Coluna do Crica

Tchê descarta saída da FPA para a oposição

Para o presidente do PDT, Luiz Tchê (foto), não existe nenhuma variante política que o faça abandonar a FPA, onde tem um filiado como pré-candidato ao governo, o secretário de Segurança, Emylson Farias. A questão – explica – é que converso com políticos da oposição e isso termina na imprensa, sem ninguém me ouvir, como se fosse um acerto para o PDT sair da FPA. Tchê diz que tem um projeto político montado dentro da FPA e que continuará aliado ao governador Tião Viana. É invenção de quem colocou que o PDT vai para a oposição, afiança Tchê. O PDT deverá ter candidatos a deputado federal e a deputado estadual.

Jamil: “cansei de ser usado”

O deputado Jamil Asfury (PEN) negou à coluna a possibilidade de deixar o partido, caso o deputado federal Jair Bolsonaro venha a ser candidato à presidência do país. “Fico no PEN, também sou um patriota”, garantiu. Num desabafo Jamil diz que cansou de ser enganado pelos petistas. A sua meta é ser candidato a deputado federal pelo PEN.

Cabeças centradas

Quem conversa com as poucas cabeças centradas da oposição ouve vozes unânimes sobre a disputa do Senado: “a oposição fará um senador e a FPA fará o outro. Fora isso, só uma zebra”.

Léo quer resolver conflito

O deputado federal Léo de Brito (PT) trabalha para trazer até o Acre a Comissão de Direitos Humanos da Câmara Federal para debater o conflito agrário, no Acre. Será realizada uma Audiência Pública em Xapuri para discutir a questão das 500 famílias de posseiros que moram em áreas que circundam a Reserva Chico Mendes e que, estão sendo ameaçadas de despejos por ações judiciais impetradas por fazendeiros. A maioria mora há dezenas de anos no local.

Aliança reforçada

O deputado Eber Machado (PSDC) é outro que descarta embarcar na oposição. Está ligado ao prefeito Marcus Alexandre e ao governador Tião Viana. Eber tem sido na ALEAC um dos defensores mais duros da atual administração petista. Seu apoio ao candidato do PT é certo.

A burocracia que mata

As escolas atingidas pela cheia de 2015 em Rio Branco e Tarauacá até hoje não receberam os recursos previstos para as suas recuperações em ações emergenciais. São cinco unidades em Rio Branco e duas em Tarauacá. O senador Sérgio Petecão (PSD) está pressionando o FNDE para a liberação urgente desta verba. Existem alunos estudando fora da sala de aula. É este tipo dee burocracia que mata o Brasil.

Cumprindo obrigação

Quando denuncia na Saúde uma compra supostamente superfaturada em 200 mil reais o deputado Nelson Sales (PP) está exercendo o seu real papel de oposição. Cabe ao dirigente do órgão esclarecer e se comprovado for, anular essa licitação e tornar pública a decisão. Simples.

Verde que te quero verde

O diretor do DETRAN, Pedro Longo, que saiu do PSL para agradar o governador Tião Viana deverá disputar uma cadeira de deputado estadual pelo PV. Este também tende a ser o caminho do ex-deputado federal Henrique Afonso, que recentemente abandonou a oposição.

Sem candidatura

O deputado federal Major Rocha (PSDB) negou ontem que o fato da sua irmã e jornalista Mara Rocha ter acompanhado a caravana da oposição em algumas visitas não significa que será candidata a algum cargo na eleição deste ano. “Ela não será candidata a nada”, diz o Rocha.

Por ética, não vou além

Sobre o vice na sua chapa, ouvi do senador Gladson Cameli (PP) que seus olhos “brilham” para um certo nome como seu vice. Por ética, não vou revelar um comentário que não foi em entrevista, mas me foi dito pelo próprio em off. E muito menos quem é esse nome. Como diz a amiga e colunista social Beth Passos: “não revelo nomes em off, nem sob tortura”.

Prejuízo à campanha

Quem está coberto de razão sobre esta questão de vice é o presidente do PP, José Bestene, ao achar que, a discussão este ano é inoportuna e que deveria ser deixada para 2018. Minha opinião: o Zeca está correto. O que se vê é uma forçada de barra por nomes que não acrescentam nada na chapa. Vice não se impõe com faca no pescoço, vice não se lança, vice é composição, passa por um perfil e tendo como a última palavra o próprio candidato ao governo. Um nome imposto como vice é confusão certa durante quatro anos.

Mania que virou patologia

O deputado Jenilson Lopes (PCdoB) vai terminar o seu mandato como o deputado que mais apresentou requerimentos para a realização de sessões solenes para prestar homenagens e tentar pescar alguns votos. Ontem teve mais uma da sua lavra. A mania virou uma patologia.

Vale por dez discursos

O deputado Heitor Junior (PDT) conseguiu numa parceria entre a secretaria de Saúde e a APHAC trinta exames mensais gratuitos de elastografia hepática para portadores de hepatites. Cada exame custa 500 reais no particular. Parceria nestes termos já tem com a PMRB para quinze exames mensais. São exames exigidos para que o paciente possa tomar os novos medicamentos. Conseguiu ainda que, quem fizer o exame particular com o Dr.Martoni pague 300 reais. Este tipo de ação visando os mais carentes, vale mais do que dez discurso na ALEAC.

Pulou antes do tombo

O deputado Jesus Sérgio (PDT) pulou da canoa que ia cair no tombo da cachoeira, no momento certo. Desistiu de ser candidato a uma vaga na Câmara Federal e disputará a reeleição. A sua chance de se eleger deputado federal seria mínima. É Jesus, mas não é o da Bíblia.

Parado que nem redemoinho na água

Foi a expressão usada pelo deputado Lourival Marques (PT), presidente da CPI da SEHAB, sobre o andamento dos trabalhos. Eu esperava que por ter dois deputados da oposição, Eliane Sinhasique (PMDB) e Gehlén Diniz (PP) esta CPI era do vera. Enganei-me!. É de brincaderinha.

Mais prático e bonito

Como já se vão 90 dias e nada foi feito ficaria mais bonito aos seus integrantes acabar com a CPI. Que, aliás, só existiu mesmo no nome. Que ponham logo no forno esta pizza sem sal.

Nada pessoal

O deputado Raimundinho da Saúde (PODEMOS) disse ontem sobre nota da coluna de que, não existe nada de pessoal contra o secretário Gemil Junior, mas contra alguns pontos da sua gestão. E esclareceu que, não foi eleito para esconder os erros do governo, mas para cobrar.

Não sei o que vai dizer

O diretor do DERACRE, Cristovão Pontes, não sei o que vai dizer na zona rural para pedir votos a deputado federal, porque a atuação do órgão foi pífia na sua área de atuação A questão é que entregaram uma pasta complexa para este rapaz e não lhe deram recursos para trabalhar.

Acaba com a boca rica

Alguns deputados que são contra o “Distritão” é porque querem manter a patifaria existente na legislação eleitoral de que, quem tem menos votos pode se eleger e o mais votado ficar fora.

Torcida do contra

O deputado Jonas Lima (PT) engrossou o coro dos que acham que pela vagareza do DNIT a BR-364 será fechada no pique do inverno. Voltou a sair na defesa dos caminhoneiros recusarem frentes do DNIT, por que o que ganham mal dá para pagar o óleo.

Tapetes mágicos

O vereador Emerson Jarude (PSL) questionou uma compra de um lote de tapetes para ornar o gabinete civil da PMRB, por ser desnecessário, num momento de crise econômica e a cidade com muitos buracos. O prefeito Marcus Alexandre agiu certo em cancelar a licitação. Não era prioritário. Restou uma dúvida: pelo preço unitário alto, os tapetes eram voadores?

Prego sem estopa

Será natural que o ex-prefeito Vagner Sales ou o filho Fagner Sales venha a ser o primeiro suplente na chapa do Márcio Bittar ao Senado. Os Sales não costumam dar prego sem estopa.

O problema é que não se compra

Falando em PMDB, esta eu ouvi ontem de um deputado da oposição sobre a candidatura do Márcio Bittar ao Senado: “o problema, Luis Carlos, é que o Márcio se acha o professor de Deus, não tem humildade e que toda oposição é obrigada votar nele. Eu não voto”. Vixe!

Na dependência da legislação

Tudo o que se falar agora em termos de simulação sobre a eleição do próximo ano para deputado estadual e deputado federal não passa de ilação ou exercício de raciocínio. Enquanto não for votada a nova regra da reforma eleitoral tudo não passa de especulação.

Bem fraquinho

A VEJA detonou em uma crítica literária o livro TAC, do jovem Bruno Borges, considerando um “desserviço ao conhecimento”. Nada contra o autor. Falo só da obra. É de fato fraquinha, mal escrita, cheia de citações esparsas, de obviedades e um amontoado de mesmices. Vendeu pela curiosidade que se formou pelo sumiço do autor.

Não comento

Sobre os episódios que envolveram seu desaparecimento não entro nas várias interpretações e versões. Diz respeito somente a ele e à sua família e deve ser respeitado por terceiros.

Como fiscalizar

O governo federal determinou corte no orçamento do Exército. Se as condições nas nossas fronteiras pela ausência das forças federais para fiscalizar a entrada de armas e drogas já eram insuficientes, uma peneira, sem recursos é que ficará pior ainda.

Quanta hipocrisia! Não estamos numa democracia?

Na eleição do próximo ano não teremos candidatos à presidência do país por partidos de esquerda? Por partidos de centro? Que hipocrisia é essa de se arrepiar com a candidatura do Jair Bolsonaro para presidente? Quem concordar com suas idéias vota e quem não concordar

Não vota.

A questão é que defende temas populares como ser contra o aborto, a favor da pena de morte, diminuição da maioridade penal, fim da proibição do porte de armas, o preso terá que bancar o seu sustento trabalhando, fim das invasões de propriedades e etc. São temas que se colocados num plebiscito o povo vota a favor. Por isso a sua candidatura cresce. Todos têm o direito de combater o Jair Bolsonaro, mas jamais de querer impedir a sua candidatura, afinal, nós não estamos numa democracia seletiva. Quem não concordar com suas idéias não vota. Ponto.

