No Acre, mais de 54 mil candidatos conferem resultado do Enem

A ansiedade que muitos candidatos compartilhavam após realizarem as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2017 acaba hoje. 

O resultado oficial do exame será divulgado na manhã desta quinta-feira, em todo o país, às 12 horas (horário oficial de Brasília), por voltas das 9 da manhã no estado.

Com isso, serão anunciadas as notas máximas e mínimas obtidas em cada prova objetiva, e, ainda, detalhes sobre as notas da prova de redação. Foram exatamente 54. 379 pessoas inscritas no Acre, totalizando cerca de 6,7 milhões de inscrições no Brasil.

A capital, Rio Branco, realizou o maior número de inscritos no Acre, com 34.710 mil pessoas, Cruzeiro do Sul ficou em segundo, com 8.240 mil, e Sena Madureira, com 2.015 participantes.

De acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o resultado será divulgado somente após entrevista coletiva da presidente do Inep, Maria Inês Fini, e do ministro da Educação, Mendonça Filho.

Já o espelho da redação, usado para fins pedagógicos, não será divulgado por enquanto.

Inscritos

O número de participantes desta edição é 11% menor que ao Enem realizado em 2016, quando o estado teve 61.146 inscritos.  Conforme a Secretaria Estadual de Educação e Esporte do Acre (SEE), a redução no número de inscrições é consequência do Enem ter deixado de certificar o ensino médio.

Do total de participantes no Acre, 57,3% são mulheres e 42,7% são homens. A faixa etária com o maior número de candidatos é de 21 a 30 anos de idade, com 21.581.

Em relação ao nível de escolaridade, 74,8% já concluiu o ensino médio, 19,7% é concluinte este ano e 4,5%, são os chamados treineiros, que concluirão o ensino básico após 2017.

Consulta pela internet

Para ter acesso à nota do Enem 2017, o candidato que fez o exame deve acessar a Página do Participante, no site do Inep, e incluir seu CPF e a senha cadastrada.

Pesquisa coloca o curso de Direito da Ufac entre os 30 melhores do país

Ranking é baseado em porcentagem dos aprovados na 1ª fase da prova da OAB.

O curso de Direito da Universidade Federal do Acre (Ufac) foi destaque nacional. Em ranking baseado nos resultados do 23º Exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), o curso acreano se posicionou como o 28º melhor do país.

Dos quase 120 mil participantes, apenas 20.456 foram aprovados para a fase seguinte do exame. Ou seja, o percentual de aprovação (17,78%) foi bem menor do que o número de reprovados (82,22%).

Com base no total de participantes que compareceram à prova (e que foram aprovados), o blog Exame de Ordem destacou os cursos que obtiveram os melhores resultados, sendo que o Acre figura entre os 30 melhores do país. Da relação, apenas a Escola de Direito da Fundação Getúlio Vargas (FGV) é particular, sendo todas as outras instituições públicas.

DIREITO NO BRASIL

O Brasil possui mais de 1,2 mil cursos superiores de Direito. Com essa quantidade, o país se consagra como a nação com mais cursos de Direito no mundo, já que a soma total de faculdades do curso no mundo (fora os cursos do Brasil) totaliza 1,1 mil cursos.

Por contilnetnoticias.com

Governo do Acre anuncia ao menos três concursos para o ano de 2018; confira

Secretaria da Fazenda deve abrir 144 vagas, segundo o governo. Datas ainda não foram divulgadas. São ao menos três concursos anunciados para 2018, segundo o governo do Acre.

O governo do Acre listou alguns concursos que devem ser anunciados em 2018. De acordo com a Secretaria da Gestão Administrativa (SGA), são ao menos três concursos para o estado.

Um deles é para o cargo de soldado combatente do Corpo de Bombeiros. O governo informou que são 100 vagas e que está em fase de elaboração do projeto básico e que o segundo passo é contratar a empresa organizadora do concurso.

Estão previstos ainda concursos para a Secretaria da Fazenda (Sefaz), com oferta de 144 vagas para diversos cargos e também para compor o quadro da Procuradoria-Geral do Estado (PGE) em cargos administrativos.

Porém, as vagas dos dois últimos ainda não foram definidas. Nenhum dos certames tem data definida para ocorrer.

