Quero Ler vai alfabetizar mais de 6 mil jovens e adultos em Tarauacá

O programa representa a conquista da cidadania para muitos. O programa é também oportunidade de trabalho para os jovens.

 Por Stalin Melo e Onides Bonaccorsi Queiroz 

Quero Ler vai alfabetizar mais de 6 mil

Em 2015, o governador Tião Viana assumiu o desafio de alfabetizar, até o fim de 2018, nada menos do que 60 mil jovens e adultos em todo o estado. Somente em Tarauacá, esse público corresponde a mais de seis mil pessoas.

Atendendo a tal compromisso, o secretário de Estado de Educação e Esporte (SEE), Marco Brandão, com o apoio da coordenadora do Núcleo da SEE em Tarauacá, Francisca Aragão, encontrou-se, esta semana, com uma equipe competente e comprometida naquela cidade.

“Aqui em Tarauacá, a equipe fez uma adesão pra valer do Quero Ler, graças ao professor Francisco das Chagas Souza [mais conhecido como “Moço”] e à professora Francisca, que já foi vereadora, secretária municipal de Educação e é uma referência no estado”, afirmou.

Marco Brandão fez questão de mencionar que, quando a professora foi secretária municipal, o analfabetismo caiu bastante – ao assumir a pasta, em 1997, o analfabetismo adulto atingia 68,8% da população e, quando entregou o cargo, em 2002, o índice estava reduzido para 22,9%.

Uma das principais entusiastas do Quero Ler, ao ouvir o convite do governador Tião Viana e do secretário Marco Brandão para coordenar o programa no município, Francisca fez questão dizer que estava “recebendo um presente”.

Ela já trabalhou com diversos programas de alfabetização, em parceria com instituições públicas e privadas. E procura transmitir entusiasmo e comprometimento à sua equipe: “Quando o governador anunciou o programa, de imediato me coloquei à disposição para ajudar: “O que mais me incomoda é quando vou ao banco e vejo aquelas pessoas idosas pedindo a um e a outro para ver o saldo, para fazer um saque. Isso acontece diariamente. Então esse despertar para a cidadania representa a liberdade das pessoas”.

Quero Ler vai alfabetizar mais de 6 mil 1

“Desafiador”

Já para o professor Francisco, o programa é desafiador, mas também gratificante para quem participa diretamente, ensinando as pessoas. “É uma oportunidade para os jovens que estão começando a trabalhar [em Educação]. Então, esperamos que eles gostem, que se empolguem e dediquem todo o carinho a esse trabalho”, disse.

E continuou: “Se você tem uma equipe pedagógica boa e se você tem material didático, isso faz uma diferença muito grande. A nossa equipe é excelente e acreditamos que vai dar conta. Temos uma dívida com as pessoas que não tiveram a oportunidade de estudar na idade certa”, disse. De origem rural e tendo sido alfabetizado apenas após os 12 anos de idade, o professor sabe do que está falando.

O grande desafio agora, segundo Brandão, é atingir a zona rural. E para que o Quero Ler possa ser um sucesso, não estão descartadas parcerias com outras ações de governo: “A gente tem uma grande possibilidade, que é usar programas como o Asinhas da Florestania para levar a alfabetização às áreas mais distantes. É uma estratégia, porque o mesmo professor que vai trabalhar com as crianças pode atender os adultos”, disse.

Programa Quero Ler

O programa de erradicação de analfabetismo Quero Ler, sob a coordenação do professor Evaldo Viana, subsecretário de Alfabetização, já havia chegado, desde sua implantação, a quatro municípios acreanos: Rio Branco, Cruzeiro do Sul, Tarauacá e Feijó. E no início deste ano a outros quatro: Brasileia, Xapuri, Epitaciolândia e Sena Madureira.

Agora em março, com a abertura de mais 1.022 turmas, atingirá os 22 municípios acreanos, contemplando mais de 12 mil novos alunos. Somente em Tarauacá, são mais 101 novas turmas, contemplando mais 1.425 jovens e adultos.