Coluna do Crica

O inverno nem chegou e carros já atolam na 364

A BR-364, que estará na pauta dos debates na eleição para governador no próximo ano volta e meia entra em cena com denúncias do deputado Jesus Sérgio (PDT). Ontem, na sessão da ALEAC voltou a denunciar a lentidão dos trabalhos do DNIT e deu um aviso, reiterando falas anteriores: “Recomendo que se evite ir para Tarauacá e Feijó pela rodovia quando formar tempo de chuva, porque basta um leve chuvisco para os carros ficarem atolados, como vem acontecendo, até quando ocorre um sereno mais forte. A tendência é a BR fechar no inverno”. O parlamentar, que mora em Tarauacá e faz viagens rotineiras para o município, diz que a sua torcida não é pelo quanto pior melhor, mas sim que se faça um serviço bem feito, pois, beneficiaria todos os seus moradores. Jesus (foto) vê como mais preocupante a falta de pedras nos canteiros, que não existem no Acre e têm que ser buscadas fora do Estado, isso demora e o inverno começa a dar os primeiros sinais. Lamenta que tenha feito queixas ao DNIT e deu em nada. Ninguém se admire se o tráfego na BR-364 for interrompido na época das chuvas, alerta Jesus Sérgio.

Pagar miséria

O deputado Jonas Lima (PT) entrou por outro viés do debate apontando outro problema, o de que as empresas que possuem caminhões não querem fazer fretes para o DNIT, porque este paga um preço que não compensa. Jonas perguntou pela imprensa que não critica o descaso.

Opinião pessoal

Não sei se é isso o que deputado Jonas Limas (PT) fala, porque é dono de caçambas e pode estar defendendo causa própria, mas que com as primeiras chuvas veículos ficaram atolados é verdade, inclusive, um que vinha com políticos da oposição. O deputado Jesus Sérgio não mentiu.

Não basta os bajuladores?

O deputado Jonas Lima (PT) equivoca-se quanto ao que chama de “silêncio da imprensa” sobre a morosidade dos trabalhos na BR-364, pois tem dado voz às denúncias. Não pode e ficar bajulando o PT, para isso existe um batalhão de jornalistas contratados e pagos para este fim.

Política do desgaste

O que o deputado Raimundinho da Saúde (PTN) faz com o secretário de Saúde, Gemil Junior, deixou de ser crítica para virar um caso pessoal e político. O fato do Gemil está listado como possível candidato a deputado tem motivado esta guerra pessoal contra o secretário.

Estranho na área

A Saúde tem sim uma série de falhas pontuais, isso não se pode esconder e tem de ser debatido. Nisso o deputado Raimundinho tem razão. Mas o que tornam mais constantes e virulentos os seus ataques é o fato do Gemil disputar votos no seu nicho eleitoral, a Saúde.

Apertando o cerco

O prefeito Marcus Alexandre resolveu apertar o cerco contra os buracos com uma operação que envolve diretamente 200 homens e 58 máquinas. Lembre-se que Rio Branco viveu o pior inverno dos últimos 40 anos. Ou aumentava as frentes de serviços ou não daria conta de tapar.

Saiu da lona

A presidente do SOLIDARIEDADE tirou o partido de uma pasta e está conseguindo dar vida orgânica à sigla, no Acre. A nova direção do SD será empossada amanhã pelo dirigente nacional Paulinho da Força. A Márcia Bittar pode dizer hoje que o SD saiu da obscuridade.

Não tem explicação

Quando se trata de concursado toda contratação feita pelo governo tem que se aplaudir. Mas não se pode deixar de criticar quando no auge de uma crise econômica o governo contrata 29 cargos de confiança, entre eles, três filhos de um ex-deputado federal. O deputado Nelson Sales (PP) não deixou passar este flanco aberto e fez a denúncia na ALEAC, sem contestação.

Prioridade é a segurança

A prioridade hoje é a melhoria da Segurança para combater a violência, não existe nada mais urgente que a população clame: cargos de confiança no quase início da reta final de governo é uma medida que não existe como justificar de forma pragmática. E nem pelo custo e benefício.

Não combinou com os coturnos

Em Manuel Urbano aconteceu. Em Feijó teve o Festival do Açai. Portanto, essa desculpa da prefeita de Tarauacá que o município não terá o seu Festival de Praia por causa da violência é estranha. Antes de anunciar não teve o cuidado de consultar o comando da PM, no município.

Desmentida duplamente

A prefeita Marilete Vitorino foi desmentida duplamente pela PM e Polícia Civil. O Delegado de Tarauacá, José Obetânio, também negou contato da prefeita e diz que, as forças de segurança estão pronta s para garantir a ordem se houver o Festival de Praia. E agora, como fica a prefeita Marilete? Ficou muito mal para a sua imagem a desculpa que deu para esta questão.

Sem atropelos

Mesmo o seu nome estando como pré-candidato ao governo, e o deputado Daniel Zen (PT), sendo o presidente regional do partido, ainda assim vem conduzindo com imparcialidade as plenárias onde acontecem os debates para o governo entre os nomes da FPA.

Poderia ter jogado aberto

A prefeita Marilete Vitorino poderia até ter jogado aberto e revelado que a prefeitura não tem dinheiro para bancar a festa; se fosse o caso, mas essa desculpa da violência foi esfarrapada. Não ficaria feio como ficou para a sua imagem.

Hora das sugestões

É um direito sagrado do deputado Gehlen Diniz (PP) criticar o aumento da violência, no Acre, um fato público e notório. Mas chegou a hora de relacionar algumas sugestões para atacar o problema, quando for fazer suas costumeiras denúncias na tribuna da ALEAC. Só a crítica?.

Rodovia dos buracos

É preciso muito cuidado para quem trafega na rodovia para Brasiléia. Virou um festival de buracos. Mortes já aconteceram. Espera-se que o DNIT entre em ação e evite novos acidentes.

O roque amofinou

O vereador Raimundo Neném (PHS) diz que sua candidatura a deputado estadual depende do seu Pastor. Égua, eu pensei que quando alguém se candidata a um mandato eletivo é por convicção, não por ordenamento religioso. Para ele, a direção do PHS é zero e quem manda no seu mandato é o seu Pastor. Já tive mais fé no Manoel Roque no comando do PHS. Amofinou!

Qualifica o debate

Caso venha se confirmar a candidatura do advogado Sanderson Moura a senador pelo PTC, o seu nome no cenário da disputa tornará o debate mais qualificado. Vejo sempre com alegria quando pessoas de qualificação entram na política, como é o caso do Sanderson.

Mais que obrigação

A secretaria de Segurança tem mais que obrigação de redobrar os esforços para prender e jogar no RDD os bandidos que atiraram na jovem Tailine lhe deixando paraplégica. A guerra não é mais entre facções, já atingem pessoas de bem, como esta jovem. Descontrolou de vez!

Não pode faltar

Está faltando medicamentos para transplantados. Isso não pode ocorrer num setor que é a menina dos olhos do governador Tião Viana. São medicamentos imprescindíveis à vida.

Com a bancada federal

A palavra está com a bancada federal. Para o Rio de Janeiro foram liberados 72 milhões de reais para a Segurança. Para o Acre, nada! Nesta hora não se deve pensar em partido, mas em proteger as famílias de bem do Estado. É pressionar o Temer, principalmente, os que votaram contra o pedido para ser processado no STF.O deputado Eber (PSDC) lembrou bem o fato.

Não façam

Nada contra o bom presidente da Federação de Futebol do Acre, Antonio Aquino. Foi um feito construir o FLORESTÃO. Mas não se marque mais jogos decisivos para o local, sem o mínimo de conforto, sem estacionamento mais acessível, enfim, um castigo para o torcedor acreano.

Um nome na campanha

O ex-deputado José Bestene (PP) me disse que a sua candidatura a uma vaga na Assembléia Legislativa é fato decidido. Tem cacife na manga: foi um bom deputado e um dos melhores presidentes da Assembléia Legislativa. O Zeca conhece os caminhos da pedras das campanhas.

Não pode ficar só

No campo esportivo foi de onde saiu a boa notícia desta semana, com o acesso do Atlético Acreano à Série C. Foi um título conquistado sem a ajuda do governo e da prefeitura da Capital. Quando falo em ajuda falo em ajuda substancial. Outro fato a se exaltar é que a grande maioria dos jogadores é prata da casa. Se espera que na Série C, um campeonato com melhores times, o governo tenha a sensibilidade de ajudar o Galo a reforçar o time atual com importações para se tentar chegar na Série B. Não basta enaltecer, o governo tem que ajudar financeiramente, afinal, o Galo representa o Acre nas competições nacionais. E isso é muito.

Coluna do Crica

Fora da Lava Jato, um alívio político

A decisão da presidente do STF, Ministra Carmén Lúcia, de tirar o governador Tião Viana e o senador Jorge Viana (PT) do processo da Lava Jato foi um alívio jurídico, principalmente, para o senador Jorge Viana (PT) –foto – que não mais disputará a reeleição com a pecha de ser um dos investigados da operação que levou empresários e políticos à cadeia. O interessante é que o pedido de exclusão partiu de iniciativa da PGR. O caso de ambos vai agora para as mãos do Ministro do STF, Gilmar Mendes, mas para ser investigado apenas como suposto crime eleitoral de recebimento de recursos para suas campanhas, cujos valores foram declarados para a justiça eleitoral. Ter o senador Jorge Viana como investigado pela Lava Jato era um trunfo que seria usado pelos seus adversários ao longo da disputa do Senado, e não haveria como se defender. Jorge Viana aparece em todas as pesquisas liderando a corrida ao Senado.

Um nome polivalente

Perguntei ontem ao senador Jorge Viana (PT) se a vice-governadora Nazaré Araújo (PT) seria a sua primeira suplente. Escorregadio como um candiru, respondeu: “a Nazaré tem competência para ser governadora, vice-governadora de novo e me honraria como suplente na chapa do Senado. Só não pode ficar fora do processo político”. Concordo com as três alternativas.

Sem as regras se fica na especulação

Enquanto não for definido se haverá mudanças na podre lei eleitoral para valer em 2018 ou se vai continuar a atual legislação que favorece a corrupção eleitoral, não se pode nem fazer projeções das chapas para as disputas de deputado federal e deputado estadual.

Golpe de mestre

O deputado federal Major Rocha (PSDB) deu um golpe de mestre em abrir mão de disputar o Senado na “defesa da unidade da oposição”. Com isso se credenciou na cúpula da oposição para ter voz ativa na composição majoritária e é hoje uma das figuras mais próximas do candidato ao governo.

Ato isolado

Não costumo publicar nada neste espaço por emoção. Conversei com três amigos que estavam no restaurante universitário no dia que o senador Gladson Cameli (PP) supostamente foi vaiado. Ao bem da verdade não houve “vaia em massa”. Apenas um ato pontual de um moço que subiu em cima de uma mesa (um restaurante!) e passou a atacar Temer, Gladson e etc. Fora isso não houve nada que possa ser registrado como uma repulsa coletiva dos presentes.

Nada escapa nos bastidores

A notícia ficou em um ambiente restrito. Mas alguns integrantes do grupo dos “cuecas apertadas” do PT chegaram a defender a idéia de que em abril do próximo ano, a vice Socorro Nery renunciasse junto com Marcus Alexandre. Idéia tosca logo repelida pela cúpula petista.