Concursos em andamento

PM-AC – Soldado combatente e músico

Vagas ofertadas: 250

Fase atual: Investigação criminal e social/ Previsão de Conclusão da fase: Indefinido

Próximos atos: Homologação do Resultado Final do Concurso e Convocação para Matrícula no Curso de Formação

Polícia Civil: Auxiliar de Necropsia/ Agente/ Escrivão/ Delegado

Vagas ofertadas: 250

Fase atual: Exames médicos – Data de entrega dos exames: de 18 a 22 de dezembro de 2017/ Previsão de conclusão da fase: 10/01/2018

Próximos atos: Convocação para investigação criminal e social, Convocação para Matrícula no Curso de Formação, Homologação do Resultado Final do concurso e Nomeação e Posse.

Polícia Militar realiza sorteio de vagas para o Colégio Tiradentes

Colégio Tiradentes oferta vagas para filhos de militares e para a comunidade. Sorteio para vagas no Colégio Tiradentes foi realizado na manhã desta terça-feira, na Praça da Revolução.

 Por Jean Messias / Assessoria 

A Polícia Militar do Acre (PMAC) realizou na manhã desta terça-feira, 2, em frente ao quartel do Comando-Geral, o sorteio de 560 vagas para o Colégio Militar Tiradentes, que funcionará na região do Calafate.

Concorreram às vagas mais de dois mil jovens. O estabelecimento educacional será administrado pela instituição militar e as disciplinas serão ministradas por professores da rede pública de ensino.

De acordo com o comandante-geral da PMAC, coronel Júlio César dos Santos, o colégio é a realização do sonho de muitos policiais. “O colégio militar é um pedido antigo dos policiais que têm filhos com predisposição a serem militares e gostam de usar fardas, assim como temos jovens com sonhos de serem médicos, engenheiros, professores, entre outras profissões. Então, a escola vem para atender essa vocação e motivá-los a seguir as escolhas corretas na vida, pois serão ensinados valores cívicos e militares”, afirmou.

Janeide da Silva é mãe do estudante Ramon Mendes dos Santos, de 13 anos, que foi sorteado com uma das vagas para o Colégio Tiradentes. Ele fará o 8º ano.

“Pelo que sabemos, o estudo na escola militar é mais rígido em relação a tudo, e minha expectativa é a melhor possível para o futuro do meu filho”, enfatizou Janeide, alegre com o sorteio da vaga para o filho.

Sorteio para a Escola Dom Pedro II

Ainda nesta terça-feira, 2, em frente ao Comando-Geral do Corpo de Bombeiros (CBMAC), localizado no bairro Morada do Sol, será realizado o sorteio dos inscritos para o Colégio Dom Pedro II, que funcionará no bairro Rosalinda, sob a administração do CBMAC.

A partir das 14 horas serão sorteadas as vagas para os filhos de militares e às 16 horas se inicia o sorteio para a comunidade em geral.

Os nomes dos contemplados serão divulgados no dia 4 deste mês nas redes sociais das instituições, na agência Notícias do Acre e nos locais onde foram realizadas as inscrições, e dia 9 no Diário Oficial do Estado.

As matrículas devem ser abertas na segunda quinzena deste mês.

Mais 221 servidores efetivos da Educação são convocados pelo governo

Ao todo, são 221 servidores efetivos de apoio administrativo e também professores, ambos nível 2.

A edição do Diário Oficial do Estado (DOE) desta quinta-feira, 28, traz a última relação de cadastros de reservas convocados para inspeção médica, referentes ao concurso público da educação realizado em 2013.

Esse reforço nos quadros de profissionais da educação representa um acréscimo de cerca de R$ 900 mil na folha de pagamento.

O acréscimo desses profissionais no quadro de servidores efetivos do Estado deve impactar em R$ 708 mil na folha de pagamento.

Desde 2011, o governo do Acre já contratou cerca de 12 mil servidores públicos. Só para a Educação e a Saúde, por exemplo, foram quase 8 mil novos profissionais efetivos.

Para mais informações, acesse o Portal de Informações do Diário Oficial.

Professores terão reajuste de 6,81% no piso salarial de 2018

O anuncio foi feito pelo ministro da Educação, Mendonça Filho. Com isso, o professor não poderá receber menos que R$ 2.455,00.