Cada etapa tem duração de cinco meses, com três horas-aula por dia. A partir daí, o aluno está capacitado para dar continuidade aos estudos: “O aluno sai com o domínio da escrita e da leitura, pronto para ingressar na EJA [Educação de Jovens e Adultos]. Além de erradicar o analfabetismo no estado, o programa trabalha a autoestima dos alunos”, observa a professora Augusta Rosas, coordenadora-geral do Quero Ler.

Quero Ler vai alfabetizar mais de 6 mil 11

Projeto de incentivo à leitura mobiliza alunos  do Ensino Infantil, em Brasiléia

Na  terça-feira, 04, o pátio da escola de ensino infantil, Vitória Salvatierra, tornou-se palco da apresentação do projeto de leitura infantil “Eu sou pequeno cidadão amigo da leitura”.

Projeto de incentivo à leitura

O projeto, realizado pela Secretaria Municipal de Educação de Brasiléia – SEME, em parceria com as escolas de ensino infantil do município, tem como principal objetivo inserir os alunos de 3 a 5 anos no incrível mundo da literatura, aguçando sua imaginação e incentivando os alunos, a desde cedo nutrirem o hábito da leitura.

“O projeto faz uma alusão ao dia do livro, que é comemorado no dia 18 de abril e terá culminância aqui na escola no dia 20. Apesar de trabalharmos com crianças de 3 a 5 anos, reconhecemos a importância da inserção da criança no mundo da leitura. Todas as escolas de ensino infantil estão envolvidas no projeto.

Hoje faremos apenas a abertura para as crianças e alguns convidados, dia 20 é que será o grande evento, com uma maior estrutura e a presença dos pais”, declarou a gestora da escola Vitória Salvatierra, Maria Auxiliadora.

A coordenadora de Ensino da SEME, Benedita Lima, falou da importância da leitura para todas as idades,

“Pensando nas  habilidades da criança e visando facilitar o ensino fundamental, nós da SEME pensamos, juntamente com a coordenação de ensino infantil, em desenvolver este projeto para inserir cada vez mais as crianças neste universo literário.

A priori o projeto está sendo executado apenas nas escolas de ensino infantil, mas já estamos na fase final de um  outro  projeto que vai englobar também os jovens do ensino fundamental  1”, ressaltou.

O evento foi encerrado com uma linda apresentação das crianças do maternal, deixando a todos ansiosos pelas apresentações do próximo dia 20.

Projeto de incentivo à leitura 3

Projeto de incentivo à leitura 2

Projeto de incentivo à leitura 1

Capacitação para Avaliação do Plano de Educação é realizado em Brasiléia

Foi realizado a capacitação para Avaliação e Monitoramento do Plano Municipal de Educação na cidade de Brasiléia.

 Da Assessoria PMB 

Plano Municipal de Educação

Foi realizando na segunda-feira,3, na sede da secretaria municipal de Educação de Brasiléia, o encontro para Avaliação e Monitoramento do Planos de Educação, dos municípios do Alto Acre. Objetivo é proporcionar uma educação de qualidade e responsabilidade social, diminuído as desigualdades seja ela social ou cultural, erradicando o analfabetismo, e ampliando o nível de escolaridade da população.

A União dos Dirigentes Municipais de Educação (UNDIME), que faz parte da rede de Assistência Técnica, junto com a Secretaria de Educação do Acre e o Tribunal de Contas do Estado, foi responsável pela capacitação dos técnicos da educação municipal. O Plano foi apresentado as equipes para que elas possam conhecer, e criar suporte para monitoramento

Ana Lucia Galvão, representante da UNDIME, disse que a intenção épreparar as equipes.

“Vamos preparar as equipes técnicas para que possamos alcançar os objetivos dentro do PME, com isso vamos ter uma educação de qualidade para toda população, O monitoramento vai permitir que a equipe dê suporte ao secretários municipais, para que o plano seja executado ”, disse

Valter Souza, coordenador da Rede Estadual de Assistência Técnica para o monitoramento do Estado, falou da importância do trabalho.

.“Esse primeiro encontro é para compartilhar com as equipes de como será feito este monitoramento, dentro deste processo de avaliação do Plano Municipal de Educação. É importante que as secretarias municipais estejam atentas para que o plano seja executado”, ressaltou.