Linha natural

Com a renúncia de Marcus Alexandre em abril próximo, a vice Socorro Nery é quem assume em definitivo o mandato de prefeita da Capital. Só renunciaria por decisão pessoal. Nery é uma moça equilibrada o bastante para manter os compromissos da coligação que a elegeu.

Cara própria

Dois pontos: se quiser ser lembrada na história política, quando assumir, tem que dar a sua cara e voz à gestão, para não ser mera continuidade da atual gestão ou vira uma marionete.

Tomando forma

O vice na chapa do senador Gladson Cameli (PP) ao governo tem o seu perfil pronto. Alguém com passagem pela política, mais velho do que ele, larga experiência administrativa e, respeitado na sociedade. Além de ter a confiança plena do candidato. Nome do santo? Depois!

Meras especulações

Os nomes veiculados até aqui são meras especulações, que normalmente são lançados para serem queimados no decorrer do processo. É um anúncio que fica somente para 2018.

Diferença que continua

E continuando falando de política, o que permanece fazendo a diferença para os petistas em relação à oposição é que são organizados na pré-campanha e na campanha. Há divergências naturais, mas não se tornam públicas, como acontece normalmente na oposição.

Uma obra atrás da outra

O que se tem notado no prefeito Marcus Alexandre é que toda semana inaugura uma nova obra que lhe dá visibilidade política. Acaba de inaugurar uma Praça com quadra de areia no bairro Bahia Nova. E tem feito peregrinações pelos municípios, ampliando os seus espaços políticos. Já está aos poucos armando suas estratégias para a disputa do governo.

A fala de um cacique

Em recente conversa com um amigo, o deputado federal Flaviano Melo (PMDB) considerou que, mesmo a oposição tendo um bom candidato ao governo será uma eleição dura contra o PT, pela sua organização e também por se encontrar no poder. Não tem eleição ganha para ninguém. Flaviano é um dos que melhor faz a leitura política dentro da oposição.

Tese tola

É uma tolice sem tamanho se pensar que alguém pode ser senador só porque entrou num partido grande. Ajuda, sem dúvida, mas não é decisivo. O que decide eleição majoritária é a empatia do candidato com o eleitor. Ainda porque o voto não dono.

Não é política

Qualquer mãe ou pai lutaria para que um filho com problemas de saúde tivesse o melhor atendimento possível na rede pública de saúde. Respeitem o seu momento! A minha solidariedade à ex-prefeita Toinha Vieira por tentarem misturar política com seu drama.

Fora do PEN

Caso o deputado federal Jair Bolsonaro saia candidato à presidência do país pelo PEN, as coligações com o PT estariam vetadas. E neste caso o presidente regional do PEN, Jamil Asfury, teria de deixar o partido para não se aliar à oposição. Jamil ficou sem alternativa política.

Repondo a verdade sobre a Zona Franca

O projeto que cria a Zona Franca de Cruzeiro do Sul é de autoria do deputado federal Major Rocha (PSDB) e não do deputado federal Alan Rick (DEM), como foi noticiado. O Alan apenas apresentou um “substitutivo” ao projeto, que foi relatado pela deputada federal Jéssica Sales (PMDB). A reação do deputado federal Rocha foi dura: “como é que se tem a cara de pau de pegar um projeto que não é seu e passar para a imprensa como se fosse da sua autoria? Como é que alguém com este comportamento pensa em ser candidato a vice-governador? Jamais!”.

Vaga garantida

A primeira suplência do candidato ao Senado pelo PMDB, Márcio Bittar, será indicada pelo ex-prefeito Vagner Sales, que tanto pode ser ele como o filho Fagner Sales. Ficará em casa.

Três possibilidades

Uma excelente fonte do PT me passou que a indicação do vice na chapa da FPA ao governo orbita em torno dos nomes de Nazaré Araújo (PT) e Emylson Farias (PDT), com o César Messias (PSB) de Stand By. Não esperem que a escolha venha pelo conjunto de partidos da FPA.

Cota pessoal

Nada mais natural que este nome saia da cota exclusiva do governador Tião Viana.

Galo de briga

Não podemos deixar de registrar a conquista do acesso à série C pelo Atlético Acreano. E dar um mérito especial ao técnico Ariosto Miguéis de montar um time competitivo com prata da casa. O torcedor compareceu em massa, mesmo o jogo sendo no desconfortável Florestão.

Composição inevitável

O senador Sérgio Petecão (PSD) tem que amarrar uma aliança de votos com o grupo do deputado federal Major Rocha (PSDB) para a disputa do Senado, para lhe fortalecer. Seguro morreu de velho!

Tudo muito nebuloso

Primeiro vamos ver quem da bancada federal do Acre terá a desfaçatez de aprovar um Fundo Partidário de 3 bilhões e 600 milhões de reais para ser distribuído entre os partidos. É uma afronta aos milhares de desempregados e um tapete vermelho estendido para a prática de corrupção pelos dirigentes partidários. Vai ser aprovado o Distritão? A Cláusula de Barreira? Ou continuará a mesma patifaria com coligações proporcionais e companhia limitada? Está tudo ainda muito nebuloso. Do atual Senado e da Câmara Federal pode se esperar tudo, desde que seja para o benefício próprio dos seus integrantes, não mudando nada na atual legislação

Coluna do Crica

Em nome da unidade, Rocha recua do Senado

O deputado federal Major Rocha (PSDB) admitiu ontem que, na defesa da unidade da chapa do Senado da oposição poderá rever a sua candidatura a senador. Para Rocha (foto) é importante que os oposicionistas tenham apenas duas candidaturas a senador para ganhar uma das duas vagas. Ou até as duas. Avalia que, com mais de duas candidaturas favorece a que o PT possa a eleger os seus dois candidatos ao Senado. A coluna tem informação de que o PSDB será uma peça importante na indicação do candidato a vice na chapa majoritária da oposição. Nesta empreitada o PSDB teria o apoio do PSD. Juntos tornam-se uma força importante e essencial na campanha. Neste caso, Rocha sairia candidato à reeleição. Tudo caminha para que a chapa a ser declarada oficial para o Senado seja formada por Sérgio Petecão (PSD) e Márcio Bittar (PSDB). A tendência que restará ao DEM será lançar Tião Bocalon para a Câmara Federal e Alan Rick para a reeleição. O jogo caminha neste sentido.

Candidatura liberada

Quem apostava que a família do senador Gladson Cameli (PP), principalmente, o pai Eládio Cameli, não aprovaria a candidatura ao governo, perdeu a aposta. A coluna tem informação que, em recente reunião familiar, em Manaus, a candidatura foi avalizada por unanimidade.

Terminou prevalecendo

O senador Jorge Viana (PT) mostrou força ao impor com os mais diversos argumentos a candidatura ao governo do prefeito Marcus Alexandre, que era uma espécie de “Plano B” da cúpula palaciana. Jorge é quem tem marcado reuniões no interior para projetar o Marcus.

Passa ser essencial

Uma vitória de Marcus Alexandre ao governo teria essencialmente de passar por uma boa votação nos municípios do interior, Jorge Viana (PT) sabe disso e trabalha neste sentido.

Apoios confirmados

O Pastor Agostinho da IBB tem reafirmado toda vez que encontra o governador Tião Viana que, em hipótese alguma, apoiará um candidato ao governo pela oposição. A sua chapa deve ser Marcus Alexandre para governador, Gemil Junior à ALEAC e Alan Rick (DEM) a Federal.

Concordando em tese

Concordo em tese que a violência não se resolve só com polícia. Isso só se aplica às novas gerações! Mas não a essa geração das facções que está se matando, para essa o saber não tem importância, porque a linguagem que conhecem e a das drogas e das armas e a polícia não pode enfrentar essa turma com um ramalhete de flores nas mãos. Não sejamos hipócritas! Os que criticam a ação policial são os primeiros a ligar para a polícia quando são vítimas.

Segundo voto

O deputado Ney Amorim (PT) está indo pelo caminho certo de costurar o segundo voto da oposição, porque sabe que, dificilmente, haverá uma unidade entre os seus candidatos ao Senado. A cada dia conheço mais político da oposição que terá o Nei como segundo voto.

Voz sensata

A voz mais sensata que ouvi até agora nesta questão do vice da oposição foi a do experiente ex-deputado José Bestene (PP) de que não é o momento para colocar o assunto em pauta.

Vice não se impõe

Vice não é como uma candidatura proporcional que passa pela decisão pessoal de ser ou não candidato. Ninguém é vice pelo capricho pessoal. Nem por imposição. Vice passa pela empatia com o candidato a governador por ter experiência que possa dar uma contribuição ao governo.

Fora dos partidos

Um vice pode muito bem ser buscado num nicho sem militância partidária. Vejam o caso do Lula que, foi buscar no empresário José Alencar o seu vice e que muito contribuiu pela sua vivência administrativa e experiência de vida, para aconselhar a mudança de rumos.

Se bem souber

O PP se bem souber deve centrar toda a sua força na candidatura a Federal do deputado Nelson Sales (PP), porque se for nesta de lançar várias candidaturas, nem mel e nem cabaça. Quem trabalha bem nestes casos é o PCdoB, que lança apenas um nome à Câmara Federal.

Comparação idiota

Outro dia estava lendo uma postagem em que o autor fazia uma análise de que pelo fato da Perpétua Almeida (PCdoB) não ter sido eleita senadora não ganhará para deputada federal. Comparação idiota! Para Federal é outra eleição. É sim muito competitiva ao mandato.

Teto para Federal

O PCdoB não tem teto para eleger senador ou governador porque não depende somente dele. Mas para eleger um Federal tem teto suficiente. Elegeu a Perpétua em dois mandatos.

Na política tem que se ter lado

Crítica pode ser feita a qualquer político. No caso do candidato a deputado federal Eber Machado (PSDC) ter feito defesas calorosas do governador Tião Viana e do secretário de Segurança, Emylson Farias, foi um ato político, o Eber é da FPA e é por onde disputará. O criticável é quando o político não tem posição e se fica rodando igual biruta de aeroporto.

Caminho livre

Mais de sete meses depois da sua posse, com muito trabalho, enfim, a prefeitura de Brasiléia está adimplente junto aos ministérios e outros órgãos federais e pode receber recursos. Para isso, a prefeita Fernanda Hassem teve de segurar as rédeas, não abrir a porteira para contratações graciosas e gastar só com o essencial. Tem agora o caminho livre para deslanchar.

Melhor escolha

A publicitária Charlene Lima (PTB) não poderia ter feito uma melhor escolha de que a de ser candidata a deputada pela oposição, onde fica muito mais fácil de conquistar espaços. Na FPA os espaços funcionam ao estilo de cartas marcadas, cada um tem o seu lote político definido.