Os professores de todo o país terão um reajuste de 6,81% no piso salarial em 2018. Isso representa três por cento acima da inflação registrada em 2017. 

O reajuste depende do aumento do Valor Anual por Aluno, estimado pelo Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb).

Em 2017, cada estudante da rede pública custou, em média, R$ 2.875. E esse dinheiro para o reajuste vai sair, na sua grande maioria, dos estados e municípios.

Contudo, até esta terça-feira, dia 26, o Ministério da Educação ainda não havia publicado portaria, oficializado o reajuste salarial dos docentes. Isso deve acontecer até a sexta-feira próxima.

Por Agência Brasil 

Centro de Línguas divulga edital para preenchimento das vagas de 2018

O Centro de Estudo de Línguas (CEL) divulgou nesta quarta-feira, 20, o edital para preenchimento das vagas para o primeiro semestre de 2018.

São mais de mil vagas, que serão divididas entre os cursos de inglês, espanhol, francês, italiano e libras.

O edital com o quadro de vagas, as regras e o cronograma completo, encontra-se no site da Secretaria de Estado de Educação e Esporte (SEE).

As matrículas desta edição serão feitas apenas na modalidade presencial. Assim, os interessados em cursar uma das línguas estrangeiras ofertadas pela instituição deverão comparecer ao órgão nas datas especificadas no edital a fim de pleitear a vaga.

Cronograma

As matrículas serão feitas de 29 de janeiro a 5 de fevereiro de 2018. Porém, em datas específicas para cada categoria solicitada. Por exemplo, de 29 a 31 de janeiro é somente para alunos da rede pública, que é a clientela prioritária.

Já entre os dias 1 e 2 de fevereiro é o período para a comunidade em geral fazer a inscrição, caso haja vagas remanescentes. E no dia 5 serão somente as matrículas para o curso de Língua Brasileira de Sinais (Libras).

No período de inscrição o atendimento será realizado por ordem de chegada e só poderá efetuar a matrícula o próprio interessado. No caso dos menores de idade, é necessário ainda um representante legal (tutor, curador, procurador).

Secretaria de Estado de Educação divulga calendário escolar 2018

O calendário escolar 2018 das escolas da rede estadual do Acre já foi definido. Os prazos foram divulgados pela Secretaria de Estado de Educação e Esporte (SEE), no site da instituição.

O documento é para o ensino regular, do fundamental ao médio, além da Educação de Jovens e Adultos (EJA). Para o ensino integral e para a escola militar será divulgado ainda um calendário específico para cada uma das duas modalidades.

Rosária Solon, diretora de Gestão da SEE, explica que os pais e responsáveis devem ficar atentos aos prazos, porque as datas para cada procedimento já foram estabelecidas e valem para todo o Estado.

A diretora lembrou ainda que para 2018 as matrículas voltam a ser realizadas de forma manual e presencial por meio do preenchimento de ficha e entrega de documentos. “Todos os procedimentos deste ano serão feitos nas escolas, desde a renovação até a matrícula de novos alunos”, explicou.

As datas para cada etapa estão descritas no calendário. A transferência de alunos das redes municipais para as unidades estaduais, por exemplo, serão realizadas de 2 a 12 de janeiro. Já para matrículas de alunos novos, o prazo será de 22 a 26 de janeiro.

Aumenta vagas para ensino médio

Outra novidade para o ano letivo de 2018 é a abertura de novas turmas de ensino médio na capital. Para este ano serão abertas vagas nas escolas Carlos Vasconcelos, Diogo Feijó, Carlos Casavechia e Colégio Acreano.

Solon explica que as escolas que até 2017 funcionavam apenas como ensino fundamental agora passam a ofertar também ensino médio. “Por conta da implantação do ensino integral, foi necessário um reordenamento da rede, porque nem todos os que saem do fundamental querem ir para o integral”, afirmou.

Instituto Dom Moacyr inicia cursos nas áreas de turismo e gastronomia

A aula inaugural foi realizada no auditório da Secretaria de Estado de Educação e Esporte (SEE).

Escolhi esse curso porque gosto de viagens, e essa é uma oportunidade de conseguir um bom trabalho na área”, comemora Anagleide Santos, a nova estudante de turismo do Instituto Dom Moacyr (IDM).  Ela é uma das 400 pessoas que iniciaram um novo curso nesta segunda-feira, 18, em Rio Branco.