“É de grande importância Brasiléia receber a equipe da UNDIME, para capacitar a nossa equipe. O nosso Plano foi elaborando em 2014, e tem sua vigência até 2024, e hoje estamos recebendo todas as informações de como será feito avaliação e o monitorando do plano. E desta forma vamos poder executar nossas metas, e ações que devemos desenvolver para ter um resultado satisfatório”, disse a secretária municipal de Educação, Ramiege Rodrigues.

Plano Municipal de Educação 1

Jovem deixou 14 livros escritos à mão e criptografados antes de sumir

Bruno Borges, de 24 anos, está desaparecido desde a segunda (27). Sete dias depois, a mãe dele, Denise Borges, falou sobre o mistério que envolve o sumiço do filho.

Jovem deixou 14 livros escritos 2

No quarto, os escritos são feitos de forma impecável, com precisão e simetria (Foto: Reprodução/Rede Amazônica Acre)

O estudante de psicologia Bruno Borges, de 24 anos, está desaparecido desde a última segunda-feira (27) em Rio Branco. Uma semana após o ocorrido, a mãe dele, a psicóloga Denise Borges, falou com exclusividade, mostrando uma série de razões que fazem acreditar que o caso não se trata apenas de mais um sumiço de pessoa.

O almoço convencional com a família, na segunda, foi a última vez que os parentes o viram. Denise conta que ele voltou para casa e todos seguiram o dia normal de trabalho. Mais tarde, o pai retornou para a residência da família em Rio Branco e percebeu que o filho não estava.

Atrás da porta do quarto, mantida por ele durante quase um mês trancada, no lugar de móveis, uma estátua do filósofo Giordano Bruno (1548-1600), por quem tem grande admiração, orçada em R$ 7 mil, e 14 livros extremamente organizados, escritos à mão. Alguns deles copiados nas paredes, teto e no chão. Todas as obras – identificadas por números romanos – criptografadas.

O mistério repercutiu nas redes sociais depois que um vídeo – gravado sem autorização da família – viralizou. O sumiço do jovem é investigado pela Polícia Civil do Acre. O coordenador da Delegacia de Investigação Criminal (DIC), delegado Fabrizzio Sobreira, afirmou que todas as possibilidades estão sendo consideradas.

No quarto, os escritos são feitos de forma impecável, com precisão e simetria, como em uma página de caderno. Várias simbologias foram desenhadas no cômodo e também ao redor da estátua. Um quadro na parede em que Bruno aparece sendo tocado por um extraterrestre também mostra o interesse do jovem pelos mais diversos assuntos.

Denise lembra que o filho havia falado, há bastante tempo, de um projeto em que estava trabalhando e para o qual precisaria de dinheiro. Em resposta, ela falou que patrocinaria se soubesse do que se tratava, pedido que foi rejeitado. Segundo a mãe, Bruno iniciou a produção em 2013 e, há um ano, passou a se dedicar na finalização.

“Ele dizia que era secreto e não dei o dinheiro. Então, ele começou a procurar pessoas que acreditassem nele sem contar o que era o projeto. Ele só me falava que estava escrevendo 14 livros que iriam mudar a humanidade de uma forma boa. Ele me pediu um ano sem trabalhar para terminar e eu, orientada por um médico, deixei”, fala.

Jovem deixou 14 livros escritos 4

No quarto de Bruno têm quadros que mostram que ele gosta de estudar ufologia (Foto: Reprodução/Rede Amazônica Acre)

Ainda sem saber o que os livros escondem, a mãe revela que até o dia 1° de março, data em que viajou de férias, o quarto de Bruno estava com os móveis habituais. Os outros dois irmãos, no entanto, revelaram que, a partir da saída dos pais, a porta passou a ficar sempre fechada. Foram exatos 22 dias fazendo as mudanças.

“Antes disso, ele tinha escrito cinco livros. Um deles ele queria patentear, porque havia lançado uma teoria. Ele me pediu ajuda e eu disse que iria ler. Li três vezes. Somente na terceira, quando fui ler, entendi. Nunca tinha visto uma coisa daquela, era perfeita a teoria dele, que somos interligados em tudo. Ele queria patentear e eu não dei conta”, diz.