Fora da política

O ex-governador Binho Marques está completamente fora da política, fixou moradia em Brasília e rara é a vez que vem ao Acre. Mesmo no governo o Binho não era afeito à atividade partidária. Tanto é que saiu do governo bem avaliado e não quis prosseguir na carreira política.

Não dá para entender

O Alto Acre tem votos que podem ser decisivos em uma eleição. Mas parece que não é visto com bons olhos pelas principais lideranças da oposição. Virou o primo pobre. Depois que o ex-prefeito Aldemir Lopes saiu de cena, não apareceu outra liderança do seu porte.

Opção é a reeleição

Com a decisão do deputado federal Major Rocha (PSDB) sair da disputa do Senado e tentar a reeleição, o caminho do deputado Luiz Gonzaga (PSDB), que estava de olho na Câmara Federal será a disputa da reeleição. E diga-se que, Gonzaga vem sendo um bom parlamentar na ALEAC.

Para onde irá a Nazaré?

Era a pergunta que corria ontem em uma roda sobre a vice-governadora Nazaré Araújo. Será chamada a compor na chapa da FPA ao governo como vice novamente? Irá disputar um mandato? Sairá da política? De concreto é que a Nazaré é um quadro muito preparado do PT.

Modelo de vice

Nazaré Araújo vem sendo um modelo como vice-governadora, não foi empecilho nenhum à continuidade das ações do governo quando assumiu por várias vezes o cargo.

Os votos estão nos grotões

O senador Sérgio Petecão (PSD) sabe que os votos dos grotões podem ser decisivos. Por isso arrumou as trouxas e se mandou para fazer campanha na região de Tarauacá e Feijó. Petecão tem sido um dos candidatos ao Senado que mais percorreu os municípios do interior.

Não tirem de tempo

Por isso é bom não darem a candidatura do senador Sérgio Petecão (PSD) como fora do páreo. O Petecão pode até não agradar as elites, mas fala a linguagem que o povo gosta de ouvir.

Tudo o que quer

Alguns petistas terem como esporte bater na deputada Eliane Sinhasique (PMDB) é tudo o que ela quer para se reeleger. Quanto mais for reforçado o seu antagonismo ao PT, melhor para ela. E ser vítima, na política não tem nada melhor durante uma campanha.

Bananas do mesmo cacho

O ex-deputado federal Márcio Bittar (PMDB) terá que ter propostas claras para defender durante a sua campanha ao Senado. Simplesmente dizer ser contra o PT não é bandeira. Atacar moralmente o PT, também não! Muito menos a esquerda! Até porque o seu PMDB é irmão siamês do PT no desastre que levou o Brasil ao fundo do poço. Afinal, os timoneiros do afundamento econômico do navio Brasil foram a presidente Dilma e o vice Michel Temer. O PMDB atacar o PT e vice e versa é a velha história do sujo falando do mal lavado. Estão umbilicalmente ligados na Lava-Jato. Não tem como um ficar colocando culpa no outro, são bananas do mesmo cacho. Por isso é que o Márcio precisa criar um discurso de projetos.

Coluna do Crica

Jogando tudo em 2018

O PT vai com tudo em 2018 para assegurar a continuidade no poder. Dois motivos básicos nortearão o partido na campanha. Se o candidato ao governo a ser lançado for derrotado uma legião de petistas que há duas décadas ocupam cargos de confiança estarão no olho da rua. A maioria tem outro emprego, mas com salário bem inferior ao que recebem nas secretarias do governo. E não terá como serem abrigados na prefeitura de Rio Branco, que está com seu espaço de cargos comissionados saturado. Além de que, o governador Tião Viana não vai querer ser o governante que perdeu a eleição e tirou o PT do poder. Se isso ocorrer, muitos dos que o paparicam hoje estarão esbravejando contra ele. Sem falar que, quem ganhar vai querer fazer uma devassa nas contas governamentais. A eleição de 2018 será a mãe de todas as batalhas para o PT. Não esperem um Tião Viana passivo na campanha, mas aguerrido. E por tudo isso a oposição não espere uma eleição fácil, mesmo com um bom candidato ao governo.

Gato escaldado……..

Um amigo parlamentar do PMDB fez ontem, pela manhã, o seguinte comentário sobre a entrada do Márcio Bittar no partido, para ser candidato a senador. “O medo é que ele faça como na primeira vez: assim que se elegeu deputado deixou o PMDB. E que sendo senador, queira tomar o PMDB do Flaviano Melo, como tentou fazer com o Rocha, no PSDB”.

Questão de honra

O PRB está recompondo os seus diretórios no interior, com filiações estratégicas, para ancorar a candidatura a deputado federal do vereador Manuel Marcos (PRB). A direção nacional do PRB colocou a eleição de Marcos como prioritária no mapa nacional e como questão de honra.

Bagatela financeira

Os deputados aprovaram na comissão da Reforma Política uma verba de 3 bilhões e 600 milhões de reais para custear as campanhas dos partidos em 2018. Com uma decisão deste naipe vergonhoso ao que parece a Lava-Jato não está servindo de exemplo para essa turma.

Livre para mudar

Como o vereador Carlos Juruna foi eleito pelo PSL dentro do contexto de aliança com a FPA, a quebra desta aliança lhe dá a garantia jurídica de mudar de partido sem perder o mandato.

A questão é esta

Resta saber que partido vai querer o vereador Carlos Juruna, que ainda está com o mandato na pendura, condenado criminalmente e com grau de recurso em instância superior.

Recuso discutir à luz de religiões

Não entro no debate sobre a liberação da maconha, tema defendido pelo deputado Daniel Zen (PT), no contexto do radicalismo religioso, a discussão deve ser no âmbito da saúde pública.

Falta de argumentos

Querer discutir à luz da religiosidade, respeito, mas me recuso a entrar por este viés.

Fenômeno climático não tem partido

No governo Dilma o Rio Madeira não teve uma seca e uma cheia recordes e houve o desabastecimento no Estado? Não vi ninguém do PT culpando a Dilma. Como o Rio Madeira caminha para outra seca recorde, a culpa é do presidente Temer?. Sejamos ao menos inteligentes nas críticas. O debate pode ser político, mas em cima de fatos reais.

Meu bolso primeiro

A parte mais dolorida do corpo humano é o bolso. O Diretor Pedro Longo deve ter pensado nisso, porque se permanecesse no PSL, com este na oposição, seria demitido do DETRAN.

Deve ter levado uma chamada

Como o presidente do PHS, Manoel Roque, não falou mais nada sobre a candidatura a senador do empresário Jarbas Soster (PHS) foi por, no mínimo, ter sido chamado na catacra pelo militante Cesário Braga (PT), para cessar com a graça de uma nova candidatura ao Senado.

Chance pequena

Ainda porque a chance de sucesso da candidatura de Jarbas Soster ao Senado seria mínima.

Secretarias loteadas

O PT já definiu que secretária estadual apoiará cada candidato a deputado estadual, para um não entrar na área do outro. O método funciona para os cargos de confiança do governo e PMRB. PT só apóia o PT. Os demais parceiros da FPA, não esperem nenhuma ajuda do poder.

Questão da DNA

Os dirigentes do PT têm no DNA nunca cumprir o que prometem aos seus aliados. Aos dirigentes dos partidos nanicos só resta lamuriar, porque para brigar por tratamento igualitário no poder teriam que entregar os mixurucas cargos dos familiares.

Prazo de validade

Os dirigentes maiores do PT só cumprem parcerias durante a campanha política. Cumprir palavra é coisa muito rara entre eles, de se contar na palma de uma mão os que diferem.

Raimundinho da família

Não dou a autoria por não me lembrar quem fez o comentário cômico no Face: “o deputado Raimundinho da Saúde deveria chamar-se Raimundinho da Família”. É uma alusão por ter o parlamentar empregado toda a família em cargos de confiança no governo.

Festa vermelha

Neste sábado, em Brasiléia, tem plenária do PT com os quatro pré-candidatos a governador pela FPA, Daniel Zen (PT), Marcus Alexandre (PT), Emylson Farias (PDT) e Nazaré Araújo (PT). A anfitriã, prefeita Fernanda Hassem, prepara a uma grande festa para o ato político do PT.

O jogo não começou

O deputado Ney Amorim (PT) tem usado como estratégia os bastidores. Sabe que não é chegada a hora de colocar a campanha na rua, o que deve acontecer quando for definido de forma oficial quem será o candidato a governador da FPA.

Campanha aberta

Falando nisso, o senador Jorge Viana (PT) colocou o prefeito Marcus Alexandre debaixo do braço e caiu no mundo fazendo campanha. Jorge é o maior defensor da sua candidatura ao governo.

Fim do ganha pão

Muitos dirigentes dos partidos nanicos esperavam a eleição para montar uma chapa grande e com isso conseguir dinheiro de quem ocupa o poder sob o argumento de “bancar a campanha”. Vi neguinho pegar de 400 mil reais. Com o “Distritão” acaba com essa boquinha.

Caiu o vice

Caiu também na comissão que elabora o novo projeto de Reforma Política, a figura do vice. O vice é um cidadão ou uma cidadã que só tem o seu voto e acaba sendo presidente, prefeito ou governador. Todo mundo para ocupar um mandato tem de ser votado pessoalmente.Mas depois voltaram atrás e retornou a figura do vice.

Fase de apresentação

O ex-prefeito Vagner Sales tem sido o cicerone de apresentação nos diretórios do PMDB do Márcio Bittar, como o candidato a senador pelo partido. Márcio já foi deputado estadual pelo PMDB e saiu sem avisar assim que se elegeu. Este é o temor que ronda alguns peemedebistas.

Rondas políticas

Enquanto o prefeito Marcus Alexandre (PT) toma o rumo de Brasiléia, neste sábado, uma caravana de políticos com o senador Gladson Cameli (PP) foi para Feijó e Tarauacá. São as pré-campanhas que estão a todo vapor. Um leve ensaio para o que vai acontecer em 2018.

Retomou a maioria

O prefeito de Senador Guiomard, André Maia, enfim entendeu que vale mais o diálogo do que a briga e conseguiu formar uma maioria na Câmara Municipal. Ficará mais livre para governar.

Parece definido

Dentro da oposição parece definido que se terá apenas duas candidaturas a senador, a do Márcio Bittar pelo PMDB e a do senador Sérgio Petecão pelo PSD. Devem brigar por uma vaga, pois, dificilmente, a FPA deixará de eleger um senador. O jogo que está na mesa é este.

Episódios lamentáveis

A mesa diretora da ALEAC deveria selecionar mais os convidados para as sessões solenes. Ontem o que aconteceu no plenário da Casa foi um festival de palavrões nada edificantes.