Nesta edição foram ofertadas 400 vagas para os cursos técnicos em Agenciamento de Viagem, Turismo, Hospedagem, e Restaurante e Bar. Essas vagas foram distribuídas entre Rio Branco, Cruzeiro do Sul, Tarauacá e Porto Acre. As aulas se iniciaram simultaneamente em todas as localidades.

A diretora-presidente do IDM, Rita Paro, disse que as formações são novas oportunidades para as pessoas que concluíram o ensino médio e estão em busca de uma qualificação profissional de qualidade.“O Acre tem crescido muito na área de turismo e gastronomia. E os cursos vêm para qualificar e preparar os acreanos para esse mercado de nível global”, disse.

Os cursos, ofertados na Modalidade a Distância (EAD), por meio do programa Pronatec, são fruto da parceria do IDM com a secretaria Estadual de Turismo e Lazer (Setul) e a secretaria Municipal de Cidadania e Assistência Social (Semcas).

Dora Araújo, chefe da Semcas, lembrou que os cursos estão sendo ofertados pela primeira vez no Acre e que representam um grande avanço, porque as formações são ferramentas de inclusão social.

O deputado Daniel Zen também participou das boas-vindas aos estudantes da capital. Além de parabenizar os estudantes, ele ressaltou os esforços do governo na qualificação da população.

“Apesar de todas as dificuldades que o governo federal está impondo aos Estados, o governador tem conseguido vencer as barreiras e honrar os compromissos de investir na qualificação do nosso povo”, destacou.

Educação indígena projeta nova realidade às comunidades do Acre

A previsão é para 2018 é que 2.200 Indígenas de diferentes povos e terras sejam alfabetizados. O movimento de professores indígenas também permite que o docente progrida na carreira.

Levar educação aos  locais mais distantes do Acre é um desafio que o Governo do Estado tem buscado superar para alcançar até mesmo os mais isolados. Por meio da Secretaria Estadual de Educação e Esportes (SEE), o Acre mantém, hoje, 5.400 alunos indígenas e 524 professores, divididos em 132 escolas. Uma expansão de horizontes à cerca de 2 mil alunos por ano, em diferentes comunidades.

São avanços que requerem uma secretaria menos ocidental e muito mais indígena, atendendo exatamente a adequação dos procedimentos administrativos para alcançar as necessidades desses povos.

Todas as instituições são amparadas pelo governo junto a SEE, instaladas em comunidades distantes dos centros urbanos, mas que não diferem das escolas situadas na cidade. Elas atendem toda a educação básica, sendo infantil (20%), nível fundamental I (20%), nível fundamental II (40%) e nível médio (20%).

Para continuar a garantir a qualidade no ensino, a secretaria trabalha junto à coordenação da educação indígena para a conclusão e apreciação do texto que vai garantir maiores especificidades legais para os professores indígenas, com a Lei de Gestão democrática para as referidas escolas e, ainda, a Lei de Gestão Democrática Intercultural  para as escolas indígenas, que vão tipificar as escolas. Essa tipificação também permite a consolidação das equipes gestoras das escolas indígenas.

“A educação está em fase de conclusão do texto por parte da comissão estadual de educação e escola indígena, que teve autorização para criação, em abril de 2017, e a gente agora vai oficializar essa comissão. Isso garante que professores e gestores educacionais devem ser prioritariamente do povo de origem onde aquela escola está instalada”, afirma o coordenador da educação escolar, Paulo Ferreira.

A criação do programa estadual de formação para professor indígena potencializa um núcleo específico educacional dos povos indígenas. Aspectos importantes para a construção e progresso da sociedade nativa, onde cada povo é ouvido para que suas peculiaridades sejam mantidas dentro do sistema educacional do Acre.

Educação humanizada

O modo diferente de pensar a educação, atribuindo uma lógica mais ocidental dentro da lógica indígena, e vice-versa, faz com que o ensino destinado a esses povos não imponha, mas acolha as diferenças com diálogo e maneira respeitosa à cultura. Desta forma, capaz de permitir o funcionamento do sistema de maneira intercultural.