A estátua de Giordano Bruno – réplica da que existe no Campo dei Fiori, em Roma – é um dos objetos emblemáticos. A família ressalta que não sabe exatamente em que momento o artefato entrou na casa. A peça foi produzida na capital acreana e levada à residência na semana passada em um momento que o jovem estava sozinho.

O dinheiro para custear o projeto, de acordo com Denise, Bruno conseguiu com um primo, R$ 20 mil. “Tem muitos anos que ele vem estudando filosofia, era muito fã de Giordano. Meu filho sabe falar sobre qualquer assunto, tem uma capacidade intelectual muito alta. Já leu a Bíblia toda e a obra de Shakespeare inteira”, relata.

Muitas teorias envolvem o caso. Nas redes sociais, internautas atentaram inclusive à visível semelhança física entre o acreano e o próprio Giordano Bruno, com quem compartilha um dos nomes. Para alguns, o jovem pode estar tentando terminar as obras do filósofo, trabalho interrompido pela sua morte pela Inquisição.

Tentando decifrar o mistério

Jovem deixou 14 livros escritos 1

No facebook de Bruno Borges amigos falam de semelhança dele com Giordano Bruno (Foto: Divulgação/Facebook)

Passados sete dias do desaparecimento e o desespero inicial, Denise afirma que começa a entender as atitudes do filho, que não tem problemas psicológicos, segundo ela. Diante do tamanho do esforço de Bruno, a mãe revela emocionada que talvez tivesse recorrido a medidas drásticas se visse os escritos de outra forma.

“Se ele abrisse a porta do quarto e nos chamasse para ver, eu iria chorar até ‘morrer’, chamar a ambulância e mandar internar. Ele sabia o que nós faríamos. Talvez tenha ido embora para que chegássemos a esse esclarecimento. Talvez tenha tentado patentear, não tenha conseguido, e criou uma linguagem própria ou talvez a obra tenha sido feita para ser lida por quem tem uma inteligência além”, especula.

No momento, a família procura algum especialista que possa ajudar a decifrar as diferentes criptografias dos livros. Católica, Denise fala que, apesar de preocupada, a família está mais serena, acreditando que o “exílio” também faça parte dos planos de Bruno na construção de suas teorias filosóficas.

“Como mãe, tenho medo dele estar no tempo ou sem comer. Como psicóloga, sei que se a pessoa ficar muito tempo sem se alimentar pode entrar em um surto. Estou preocupada, mas nessas horas o que pode alentar é joelho no chão e Deus. Existe tanta oração por ele, que o vejo coberto de luz divina”, acrescenta.

Vida

Jovem deixou 14 livros escritos

Bruno quer patentear livros que escreveu, segundo a mãe (Foto: Reprodução/Rede Amazônica Acre)

Os livros são o refúgio de Bruno desde a adolescência, quando passou a considerar que havia estudado pouco até então e que precisava compensar o tempo perdido. Mesmo com o gosto pelas leituras mais densas, Denise afirma sempre se preocupou em acompanhar as escolhas do rapaz.

“Ele começou a ler muito e, na minha visão, estava lendo demais. Passou a comprar muitos livros e eu ficava preocupada, mas sempre cuidadosa sobre que tipo de leituras ele fazia. Hoje, as pessoas com quem ele conseguia conversar eram juízes, desembargadores, intelectuais”, ressalta.

Desde muito cedo, Bruno demonstrava ser diferente e, conforme a mãe, querido por todos devido ao coração bondoso. Ela diz que os amigos dele sempre foram mendigos ou pessoas excluídas pela sociedade, como portadores de distúrbios mentais.

“Ele é iluminado. Na escola, sempre foi diferenciado, um líder nato, com um alto poder de persuasão. É um menino de um coração tão bom, que dava as coisas da casa e dele aos outros, como camisetas e calças. Não é porque é meu filho, estou falando do Bruno amoroso, que enxerga a alma das pessoas”, fala.