Vamos seus justos

FHC não fez, o Lula não fez, a Dilma não fez, então se a obra da ponte sobre o Rio Madeira não for concluída até 2018, a culpa também passa a ser do Temer. Não há presidente inocente nesta história que se arrasta há vários governos.

Precisa se reinventar

Na última eleição não teve a votação esperada. O deputado federal Flaviano Melo (PMDB) precisa se reinventar na disputa de 2018, ampliando os seus espaços para garantir a reeleição. Queira ou não a deputada federal Jéssica Sales (PMDB), quebrou os seus votos no Juruá. Mesmo se reelegendo, talvez, seja esta a última eleição disputada pelo velho guerreiro Flaviano Melo, do “glorioso PMDB” do Dr. Ulisses Guimarães, que saiu da glória para o inferno da Lava-Jato. Flaviano foi um bom governador e um bom prefeito de Rio Branco.

Coluna do Crica

FPA perde partido para a oposição

O Juiz Aposentado, Pedro Longo, deu em primeira mão ao BLOG DO CRICA que, junto com seu grupo deixou a direção do PSL, no Acre. Não aceitou a decisão da direção nacional que proíbe em todo território nacional coligações ou apoiar candidatos majoritários do PT. Longo diz ter preferido ser fiel à FPA e ajudar o candidato petista ao governo e os dois candidatos a senadores pelo PT. Não disse ao BLOG em qual partido deverá se filiar, mas existe possibilidade de voltar ao PV. A direção regional do PSL deverá ficar com o empresário Rodrigo Pires, ligado ao grupo oposicionista do Movimento Liberal. Pires também é próximo ao vereador Emerson Jarude (PSL). Por ser muito ligado ao prefeito Marcus Alexandre, o vereador Carlos Juruna não ficará no PSL, como houve mudança de programa, a lei permite que se filie a outra sigla sem problema. A reviravolta atinge também o ex-deputado federal Henrique Afonso, que entrou no PSL via Tião Viana para ser candidato na aliança da FPA.

Não se negocia com a faca no pescoço

Sempre cito o ex-prefeito Tião Bocalon como um político honrado. E é sem dúvida. Mas foi infeliz ao extremo, cometeu um deslize que deixou no ar um cheiro de chantagem barata (creio até não ter sido a intenção, talvez de aglutinar, mas foi a imagem que passou à opinião pública), ao declarar que, só desiste de sua candidatura ao Senado se o deputado federal Alan Rick (DEM) for o vice-governador na chapa da oposição. A pressão trouxe também algo negativo à boa imagem do Bocalon (foto), a de que a sua candidatura a senador é negociável. Não é por convicção. O candidato a governador que aceitar decidir a escolha do vice com a faca no pescoço começa a campanha sem nenhuma moral para contrapor a novas pressões se ganhar o governo, também vai ter que funcionar sob ameaças. Na porteira que passa um boi passa uma boiada. Vaga em chapa majoritária, principalmente, de vice-governador, não pode nascer nunca sobre a égide da barganha, e tem que sair não só do consenso de um partido, mas, principalmente, da confiança extrema de quem vai governar, para no futuro não se arrepender. Num governo, diz uma máxima: o motorista oficial e o vice-governador jamais podem ser escolhidos por terceiros. Se assim não for, se dormirá quatro anos com o inimigo.

Mais uma vez

A questão é que o Tião Bocalon (DEM) mais uma vez costurou mal as alianças e ficou isolado dentro da oposição. O PSDB o abandonou e hoje faz parceria política com o PSD. Ou seja, se quiser disputar o Senado terá que ser somente com o DEM, o que será um suplício.

Não tem força política

E no contexto da escolha do nome do candidato a vice pela oposição o deputado federal Alan Rick (DEM) não tem cartas decisivas na manga para jogar. Foi o último colocado para Federal, perdeu o apoio do PRB e da Igreja Universal; e a sua principal escora, o Pastor Agostinho Gonçalves da IBB, apóia o Marcus Alexandre (PT), e é freguês do cafezinho do Tião Viana.

Tempestade no roçado

Ao assistir nas duas últimas sessões o deputado Eber Machado (PSDC) transformar as ações do governo em exemplo para o Brasil e o mundo, um colega que cobre os trabalhos na Assembléia Legislativa, saiu ontem com esta: “não deve ter chovido, deve ter dado uma tempestade no roçado do Eber”. Não entro no mérito, mas foi uma mudança repentina.

Debate mundial

O deputado Daniel Zen (PT) não criou da sua cabeça a discussão sobre a liberalização da maconha, este é um debate de saúde pública que ocorre no mundo, não é invenção sua. Apenas expôs uma idéia. Numa democracia as idéias são livres, aceita quem quiser. Ponto.

Distritão é consenso

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB), disse ser consenso a adoção do sistema “Distritão” para as eleições de 2018. Enfim, uma luz no fim do túnel da Reforma Política.

Lutando pela categoria

A equipe de negociação do governo deveria ver com carinho a luta do deputado Daniel Zen (PT) pela implantação do PCCR dos especialistas em odontologia. O impacto na folha salarial é pequeno e seria uma forma do governo reconhecer o esforço de quem se especializa.

JV não avaliza

O senador Jorge Viana (PT) manda comunicado dizendo que, ao contrário de setores do PT, não aprova o governo Nicolas Maduro e nem o que vem acontecendo na Venezuela. Ainda bem, só porralouca dá aval ao fim das liberdades democráticas naquele país.

No meio do mundo

O senador Jorge Viana (PT) vem de uma desobriga política pelas aldeias indígenas e municípios da região de Tarauacá e Feijó. Promete ampliar o pedido para que as Forças Federais tenham presença efetiva com barreiras nas fronteiras do Acre, para brecar a entrada de droga e armas.

Não funciona, por quê?
Chega a reclamação que o 190 do CIOSP não funciona. Ligar então para quem, para o bandido?

Virou um caso pessoal

O Procurador Rodrigo Janot passa a nítida impressão que virou um caso pessoal e não mais um ato jurídico, esta sua gana de querer a todo custo tirar o Michel Temer da presidência. Virou evidente. Quando se parte para este tipo de vingança particular se perde a razão.

Ser agradável ao Tião Viana

O voto do deputado federal César Messias (PSB) a favor da liberação para que o presidente Temer fosse processado não foi um voto por convicção, mas para agradar o Tião Viana.

Entrevistado do “Tribuna Livre”

O deputado Ney Amorim (PT), um dos candidatos a senador pela FPA será o entrevistado do programa “Tribuna Livre” desta semana, na TV-RIO BRANCO. Dará um bom debate político.

Combinou com o eleitor, Manoel?

O deputado Manoel Moraes (PSB) recebeu ontem na festa do PSB, na ALEAC, a vice-prefeita Socorro Nery (PSB), lhe saudando como “nossa prefeita”. Que mal lhe pergunte, Manoel, já combinou com o eleitor a derrota da oposição?

Engrossando o salário

Foi aprovado ontem na ALEAC projeto que concede oitocentos reais de Auxílio Alimentação e mil reais de Auxílio Saúde, aos servidores efetivos do TCE. Pelo que consta, os Conselheiros ganham muito bem para cobrir os dois custos. Não havendo, pois, motivos às concessões.

Bom Dia, desembargadora Denise Bonfim!

O elevador dos juizados cíveis da Cidade da Justiça, há três meses não funciona, obrigando os advogados a praticarem alpinismo. E o prédio foi inaugurado em dezembro. Vai um pedido dos advogados para que a direção do Poder Judiciário mande consertar urgente a geringonça.

Mas não tinham uma varinha mágica?

O deputado Jonas Lima (PT) fala que a oposição reclama dos prefeitos, mas a sua bancada federal não manda ajuda financeira em forma de emendas. Mas estes prefeitos, quando candidatos, nos palanques, não diziam que, se ganhassem resolveriam todos os problemas?

Pesquisas mentirosas

Os senhores prefeitos que receberem pesquisa os colocando com 80%, 90% de aceitação popular jogue na lata de lixo mais próxima. É alguém querendo agradar. Nem o Papa Francisco tem esta popularidade dentro da Cúria do Vaticano. Portanto, não se enganem.

Loas ao PSB

Não houve debates ontem no Grande Expediente da sessão da ALEAC. O tempo foi destinado aos dirigentes do PSB trocarem elogios, pela passagem de mais um aniversário do partido.

Candidatura confirmada

O presidente do DEPASA, Edvaldo Magalhães, será mesmo candidato do PCdoB a deputado estadual, com uma boa chance de retornar ao parlamento, do qual conhece todos os caminhos. Bom orador, Magalhães será um reforço para a FPA, nos debates da Casa.

Não entrará em pauta

O projeto de aumento da alíquota do Imposto de Renda está fora da pauta do governo federal. Os deputados federais acreanos que dizem ser contra para fazer média, falam para o nada.

Entre os melhores

Uma coisa que não existe na condução da pasta da Saúde é bandalheira. O secretário Gemil Junior é extremamente cioso com a coisa pública. E tem sido sim um bom secretário de Saúde, na medida do possível. Não pode ir além do seu orçamento. Que muita coisa na sua gestão melhorou no sistema, isso é verdade. E tem sido transparente quando procurado pela imprensa. Sempre solícito em dar informações. O que não ocorre com a maioria dos secretários estaduais.

Completamente despropositado

O presidente do PP, José Bestene, está coberto de razão que não é este o momento certo para se abrir uma discussão sobre quem será o vice na chapa de governador do senador Gladson Cameli (PP). Bestene está correto, isso é como colocar a carroça adiante dos bois. Só desgasta.

Cobrança oportuna

É uma cobrança oportuna do deputado federal Léo de Brito (PT) de uma visita técnica da Câmara Federal nas obras da ponte sobre o Rio Madeira. É preciso celeridade do governo federal na liberação de recursos para a obra avançar mais rápido.

.Audiência de Custódia, o legal que parece ilegal

Como formado em Direito sei que os magistrados cumprem a lei, nas Audiências de Custódia. Mas para a opinião pública, que sofre na pele a violência que assola o Estado e para o policial que coloca a vida em risco para prender marginais, a liberalidade desta lei reforça o sentimento de impunidade e o falso axioma que polícia prende e a justiça solta. Dos 14 que foram presos nas últimas operações policiais para combater a onda de execuções, queima de ônibus, de residências, 12 destes, todos com várias passagens pela polícia e respondendo acusações de vários crimes, foram soltos. Dois ficaram presos. O Juiz não fez mais que cumprir a lei. Mas vá convencer a uma população assustada que houve legalidade na soltura! Vá convencer os policiais que arriscam a sua vida! Para a sociedade a justiça é liberal. E é essa a imagem. Coletiva não muda isso. Se a classe política quer dar a sua contribuição no combate à violência deveria dar por um projeto para endurecer as regras das Audiências de Custódia. Aos juízes, não resta alternativa e soltar os que são presos para voltarem a praticar crimes. E não

me venham com a hipocrisia que as prisões estão cheias, porque o sistema prisional é questão do Estado e a ele cabe resolver o problema de superlotação. Com a palavra, os políticos.

