de 50 mil jovens atendidos pelo Centro de Estudo de Línguas (CEL), a proximidade de zerar o analfabetismo pelo programa Quero Ler e a concretização do Instituto de Matemática, Ciências e Filosofia.

“São equipamentos para modernizar a gestão, porque eu tenho orgulho da equipe e do trabalho da educação no Acre. Além disso, estamos finalizando um investimento de R$ 19 milhões para a refrigeração das escolas. É um grande esforço e agradecimento aos educadores do Acre pelo conhecimento que está permitindo a construção do futuro do nosso estado”, conta o governador Tião Viana.

Além do programa de instalação de ares-condicionados em todas as escolas estaduais, o secretário de Educação, Marco Brandão, lembrou a gestão de Tião Viana ainda foi responsável pela criação de 64 novas escolas indígenas e as sete primeiras escolas integrais, que em breve passarão para 11 unidades.

“Essa entrega hoje é uma demanda das escolas e dos nossos núcleos para propiciar não só as melhores condições de trabalho para os nossos servidores, mas, sobretudo, para alfabetizar digitalmente todos os nossos alunos, em qualquer lugar que estivermos”, destaca Brandão.

Prouni: Foram abertas as inscrições e vão até o dia 9 de fevereiro

O prazo para os candidatos concorrerem a uma bolsa de estudos em universidades privadas vai até o dia 9 de fevereiro.

As inscrições para o Programa Universidade para Todos (Prouni) foram abertas nesta terça-feira (6), no site  http://siteprouni.mec.gov.br/. O prazo para os candidatos concorrerem a uma bolsa de estudos em universidades privadas vai até o dia 9 de fevereiro.

Neste semestre, o Ministério da Educação (MEC) vai oferecer 242.987 vagas em 2.976 instituições de ensino particulares. Dessas, 113.863 são bolsas de estudo integrais (37.604 para cursos a distância) e 129.124 são bolsas de estudo parciais.

Para participar, é necessário ter tirado no mínimo 450 pontos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem 2017) e não ter zerado a redação. Só podem integrar o programa aqueles estudantes que se encaixarem em pelo menos uma das seguintes situações:

.ter cursado o ensino médio completo em escola da rede pública;

.ter cursado o ensino médio completo em escola privada, mas como bolsista integral;

.ter cursado o ensino médio parcialmente em escola da rede pública e parcialmente em escola privada, mas como
bolsista integral;

.ter alguma deficiência;

.ser professor da rede pública de ensino.

Tipos de bolsa

As bolsas integrais se destinam aos candidatos cuja renda familiar bruta mensal per capita não exceda 1,5 salário mínimo. Já as parciais, de 50% da mensalidade, são voltadas aos estudantes com renda familiar bruta mensal per capita inferior a três salários mínimos.

A inscrição inclui até duas opções de instituição, local de oferta, curso, turno e tipo de bolsa pretendida.

Calendário Prouni 2018

Abertura das inscrições: 6 de fevereiro

Fim das inscrições: 9 de fevereiro

Primeira chamada: 12 de fevereiro

Segunda chamada: 2 de março

Manifestação de interesse na lista de espera: entre 16 e 19 de março
Consulta das instituições à lista de espera no sistema: 20 de março

Com informações do G1 Acre

Asas da Florestania já formou quase 100 mil alunos desde sua criação

Distante 72 quilômetros de Xapuri, fica a colocação Monte Alegre. É lá que Maisson e Raimundo Lira moram.

Os irmãos integram o grupo de 76 alunos do Asas da Florestania que concluíram o ensino médio em 2017 e se uniram para realizar a festa de formatura.

Assim como os Lira, todos os outros formandos são moradores da zona rural de Xapuri, que para celebrar o fim de uma etapa escolar – o ensino básico -, organizaram uma grande festa no centro da cidade de Chico Mendes.

Alegres, os irmãos comemoram a conquista ao lado da maior incentivadora, a mãe, Raimunda Silva. De longe, emocionada, ela observa os filhos cumprirem os rituais da solenidade.

E com um ar simples e uma postura protetora, ela desabafa: “Você não tem ideia do que é ver dois filhos terminando o ensino médio. É uma alegria imensa, porque eles não precisaram se mudar pra cidade a fim de estudar, deixar a casa, os pais, né?”.

A propósito, a possibilidade de estudar na sua comunidade é, na opinião de Maisson, a maior vantagem do Asas da Florestania, programa que leva escolarização de qualidade às comunidades ribeirinhas, indígenas e extrativistas localizadas em zonas de difícil acesso no Acre.

“Já pensou se não tivesse estudo pra mim lá? Eu e meu irmão teríamos que ter vindo pra cidade e não teria sido fácil, além de ficar longe de casa. Graças a Deus concluímos o ensino médio lá mesmo. Hoje aqui é só a festa”, completa.

A comemoração, realizada no centro de Xapuri, contou com a participação de convidados dos estudantes e ainda representantes da Secretaria de Estado de Educação e Esporte (SEE) e autoridades locais.

Visivelmente emocionada, a coordenadora do ensino rural do município, Nilda Souza, lembrou que a celebração daquela noite representava uma conquista tanto para a educação acreana quanto para os formandos.

“Os estudantes concluíram a educação básica na própria comunidade, sem precisar migrar do campo para a cidade. Ou seja, são 76 alunos que não vieram para a zona urbana, ficaram nas suas comunidades, morando com as suas famílias”, destaca.

Asas da Florestania

A gestora destacou ainda que garantir a permanência de crianças, jovens e adultos nas localidades de origem, adequando a metodologia às peculiaridades da realidade rural na Amazônia, é o grande desafio do programa, criado em 2005 pelo governo do Estado.

De acordo com o coordenador do ensino rural da SEE, Ricardo Gelete, a educação tem superado um grande desafio, já que o projeto tem ajudado a reduzir a taxa de analfabetismo no interior da floresta. Prova disso é que só em Xapuri, de 2012 a 2016, passaram 683 alunos, só do ensino médio.

O objetivo do programa é levar escolarização de qualidade às comunidades ribeirinhas, indígenas e extrativistas localizadas em zonas de difícil acesso no Acre. Desde sua criação, já foram beneficiados 92.300 alunos do ensino fundamental e médio, nos 21 municípios onde o programa atua. Para 2018 a previsão é chegar a 12 mil.

Diferencial

Nas três modalidades de ensino, o programa segue as diretrizes curriculares nacionais. O diferencial é a abordagem metodológica, na qual são incluídos temas regionalizados, que visam universalizar o ensino nas comunidades rurais.

Ao todo, 21 municípios acreanos são atendidos. Em cada modo, o projeto se organiza de maneira distinta: no “Asinhas” o atendimento é domiciliar, já no ensino fundamental e médio os alunos estudam nas escolas mais próximas das suas residências.

Texto e fotos de Mágila Campos || Diagramação de Adaildo Neto