Quem foi Giordano Bruno?

Jovem deixou 14 livros escritos 5

Estátua do filósofo e teólogo Giordano Bruno está no quarto de Bruno (Foto: Reprodução/Rede Amazônica Acre)

Giordano Bruno foi um filósofo, teólogo e escritor nascido em Nola, na Itália, em 1548, acusado de heresia por suas ideias pelo Santo Ofício e morto em Roma, em 1600, queimado na fogueira depois de se recusar a abrir mão de suas doutrinas.

Dentre outras coisas, o filósofo defendia a infinitude do universo e sua característica de transformação constante. Para ele, Deus também é infinito – imanente e transcendente – e sem contradições, uma vez que os opostos terminam por coincidir nesse infinito.

Sendo assim, o universo – de acordo com Giordano – seria algo vivo, conduzido pela mesma lei e Deus está presente em toda parte, cabendo aos seres humanos adorá-lo além de qualquer dogma. Durante a vida, o filósofo escreveu sobre cosmologia, física, magia e a arte da memória.

Jovem deixou 14 livros escritos 3

Por Caio Fulgêncio, G1 AC, Rio Branco

Escola traduz início do ensino público integral no Acre

Para 2018, a meta do governo do Estado é ampliar esse modelo em pelo menos mais cinco regionais, estendendo para o ensino fundamental e a zona rural.

 Ana Paula Pojo 

Hoje o Acre protagonizou um marco na educação pública: o governo realizou, na manhã desta sexta-feira, 31, no Teatro Plácido de Castro, a aula inaugural das primeiras sete escolas de Rio Branco que irão oferecer ensino público de regime integral a quase quatro mil alunos. O investimento é de R$ 28 milhões e as aulas iniciam-se na próxima segunda-feira, 3.

“Uma linda página de futuro está sendo aberta hoje. É a geração de oportunidades, pois os jovens vão construir, a partir desse modelo de ensino, o seu plano de vida. O Acre é o único estado da Amazônia que tomou essa decisão para que os alunos entrem às sete e meia da manhã e saiam às cinco horas da tarde, tendo três refeições diárias, para avançarem na construção do seu futuro”, destacou Tião Viana.

Estiveram presentes, o senador Jorge Viana, a vice-governadora Nazareth Araújo, os deputados federais, Moisés Diniz, Leo de Brito e Raimundo Angelim, e os deputados estaduais Daniel Zen e Lourival Marques. O presidente do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), Idilvam Alencar, e a representante do Instituto Natura Bianca Miguel também vieram ao Acre para prestigiar o momento.

Ao todo, sete escolas passam a ter tempo integral no ensino médio: Armando Nogueira, Glória Perez, Instituto de Educação Lourenço Filho (IELF), José Ribamar Batista (Ejorb), Sebastião Pedrosa, Humberto Soares e Boa União.

O senador Jorge Viana disse que o novo modelo explana a evolução educacional no Acre. “Isso aqui representa mudança na vida das pessoas. Aqui vocês terão a oportunidade de desenvolver a própria competência. Escola integral é mais ensino e educação. É preparar as pessoas para vencerem desafios na vida. Com essa escola vamos formar os jovens que vão nos suceder no futuro”, disse o senador.

A Escola Jovem

Para o secretário de Educação, Marco Brandão, o ensino integral representa um novo tempo para a educação pública acreana: a Escola Jovem que traz a identidade do aluno acreano. “Essa é a escola jovem, que tem a identidade dos nossos jovens do século XXI, que são multifuncionais, que evoluíram nas atividades. Aqui ele é nosso protagonista e participa do processo de construção do conhecimento”, disse Brandão.

A Abigail Souza foi aluna do ensino público integral em Olinda, Pernambuco, e esteve na aula inaugural para compartilhar sua experiência com os estudantes.

“Esse projeto tem um aprendizado diferenciado, essa é a principal característica do novo modelo. No ensino integral, minha irmã e eu desenvolvemos diversos projetos na área de pesquisa, com destaque na robótica que rendeu ao meu grupo, uma premiação regional. A escola integral é um ambiente de oportunidades”, conta.