Coluna do Crica

Legalização da maconha, debate que não pode ser raso

A defesa que o líder do governo, deputado Daniel Zen (PT), fez ontem na tribuna da ALEAC da legalização da maconha, que passaria ao controle estatal, não pode ser debatido sob qualquer prisma religioso ou por viés radical e raso. Há casos de Estados americanos, onde a maconha foi liberada, que dobrou a tributação estadual. Com o controle da venda pelo poder público, acha Zen (foto) que estaria se dando uma colaboração para o combate à violência, porque atingiria o traficante e o que é hoje um problema de segurança passaria a ser de saúde pública. E joga na mesa o argumento que, com as fronteiras abertas, que é um problema que não foi enfrentado por nenhum dos presidentes, as drogas e as armas continuarão entrando no Acre e as forças de segurança, por mais que atuem, estarão sempre como se diz no popular: enxugando gelo. É um debate que pode ser visto por muitos prismas pelos que são contra. Enfim, é uma discussão que deve ser tratada sem radicalismo e sem o pudor hipócrita. Quem for a favor use os seus argumentos e os contrários da mesma forma. Assim é a democracia.

Nenhuma voz se levantou

Nenhuma voz, da oposição ou da base do governo, se levantou para fazer questionamento.

O fato existiu

A denúncia feita ontem pelo deputado Nelson Sales (PP) de que os bandidos tinham decretado toque de recolher no Bujari não foi fictícia. Tanto que, o prefeito e o comandante do destacamento local da PM se reuniram para traçar um plano. Mas ficou somente na ameaça.

Equipe presente

O secretário de Segurança, Emylson Farias, que em que pese as críticas tem dado respostas prontas às ações das facções, com dezenas de prisões, disse à coluna, direto do Bujari, na noite de ontem que, não tinha ocorrido nada de anormal na cidade. Tudo funcionou normalmente

O pacifista e o desequilibrado

O senador Sérgio Petecão (PSD) se sabe ser um homem de paz. Foi meu colega de peladas no Bancrévea, não é nem de levantar a voz. Fez certo em peitar o virulento senador Lindeberg Farias (PT), na defesa de um colega mais velho. Linderberg é uma figura desequilibrada, ao contrário do Petecão, que é um político de quem não se conhece um episódio de violência.

Um dia encontra

Todo aquele que é metido a ser doido, um dia encontro um mais doido e acaba se dando mal.

Pode virar um imenso atoleiro

O deputado Jesus Sérgio (PDT) voltou ontem a levantar o temor de que no inverno a BR-364 se transforme num imenso atoleiro intrafegável. Para que isso não ocorra, acha que o DNIT tem de colocar mais frentes de serviço ou nas primeiras chuvas o barro posto no trecho vira lama.

Não se trata de torcer contra

Para o deputado Jesus Sérgio (PDT) não se trata de torcer contra uma obra que vai beneficiar milhares de pessoas ao longo da BR-364, mas querer que a obra seja bem feita e não gere problemas futuros quando o inverno chegar. O Jesus tem sido um parlamentar equilibrado.

Corrigindo a omissão

Faltou por esquecimento colocar na lista dos candidatos a deputado federal o deputado Eber Machado (PSDC), que tem uma das campanhas mais organizadas entre os que disputam um mandato na área Federal. Além de que é um parlamentar atuante.

Oficialização da filiação

O DEM quer fazer uma festa no próximo dia 25, na oficialização da filiação do deputado federal Alan Rick, no partido. Senador Agripino Maia, deputado federal Rodrigo Maia, da cúpula nacional do DEM, deverão estar presentes ao ato.

Denúncia grave

O deputado Jesus Sérgio (PDT) denuncia que o comandante da PM de Tarauacá está fazendo corpo mole, ao proibir o uso do banco de horas para pagar extras aos PMs que trabalham fora do horário normal. Justamente, num momento em que Tarauacá sofre com a bandidagem?

Um povo aterrorizado

O deputado Jesus Sérgio (PDT) diz que a população de Tarauacá vive um terror com as facções

Cadê os 70 milhões?

O deputado Eber Machado (PSDC) bateu de frente ontem com o deputado Gehlén Diniz (PP), que acusou o governador Tião Viana de ser um “mentiroso compulsivo”. Condenou o linguajar chulo e disse que, se não primasse pelo alto nível poderia se referir no mesmo tom para cobrar da bancada federal da oposição os 70 milhões de reais prometidos à Segurança.

Comunistas não desistem

O deputado Jenislon Lopes (PCdoB) me disse ontem que, o PCdoB não recua e vai aprofundar o debate para indicar o vice na chapa da FPA ao governo. Na próxima sexta-feira o partido terá uma conversa com o prefeito Marcus Alexandre, um dos cotados para ser o candidato.

Não pode ser desconsiderado

Para o deputado Jenilson Lopes (PCdoB), que colocou seu nome à disposição para ser o vice da FPA, não pode ser desconsiderado ter o PCdoB 16 vereadores, dois prefeitos e dois deputados, além de que, sempre foi leal na defesa do projeto dos governos do PT.

Outro contexto

O PCdoB tem o direito de se colocar na discussão. Mas a escolha se dará no contexto de quem o governador Tião Viana apadrinhará para ser o vice. Se o candidato for o Marcus Alexandre, ai é que vai mesmo colocar um nome de sua extrema confiança, como uma cunha sua na chapa.

Menos no pessoal

Considero o Gehlen Diniz (PP) a grande revelação da oposição desta nova safra de políticos, na ALEAC. Mas tem que limitar o seu debate com o Tião Viana no campo das idéias. São muitos os flancos do governo que pode criticar de forma dura, mas quando passa à ofensa pessoal de chamar o governador de mentiroso compulsivo, entra pelo campo negativo do debate raso.

Pela quarta vez?

É melhor o governo desistir de construir a UPA de Cruzeiro do Sul. Já é o quarto empresário que abandona a obra por não receber pelos serviços. A denúncia é do deputado Luiz Gonzaga (PSDB), que não costuma trazer para a tribuna denúncias que não tenha apurado.

Não contrate

Obras é uma questão bem simples: se existirem recursos para se concluir os serviços se licita, se não tem; que não se faça nenhuma obra, para não ficar como neste caso da UPA.

Mistério da meia-noite

Ninguém fala da CPI da SEHAB. Passa a impressão que a base do governo e a oposição fizeram um pacto pelo silêncio. Não se conhece um passo desta CPI desde que foi criada na ALEAC.

Melhor a ser feito

O melhor a ser feito era dar por encerrada esta CPI, já que existe somente no nome de enfeite.

Jogo aberto

O advogado Edinei Muniz, que esteve recentemente com o prefeito Marcus Alexandre, disse ontem à coluna que, não definiu nada, mas não descarta ser candidato a deputado estadual por um partido da FPA. “Na oposição não sou nem recebido pela cúpula”, reclama Muniz.

Rumos a corrigir

A SESACRE já investiu além do limite constitucional. Avançou muito. Mas se não acabar com os gargalos da fila da cirurgia, não descentralizar as ações para não faltar medicamento no interior e melhorar o atendimento no PS, ficará sempre a espada da crítica e da cobrança sob a cabeça. Seja qual for o gestor, na pasta da Saúde sempre haverá cobranças. É imutável.

Oposição leva vantagem

Com Nelson Sales (PP), Eliane Sinhasique (PMDB), Ghelen Diniz (PP), Luiz Gonzaga (PSDB), Jairo Carvalho (PSD) a oposição tem disparado críticas ao governo e levado vantagem por ser mil vezes mais fácil fazer acusação do que fazer uma defesa, por mais bem feita que seja.

Costura bem feita

O deputado federal Major Rocha (PSDB) está fazendo uma costura bem feita para participar da chapa majoritária da oposição, depois que o PMDB pegou seu quinhão com a candidatura do Márcio Bittar ao Senado. Nada mais justo que caiba ao PSDB, tem o apoio do PSD, fazer parte da chapa.

Muito forte

A aliança PSDB-PSD ficou muito forte para reivindicar, com um senador, um deputado federal, deputados estaduais, vários prefeitos, vereadores na Capital e no interior, o que a deixa com a carta maior para jogar na mesa das discussões sobre a escolha do candidato á vice-governador.

A questão da violência

Pode sim se fazer críticas ao sistema de segurança, mas não que os policiais militares e civis tenham sido omissos no combate à criminalidade. Os fatos mostram que as respostas têm sido dadas de forma rápida com a prisão dos marginais, como na recente onda de violência, com dezenas de prisões dos envolvidos na queima de ônibus e outras práticas criminosas. As autoridades da Segurança têm sido também transparentes divulgando todas as ações. A questão dos bloqueadores na penitenciária foi uma vitória. Enquanto as fronteiras estiverem abertas, mais drogas e armas continuarão a entrar, prisões serão feitas e a roda viva girará. Não está havendo omissão

Coluna do Crica

Lhé, o último romântico na política

Abro sempre a coluna com a foto de um político. Mas vou quebrar este ciclo e falar de uma figura humana generosa, coração grande, querido por todos, não conheço um inimigo seu, que não tem mandato, muito embora tenha sido um eterno ativista político, seja na defesa dos trabalhadores rurais, do seu partido, o PT, mas principalmente uma voz que sempre se levantou contra as injustiças no momento político mais duro da ditadura militar. Não se importando a que partido o injustiçado pertencia. O conheci sempre ao lado das minorias e sem visar qualquer bem material. Sempre defendeu causas e nada pessoal. Um eterno defensor da causa palestina. A coluna faz hoje uma homenagem ao Abrahim Farhat, o último dos socialistas românticos na política acreana. Minha reverência ao bom e amado Lhé (foto).

Não come mais criancinha

Comunista não come mais criancinha e o muro de Berlim caiu. Os nossos amigos do Movimento Liberal estão dando ao comunismo uma dimensão que perdeu no mundo.

Vamos colocar as coisas nos seus devidos lugares

Integrantes do grupo do senador Sérgio Petecão (PSD) me ligaram dando a versão de que há um plano com a candidatura do Márcio Bittar para detonar a candidatura do Petecão. Dei. Em resposta o ex-prefeito Vagner Sales me mandou uma mensagem de voz contrapondo e publiquei. Não brigo com notícia. A influência do PT, FPA e da oposição nesta coluna é zero.