Segundo o secretário de educação, o debate com o movimento de professores indígenas também permite que o docente progrida na carreira. “Inserir novos métodos de ensino é fundamental para o acompanhamento do progresso educacional dos povos. No entanto, essas mudanças devem seguir a cultura que está inserida em cada comunidade indígena”, esclarece Brandão.

Admitir a existência real dessas pessoas e adotar medidas administrativas que contemplem a existência deles é acolher essas realidades e torná-las elementos concretos. “Temos o desafio de transformar a secretaria e a coordenação de ensino indígena para criar espaços numa instituição capaz de receber a interculturalidade que existe entre esses dois mundos”, observa o secretário.

Hoje a educação tem o projeto político pedagógico de professores aprovados e já trabalha na reformulação desses projetos para que já possam ser implantados em 2018.

A criação de um programa estadual de formação para a educação escolar indígena, que deve contemplar tanto os aspectos que dizem respeito ao exercício da docência, que são competências que todo professor indígena deve ter, mas também aos elementos de gestão das escolas indígenas, capacita os gestores das escolas indígenas, que também são indígenas. Paulo afirma que “nesse sentido, a gente deve contemplar um núcleo transversal para todos os docentes e um núcleo específico. Esses núcleos específicos vão ser capazes de cuidar dos projetos educacionais de cada tribo indígena”.

Ações que representam uma secretaria de educação que consegue dialogar com os povos indígenas, com leis capazes de permitir a operação do sistema, mas permitir também que esse sistema funcione de maneira cultural. “Esse é o desafio gigantesco para a administração pública. Precisamos tornar mais indígena questões como merenda escolar, gestão das escolas, formação de professores,  construção do material didático e construção de escolas dentro das aldeias“, completa o coordenador.

Quero Ler Indígena

O governo do Acre lançou o edital para alfabetizadores indígenas do Programa Quero Ler, que visa contratar profissionais indígenas para educar estudantes em suas próprias comunidades. O edital garante a alfabetização dos povos indígenas e honra com o compromisso histórico de valorizar a cultura e os saberes dos povos tradicionais da Amazônia.

“Dizem que a maior dívida do Brasil é a moral com os povos indígenas. E aqui no Acre nós estamos ajudando a romper essa escuridão e essa dívida histórica com as nossas comunidades ao valorizar a educação escolar desses povos”, ressalta o governador.

O edital contempla 34 terras indígenas em 12 municípios acreanos. Com isso, o Programa de Alfabetização vai abrir 212 turmas para beneficiar diretamente 2.120 alunos.

Brandão lembra que até mesmo o Programa Quero Ler está levando a alfabetização para todas as regiões acreanas, inclusive para os povos indígenas: 2.200 Indígenas de diferentes povos e terras serão alfabetizados ainda no início de 2018. “Este é um ato histórico para o Acre, porque haverá um edital exclusivo para professores indígenas, que irão alfabetizar os jovens e adultos de suas aldeias respeitando as particularidades de cada povo”.

Concurso indígena

O concurso público para professores indígenas nos municípios mais distantes da capital faz parte de uma série de compromissos firmados pela administração do governador Tião Viana, por meio da Secretaria de Estado de Educação e Esporte, para valorizar o ensino e a aprendizagem nas escolas do interior do estado.

O novo concurso é para contratação provisória e foi anunciado pelo próprio secretário de Educação, Marco Brandão, em visita de três dias às cidades de Santa Rosa do Purus, Jordão, Porto Walter e Marechal Thaumaturgo.

 “É o primeiro concurso público para professores indígenas em 20 anos, com o edital sendo lançado já em novembro próximo”, comemora Brandão.

O secretário afirma que “o concurso faz parte de um tratamento especial que estamos prestando à nossa comunidade interiorana, que já está podendo desfrutar também de outros benefícios igualmente importantes para as pessoas”.

Parcerias

Além disso, a secretaria estadual de educação reforça as parcerias para exercer o trabalho de inserção do ensino básico nas aldeias, como a Secretaria Especial de Saúde Indígena e com o Instituto de Mudanças Climáticas (IMC) – que auxiliam o curso de formação pedagógica.

“Isso é fundamental porque temos lideranças educacionais nas aldeias, professores, profissionais de saneamento e agroflorestais que têm formação escolar e que soma à importância dos sábios tradicionais no sistema de educação que se propõe, que dialoga com o povo em questão”, destaca o coordenador de educação escolar.