Parceria na construção de um sonho

Brandão destacou que, para o governo do Acre chegar à consolidação deste momento, contou com a parceria de diversos colaborados, como os institutos de Corresponsabilidade pela Educação (ICE), Natura e Sonho Grande, que ajudaram na realização deste sonho.

“O Natura tem essa parceria com as escolas integrais em dois estados: Espírito Santo e agora o Acre. Incentivamos a participação das comunidades nas escolas, bem como a articulação com as escolas e os jovens. Desejo força, coragem e sabedoria nessa nova empreitada”, disse a representante do Natura, Bianca Miguel.

Idilvam Alencar do Consed fez uma explanação aos alunos e destacou a importância da evolução do ensino público na preparação do ambiente para as futuras gerações. “É a geração da oportunidade, do ensino e do conhecimento. Parabéns ao governo do Acre por essa iniciativa tão ousada”.

A revolução do ensino público acreano

Além da reforma e adequação dos espaços, a SEE também realizou a formação continuada de professores, coordenadores e gestores para garantir a qualidade do ensino. Para 2018, a meta do governo do Estado é ampliar esse modelo em pelo menos mais cinco regionais, estendendo para o ensino fundamental e a zona rural.

Representando os diretores das escolas de ensino integral, Mauro Sérgio Moura, da escola Sebastião Pedrosa falou em nome dos diretores. “Isto é um marco na educação pública acreana. Em nome dessas sete escolas, afirmo que temos a missão de fazer esse projeto seguir adiante. E caminharemos juntos para que vocês, alunos, tenham um futuro de sucesso”.

Kimberley Bernardo Prudêncio é aluna do segundo ano da escola Sebastião Pedrosa. Ela conta que o modelo inovador será revolucionário. “Estou cheia de boas expectativas, porque isso é indiscutivelmente uma forma melhor de aprendizado. Vai aumentar nosso desenvolvimento. Fazendo com que a gente fique mais autoconfiante, o que ajuda na formação e no conhecimento”, disse a aluna.

O que disseram:

“Com a escola jovem, o governo planta sonhos em vocês. Parabéns ao governador por acreditar nestes jovens e no futuro deles. Viva o Acre e a juventude”, deputado federal, Moisés Diniz.

“A escola jovem traduz a possibilidade de desenvolver o potencial dos jovens na sociedade, por meio da oportunidade. A escola jovem é uma escola dos sonhos. E é nosso papel transformar o mundo”, deputado federal, Leo de Brito.

“A escola jovem é uma inovação diferente, criativa e inclusiva. Busca novos caminhos. Os jovens são protagonistas do seu tempo”, deputado federal, Raimundo Angelim.

“Aqui estão sonhos constituem uma agenda educacional muito importante. É saber que os nossos jovens estão tendo oportunidades para desenvolver projetos de vida com autonomia”, deputado estadual, Daniel Zen.

“Nossa mensagem para o futuro são vocês. Aqui temos a construção de uma nova oportunidade. Descubram as oportunidades em negócios sociais, pois a escola é o templo da transformação, do agora”, vice-governadora, Nazareth Araújo.

Escola de oportunidades

Servidores da Educação estão entre os que receberam aumento salarial

O aumento foi concedido pelo governador Tião Viana, em fevereiro, quando da sanção de outros 14 Projetos de Lei (PL’s) que beneficiam servidores públicos estaduais.

 Por Ana Paula Pojo 

A Secretaria de Estado de Gestão Administrativa (SGA) informou que as primeiras parcelas correspondentes ao aumento salarial dos servidores públicos das Secretarias de Estado de Saúde (Sesacre) e Educação (SEE) já constam na folha de pagamento deste mês. 

Para a educação, o governador concedeu reajustes de 19,48% aos docentes e de 23,75% aos demais trabalhadores, consolidando o que já se entendia por ideal, pelos demais sindicatos da categoria.

Os servidores da Saúde e Educação são os primeiros a receber os reajustes devido ao tempo em que vêm dialogando com o Estado. Os demais servidores contemplados pelos PL’s têm seus pagamentos confirmados para julho deste ano.