Espaço é liberado

Esta coluna atravessou décadas bem lida, exatamente, por não ter dono político.

Quem cala consente

Ao senador Jorge Viana (PT) pegaria melhor se desse uma declaração contra a matança de opositores que acontece na Venezuela e o fim da liberdade de expressão naquele país. Não se faz contemplação com ditador. Ir com comitiva parlamentar ao país é ficar em cima do muro.

Muito mais proveitoso

Seria muito mais proveitoso se conseguisse mobilizar a bancada federal para pressionar pela entrada do Exército a colocar de forma perene barreiras de fiscalização na fronteira. E por onde entram as drogas e armas. Que, aliás, é o papel constitucional das Forças Armadas.

Correção na coluna

O respeitado advogado Leandrius Muniz pede uma correção na coluna: o ex-deputado Walter Prado será candidato a uma vaga na ALEAC pelo SOLIDARIEDADE e não pelo PP. Registrado.

Não apostaria muito

Como o ex-deputado Walter Prado é volúvel quando se trata de partido, não daria como decisivo. Eu prefiro aguardar o começo da campanha para saber onde realmente ficará.

Mais que uma satisfação

O presidente da CPI da SEHAB, deputado Lourival Marques, e mais ainda que ele os deputados Eliane Sinhasique (PMDB) e Gehlen Diniz (PP), porque são da oposição, têm que dar uma satisfação pública sobre o motivo pelo qual a CPI não produziu um fato até o momento.

Tire Deus desta patuscada

Assim o deputado federal Hidekazu Takayama (PSC-PR), justificou os votos em peso da bancada evangélica pela permanência do presidente Micher Temer: “foi um pedido de Deus”. E o pior que disse com uma tranqüilidade que a cara nem tremeu. Esses são nossos políticos!

No mesmo balaio da omissão

Fernando Collor, Itamar, Sarney, FHC, Lula, Dilma, Temer, nenhum deles colocou como prioridade a proteção de nossas fronteiras. Sempre estiveram escancaradas à entrada de drogas e armas. Para se falar na omissão federal tem de colocar todos no mesmo balaio.

Educação é investimento

O deputado federal Léo de Brito (PT) fez a aula inaugural de 45 cursos técnicos, no âmbito PRONATEC, com oportunidade para quase 1.200 vagas para alunos do Ensino Médio, da rede pública de ensino. Tudo que se aplicar em Educação não é gasto, mas um investimento.

Política de orelha

O prefeito Marcus Alexandre inaugurou no último sábado uma quadra Poliesportiva Coberta, na Vila Jerusalém, emenda do ex-senador Anibal Diniz. Não se pode dizer neste momento que, o Marcus é favorito para o governo, mas se pode dizer que não está parado e será páreo duro. Está montado na máquina, inaugurando obras, e aproveitando para fazer política de orelha.

Uma reunião necessária

Necessária a reunião promovida pelo governador Tião Viana com todos os chefes de Poderes, MPE e com a área militar e policial, para buscar uma ação unificada. Não sei se tocaram no assunto, mas se não tocaram foi a perda de um momento precioso: que a “Audiência de Custódia” não se seja liberal, pois, liberar os presos tira o estímulo da força policial.

O negócio tá feio

O negócio está tão feio que o comandante da Polícia Militar, Coronel Júlio César, apareceu na reunião com um colete à prova de bala. Foi o único a ir precavido. Seguro morreu de velho.

Bom dia, Emurb!

Acompanho o esforço da EMURB para tapar os buracos das ruas, mas estes parecem que estão aumentando. É bom pôr mais frentes de serviço nas ruas, porque o inverno está à caminho.

Os tempos são outros

A deputada Eliane Sinhasique (PMDB) perdeu seu programa numa FM por sua linha de oposição, mas se reinventou e faz um programa ao vivo na internet com muitos acessos.

É quem indica

Podem opinar e palpitar, mas quem vai ter peso decisivo na indicação do vice na chapa do candidato escolhido pela FPA para disputar o governo será o Tião Viana. O resto é periférico.

Das duas uma

Ou o prefeito Ilderlei Cordeiro não divulga o que realiza ou não está realizando nada. Das duas uma. É a dedução a que se chega, quando não vê nenhuma ação municipal sendo noticiada.

Não tem tanto peso

O ex-prefeito Deda defende que o vice na chapa de governo da FPA tem que ser de Cruzeiro do Sul. A tese do bairrismo perdeu aquela força de quando o Juruá vivia isolado. A abertura da BR-364 derrubou o mito do isolamento, que sustentava a velha tese do bairrismo político.

Pode esquecer

Caso o ex-prefeito Deda aspire vir a ser o indicado para vice, melhor começar esquecer agora.

Na mesma situação

Os deputados Moisés Diniz (PCdoB) e Jenilson Lopes (PCdoB) também não sonhem com a vice.

Dom Quixote

O Tião Bocalon (DEM) continua com sua candidatura ao Senado na rua. Não espere que tome atitude para disputar em outra área no decorrer deste ano. Vai esperar o meado de 2018, quando sua campanha estará na plenitude, e aguardar as pesquisas para sentir a popularidade.

É quem pode lhe tirar

Aparecer mal em todas as pesquisas até maio de 2018 é a única maneira que vejo do Tião Bocalon (DEM) desistir de sua candidatura senador, porque não remaria contra a vontade popular. O Bocalon coloque na cabeça que não pode ficar sem um mandato nesta eleição.

Só traria prejuízo

Setores do PT defendem a candidatura do Marcos Fernandes, derrotado para prefeito de Epitaciolândia, a deputado estadual. Com o DISTRITÃO não faria sentido algum. Mas prejudicaria a deputada Leila Galvão, única do PT com atuação política na região.

Câmara Federal

Léo de Brito (PT), Sibá Machado (PT) Nelson Sales (PP), Vânia Pinheiro (PTB), César Messias (PSB), Raimundo Angelim (PT), Cristovão Pontes (PDT), Alan Rick (DEM), Flaviano Melo (PMDB), Jéssica Sales (PMDB), Silvia (PT), Maurício Hoehenberg (PP), Perpétua Almeida (PCdoB), Rudiney Estrela, Luiz Gonzaga (PSDB), Luiz Tchê (PDT), são os nomes até aqui falados para deputado federal. São oito vagas em disputa. Quem ficará com as vagas? Façam o jogo.

Coluna do Crica

O clima pega fogo na disputado do senado pelo Acre

O ex-prefeito de Cruzeiro Sul, Vagner Sales, o principal fiador da entrada do ex-deputado federal Márcio Bittar no PMDB para disputar o Senado, disparou a metralhadora giratória contra o senador Sérgio Petecão (PSD), em uma gravação enviada à coluna. Alguns dos trechos: – “o Petecão venha bem humildizinho pedir o apoio para o segundo voto, pois, se tentar contra a candidatura do Márcio vai levar chumbo, principalmente, no Juruá”. Vagner alerta ainda que o PMDB tem seis prefeitos e é o partido mais organizado do Acre, com diretório em todos os municípios. O PMDB tem todo direito, segundo ele, de ter seu candidato a senador da República. “Ninguém tem compromisso com o Petecão. Não temos medo dele querer prejudicar o Márcio. Não temos medo de ameaça de prejudicar. Se partir com esta gracinha com a meia dúzia do pessoal dele vai levar chumbo”. Voltou a advertir. As advertências são uma resposta do ex-prefeito Vagner à revolta de dirigentes do PSD, que acham que há um esquema para descarregar os votos no Márcio Bittar, deixando Petecão em plano inferior. O jogo nem começou, mas as botinadas pelo Senado já estão do pescoço para baixo. Os fatos mostram que os tempos estão quentes e devem esquentar ainda mais.

Um hiato nesta troca de ameaças

Uma briga que leve PSD e PMDB se engalfinharem não terá ganhador entre ambos. O PMDB é de fato um partido organizado, com seis prefeitos, mais o PSD nesta sua aliança com o PSDB ficou muito forte. Será um confronto inevitável a prevalecer a lógica de que, oposição e PT, cada um elegerá o seu senador.

É impossível não haver confronto

É quase impossível não haver confronto dentro da oposição, por um motivo simples: só tem duas vagas para Senador. E uma, dificilmente, não ficará com o PT. Não existe essa de você pede voto para mim que eu peço para você. Eleição é Lei de Murici, cada um cuide de si.

A equação se aplica ao PT

Também não pensem que o senador Jorge Viana (PT) e o deputado Ney Amorim (PT) farão uma campanha irmanados como se fossem São Cosme e São Damião. Chegará um momento que cada um terá de correr para o seu lado, por saberem que só por uma zebra uma vaga não será da oposição. Este caldo de cultura de intrigas não vai acontecer somente no campo da oposição. Eleição é isso mesmo, disputa, muita disputa.

Não é seu linguajar

O vereador Roberto Duarte (PMDB) me ligou para lamentar a fala na Câmara Municipal em que comparou o secretário de Segurança, Emylson Farias, a um “rato”. “Já liguei para ele e pedi desculpas, não é minha prática o ataque pessoal, faço oposição aos mandatários”, assinalou. Um gesto de muito amadurecimento este do vereador Roberto Duarte (PMDB).

Bom vereador

Escorregar na palavra no fervor do debate é normal, no conjunto da obra o Roberto Duarte (PMDB) é um bom vereador. Isso é o que mais importa na sua atividade política.

Sou um entusiasta

Talvez por ter na família minha mulher transplantada eu seja um entusiasta do trabalho de ponta da Central de Transplantes do Acre, com todas as cirurgias realizadas 100% de êxito. É uma medicina de ponta, muito cara, que só funciona por questão pessoal do Tião Viana.

Não se pode deixar

E quando se fala no combate às hepatites e da luta para o aumento das doações de órgãos, não se pode esquecer, também, do deputado Heitor Junior (PDT) que, fez da causa, uma meta de ação. Sempre esteve ao lado dos portadores de hepatites, bem antes de ter um mandato.

Veio a calhar

O FANTÁSTICO da GLOBO exibiu ontem todas as etapas de um transplante. Mostrou como é delicado o processo. O aparato operacional que o cerca. Que vá as favas a que partido o Tião Viana pertence, quero passar longe, mas só por algum tipo de cretinice política não se pode deixar de reconhecer que o Acre está graças a ele sim, no Brasil, entre os poucos Estados que realiza transplantes e com sucesso total, uma medicina de ponta. Isso custa caro, muito caro, mas salva vidas. E isso é o que importa: vidas salvas. Neste contexto não cabe a politicagem.

Doe órgãos

E nunca deixe de autorizar a doação de órgãos, porque quanto mais doações houver, mais vidas serão salvas.

Que vergonha!