“Entre os profissionais da Educação, serão beneficiados 6.385 professores efetivos, 3.098 temporários e 3.316 servidores de apoio e técnicos”, contou o secretário adjunto de Educação, Alberto Nunes, o Xaxá.

Mais de 24 mil servidores públicos beneficiados

A sanção governamental autorizou em fevereiro, reajustes salariais a mais de 24 mil servidores públicos estaduais. A mudança no PCCR modifica principalmente a tabela de remuneração desses servidores, principalmente de acordo com suas classes.

“O governo prima pela valorização do servidor, tanto que o governador de esforçou para fazer um exercício para que em 2015 e 2016 conseguíssemos conceder o aumento a esses servidores. Esse é o reconhecimento aos serviços prestados no Estado. A política pública do governo é de valorização dos servidores”, afirmou a secretária de Gestão Administrativa, Sawana Carvalho.

Só entre servidores da Saúde do Estado, cerca de seis mil pessoas foram beneficiadas com a mudança no PCCR. Esses profissionais passarão a ter novos valores em seus adicionais por titulação, complexidade, interiorização, urgência e assistência em saúde mental.

“Esse é o retrato do nosso governo, que respeita o servidor público. Não custa lembrar que enquanto vários estados do país estão com salários atrasados e alguns nem pagaram o 13º do ano passado, no Acre nós estamos contratando e pagando em dia. Isso representa um grande esforço do governador Tião Viana”, disse o secretário de Estado de Saúde, Gemil de Abreu Júnior.

Servidores da Educação

Funasa e Ulfac assinam convênio para viabilizar planos de saneamento

O termo aditivo, assinado pelo reitor da Ufac/Acre permite que inicie as atividades de imediato.

 Com informações da Ascom/Ufac 

A superintendência da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) do Acre, através do seu superintendente, Raphael Bastor Jr., assinou na semana passada, convênio com a Universidade Federal do Acre, no valor de R$ 1,1 milhões para elaboração e capacitação técnica dos Planos Municipais de Saneamento Básico (PMSB) das cidades Rodrigues Alves, Bujari, Porto Acre, Porto Walter, Xapuri e Acrelândia.

O termo aditivo, assinado pelo reitor Minoru Kinpara, permite que a Ufac inicie as atividades de imediato. “São Recursos já empenhado e trabalharei para efetuar liberação deles em Brasília nos próximos dias. Essa parceria com a nossa universidade federal é essencial para que esses municípios atendam a legislação e possam ter seus planos aprovados até dezembro desse ano”, destaca Raphael Bastos.

Já o reitor Minoru Kinpara lembra que dessa forma a universidade cumpre seu papel social. “Essa ação da Ufac, em parceria com a Funasa, visa capacitar as pessoas que irão trabalhar com saneamento básico, ajudando no desenvolvimento dos municípios contemplados. A Ufac trabalha para possibilitar a formação e a capacitação de pessoas que ajudam a melhorar a sociedade”, disse o reitor. “A universidade precisa estar comprometida com a qualidade de vida das pessoas”.

Graças à essa cooperação, os planos s serão elaborados por professores e pelo corpo técnico da Ufac e, ao final do trabalho, doados aos municípios. O PMSB, destaca Raphael Bastos Jr., é pré-requisito para acesso a recursos do Governo Federal para área de saneamento básico. “Lembrando que os municípios que não tiverem seus Planos devidamente aprovados até dezembro, ficaram impedidos de receberem Recurso federal já em 2018”.

Para o superintendente, a parceria é importante pela necessidade e a importância social dos municípios terem o plano concluído ainda este ano. “Isso vai possibilitar que esses seis municípios não fiquem de fora do crescimento que a gente está buscando trazer para o Acre”. 

FUNASA E UFAC

Educação realiza formação em práticas experimentais

Formação continuada de professores garante a qualidade do ensino.

 Por Stalin Melo 

A Secretaria de Estado de Educação e Esporte (SEE), por meio da coordenação de Educação Integral, realiza nesta segunda-feira, 27, uma formação de práticas experimentais em laboratório para professores de Matemática, Química, Física, Biologia e laboratoristas das escolas de tempo integral.

A formação conta com a participação de 83 professores. no auditório da Escola Humberto Soares, que será uma das sete unidades escolas em tempo integral de ensino médio, cujas aulas iniciam no próximo dia 3 de abril.

A coordenadora de Educação Integral, professora Emily Areal, explica que a SEE está ofertando a formação de práticas experimentais porque dentro do currículo elas serão empreendidas nas aulas.

“A diretoria de Ensino, com a Diretoria de Inovação, com a Coordenação de Ciências e o Instituto de Matemática, Ciências e Filosofia (IMCF), está ofertando essas práticas porque, mais simples que elas possam parecer, fazem uma diferença enorme na significação dos conteúdos”, afirmou.

A coordenação de Educação Integral também está oferecendo uma formação para professores de Inglês e Espanhol, no Centro de Estudo de Línguas (CEL). “Essa é para professores que irão trabalhar na comunicação e conversação dos alunos das escolas de tempo integral”, explicou a professora Emily Areal.

Formação continuada de professores garante a qualidade do ensino

Índios se atrasam e perdem prova para entrar em curso na federal do Acre

Cacique diz que grupo parou para tirar cópia de documentos e se atrasou. Mais de 560 índios concorrem às 40 vagas oferecidas em curso.

Um grupo de 23 índios da aldeia Katukina, em Cruzeiro do Sul, foi barrado, neste sábado (25), porque chegou 5 minutos atrasado para fazer as provas para a segunda turma do curso de Licenciatura Indígena, da Universidade Federal do Acre, Campus Floresta.  Cerca 567 índios concorrem às 40 vagas oferecidas no curso.

As provas estavam marcadas para começar às 9 horas, mas os candidatos chegaram cinco minutos depois e foram impedidos de fazer as provas, segundo informou a pró-reitora de graduação da Ufac, Aline Andréia.

“Esse foi o único episódio que aconteceu. Infelizmente o edital é muito claro e precisamos ser justos com todos os candidatos”, esclareceu a pró-reitora.  

Cacique da tribo, Fernando katukina justificou o atraso do grupo. “Eles saíram cedo da aldeia, mas tiveram que parar na cidade para tirar xérox de documentos e acabaram perdendo o horário. Infelizmente perderam a oportunidade e não vão concorrer as vagas. Agora só resta retornar para a aldeia e aguardar o próximo ano. Isso serve de lição para eles que precisam saber obedecer a horário”, disse o cacique.

As provas estão sendo aplicadas em Cruzeiro do Sul e em Marechal Thaumaturgo, mas durante a semana também serão aplicadas nas cidades de Brasileia, Jordão e Santa Rosa. O curso deve começar no mês de junho e o resultado da seleção será divulgado dia 5 de abril.

“Os indígenas serão habilitados para atuar como professores principalmente nas escolas indígenas do estado. Lamento essa situação”, acrescentou a pró-reitora.

Índios chegaram cinco minutos atrasadosAdelcimar Carvalho Do G1 AC

Educação realiza treinamento para professores do Asas da Florestania

Formação qualifica professores e aprimora educação rural. Os professores estão recebendo treinamento.

 Por Stalin Melo 

A Secretaria de Estado de Educação e Esporte (SEE), por meio da Coordenação de Ensino Rural, está ofertando uma formação para os professores da zona rural que irão atuar no programa Asas da Florestania, cujo objetivo é levar uma educação de qualidade para as comunidades mais distantes do estado.

A capacitação será realizada até sexta-feira, 24, no anexo da Escola Heloísa Mourão Marques (HMM) e visa implementar estratégias de ensino que estejam em consonância com o Plano Estadual de Educação. Em Rio Branco, 50 professores participam da formação.

A instrução também alcança o interior, ministrada pelos técnicos dos núcleos que, previamente, passaram pela mesma formação e agora compartilham as experiências com os professores.

O coordenador de Ensino Rural da SEE, Ricardo Oliveira, explica que as aulas do programa Asas da Florestania se iniciam no próximo dia 3 de abril e a formação se destina aos que trabalham como ensino fundamental II e médio.

Asas da Floresta