O dono da loja de departamento HAVAN deve ter saído da inauguração atordoado ao assistir a cena surreal de pessoas se engalfinhando para pegar edredons que estavam numa promoção a 30 reais a peça. O homem deve ter saído do Acre morrendo de vergonha com a cena dantesca.

Uma visão do inferno

Conta que foi uma visão do inferno a correria e o empurra-empurra pra pegar edredons.

Solidariedade e parabéns

A minha solidariedade à ex-prefeita Toinha Vieira e ao seu marido Zé Vieira e repúdio ao ato covarde de bandidos contra o filho do casal. E parabéns à polícia de Sena Madureira, por em tempo recorde descobrir e prender a quadrilha. Eficácia é o que a população almeja sempre.

Tocaram terror

Também na Capital o secretário Emylson Farias foi célere ao já identificar os membros de facção que incendiaram ônibus e mataram quatro pessoas. Autores foram presos e outros foram identificados e serão presos. Tem que fazer como em Sena Madureira, prender rapidamente e mostrar a cara de cada um à imprensa. Isso poderia se dar numa coletiva.

O que eu não espero

O que eu não espero que após as prisões alguns deles ou a maioria venha a ser solta na chamada “Audiência de Custódia”. Se isso ocorrer tira o estímulo de qualquer policial.

Dividir responsabilidades

O governo federal é de fato o responsável pela proteção das fronteiras. É por essas regiões que entra a droga e armas para os bandidos. Vamos ser sincero e apartidário. Essa omissão não acontece só no governo Temer. Também ocorreu nos oito anos da gestão Lula e da gestão Dilma. Com FHC e etc. Afinal, nenhum presidente encarou e deu muita bola para a guarnição das fronteiras do Estado com a constância e eficácia como deveriam ser. Não se salvou um.

Os tempos são outros

O ex-deputado e Delegado aposentado Walter Prado fez de fato um bom trabalho na Segurança Pública, só que os tempos eram outros, tempo dos bandidos românticos e não tinham facções organizadas. O “Xerife” Walter é candidato à ALEAC pelo PP.

Melhor para a política

O melhor que poderia ocorrer para a política será essa adoção de se eleger os mais votados. Acaba com a malandragem das coligações proporcionais e ganha quem tiver café no bule. Melhor do que isso só a cláusula de barreira para evitar a criação de novas siglas de aluguel.

Guerreira na campanha

A deputada Juliana Rodrigues (PRB) no dia a dia é uma pessoa comedida, mas numa campanha política se transforma, é quem puxa as passeatas e é das mais animadas. Observei isso na campanha do vereador Manuel Marcos (PR). Ambos farão dobradinha, ela para a reeleição e ele para deputado federal. Com o apoio integral da Igreja Universal. Bons nomes.

Bem poucos

Pelo andar da carruagem, bem poucos secretários estaduais não disputarão vagas de deputado federal ou deputado estadual. Isso tem sido um pesadelo para os deputados da base do governo, que vêm nisso uma concorrência desleal. Anotem: ninguém é dono dos votos.

Quem perdeu, perdeu

Todos terão que deixar o cargo a partir do próximo ano. Quem ganhar; tudo bem, quem não ganhar é esperar que o PT vença para o governo e tentar a volta ao poder. E se o PT não ganhar não esperem ser aproveitados na PMRB, que é pequena para tanta boca gulosa.

Muito competitivas

Teremos mulheres muito competitivas disputando vagas na Câmara Federal: Perpétua Almeida (PCdoB) e Jéssica Sales (PMDB). E outra comendo pela beirada: jornalista Vânia Pinheiro (PTB).

Previsão otimista

Na avaliação do senador Sérgio Petecão (PSD) o deputado Jairo Carvalho (PSD) se reelegerá com boa votação. O Jairo foi aonde os outros deputados não foram, comenta otimista.

Foi uma surpresa

Aliás, o deputado Jairo Carvalho (PSD) tem feito oposição dura ao governo, mas não se limita ao discurso da tribuna, desde o primeiro dia do mandato tem caído em campo para ampliar seu espaço.

Ditador não ouve ninguém

Seria muito mais sensato e ético criticar a ditadura que Nicolas Maduro implantou na Venezuela do que, o senador Jorge Viana (PT) querer chefiar uma comissão parlamentar para tentar um armistício no país vizinho. Não está lidando com alguém com um pingo de sensatez, mas com um tresloucado. O que há lá, já se sabe: supressão dos direitos individuais, censura à imprensa, morte de manifestantes, prisões de opositores, mordaça no MP, nada diferente das cruéis ditaduras africanas. O Nicolas Maduro é o nosso ditador da Correia do Sul mais alto e de bigodes, porque no chamado modo de operar, um pelo outro não tem diferença alguma. Pode-se com isso dizer que a comitiva de políticos vai fazer um tour trágico por Caracas.

Coluna do Crica

Marcio Bittar chama Rocha de “psicopata”

Nossa pauta é sempre ouvir o outro lado e não aceitar jamais o pitaco ou direcionamento de quem está no poder. Até porque o poder é passageiro e depois do mandato o seu ocupante vira mais um na multidão, um cidadão comum. Rebatendo o deputado federal Major Rocha (PSDB) o ex-deputado federal Márcio Bittar (foto) nega com veemência que tenha procurado a direção nacional do PSDB para tentar dar um golpe, com base na sua boa colocação na pesquisa. “Este moço é um psicopata, um louco, tá maluco por briga isso nunca aconteceu. Depois que conversei com o PMDB para a minha filiação iria procurar o PSDB?”. Reage com muita revolta Bittar. Essa briga acabou de perder espaço na coluna, parece briga de comadres em que uma xinga a outra. Como não devo nada a nenhum dos dois, só serão notícias por outros fatos, jamais por esta quizila infantil nada digna de políticos de renome. Ponto final.

O previsto aconteceu

O que estava previsto acabou acontecendo, a denúncia contra o presidente Temer foi brecada na Câmara Federal. O Temer é do ramo e conhece como poucos o caminho das pedras e como acalmar os rumores do parlamento. Não teve neste resultado traído ou traidores, mas política.

Respeito que tem posição

Os votos do Léo de Brito, César Messias, Raimundo Angelim e Moisés Diniz contra o Temer eu respeito, porque era uma posição de partido. Como respeito no mesmo tom os votos a favor do Temer dados pelo Flaviano Melo e Jéssica Sales. Político tem que ter posição e não votar a favor da maré. Não tenho assim, pois, o mesmo respeito pelos votos do deputado federal Major Rocha (PSDB) e do deputado federal Alan Rick (DEM), que foram a favor do vento.

Política digital

Tendo como palestrante a jornalista Gina Menezes, especialista em marketing digital, será realizada amanha às 8 horas, no auditório da Assembléia Legislativa, a I Conferência Digital. Seria importante a presença dos políticos. Saber lidar com ferramentas do mundo digital passou a ser essencial numa eleição. O ato também terá como palestrante o advogado e vereador Roberto Duarte.

Merece transcrição

“As maiores autoridades médicas em transplantes no país me disseram que não seria possível fazer transplantes de fígado no Acre. Então, pra quem concordou com eles está ai um modelo que mostra o que é possível com gestão, unidade e compromisso. Nosso país pode ser melhor, muito mesmo”. Depoimento do Dr. Tércio Genzini, que comanda a Central de Transplantes no Estado.

Vidas sendo salvas

“Notícia abençoada: mais um transplante de fígado no Acre. Já são 24, com 100% de sucesso, fato que surpreende positivamente a comunidade científica do Brasil. Obrigado, sempre, ao Dr. Tércio Genzini e equipe. Obrigado ao Hospital das Clínicas do Acre”. Governador e médico Tião Viana.

Para completar

Doe órgãos. A doação é um ato divino, porque salva vidas.

Tática velha e manjada

Aliados do deputado federal Alan Rick (DEM) jogam com a velha e manjada estratégia dele endurecer o jogo para conseguir ser o vice na chapa do candidato ao governo da oposição.

Morto no mandato

Um candidato que aceitar pressões de aliados para conseguir cargos vira uma banana e estará morto dentro do mandato se conseguir vencer a eleição. É que perde a autoridade.

Tudo certinho

O deputado Ney Amorim (PT) está fazendo tudo certinho como dita o figurino político. Primeiro busca parcerias, novos aliados além dos muros do PT, para entrar na campanha para valer a partir do próximo ano. Quem no início aparece na frente, costuma dar uma desabada.

Candidato do PP

O deputado Nelson Sales (PP) está sendo inteligente em conseguir emplacar ser o candidato a Federal oficial da sigla, porque com o DISTRITÃO, a ajuda do partido ao candidato é essencial.

Segundo votoO deputado Jairo Carvalho (PSD) não tem escondido que o seu segundo voto será para o candidato ao Senado, deputado Ney Amorim (PT). O primeiro, logicamente, do Sérgio Petecão.

Salada maluca

Esta questão do segundo voto para senador será uma selada maluca. Conheço vários políticos da oposição que falam abertamente que dão a garantia de apenas o primeiro voto à oposição.

Mãos para o alto, senhor defunto!

A violência perdeu os freios também em Cruzeiro do Sul, onde, além de execuções diárias na briga entre as facções, estão assaltando até dentro do cemitério, denunciou ontem um alarmado deputado Luiz Gonzaga (PSDB), para quem os marginais já dominam a cidade.

Nem o coveiro escapou

No festival de violência que assola Cruzeiro do Sul os bandidos balearam o único coveiro do cemitério da cidade em um assalto. Será difícil conseguir quem aceite substituir o coveiro baleado. Por mais que o secretário Emylson Farias se esforce a violência recrudesceu.

Calcanhar de Aquiles

O Tião Viana vai fechar o seu governo com a Segurança sendo seu Calcanhar de Aquiles?

Passeio remunerado

Anteriormente disseram que a viagem dos secretários aos EUA era na base do 0800. Com a publicação do Diário Oficial descobriu-se que o Estado desembolsou 60 mil reais em diárias. Se tivessem trazido algo de bom para aplicar no Estado, nada a opor, só que foi só um passeio turístico.

Nota de 300 reais

Esta pesquisa da Vox Populis, se foi bem feita ou feita sob encomenda, não importa. Não terá nenhuma influência no resultado da disputa pelo governo no próximo ano. Por isso esqueçam comemorações, contas, ilações, que o seu resultado tem o valor de uma nota de 300 reais. Retrata apenas um momento eleitoral. E assim serão todas as pesquisas longe do pleito.

Faço bem a diferença

Tenho muitos amigos políticos, alguns mais próximos e outros nem tanto, mas quando se trata de dar um furo de notícia, coloco todos no mesmo patamar para não privilegiar nenhum deles. A única coisa que checo ante de noticiar é se o fato e verdadeiro e dou sempre o outro lado.

O bajulador é ruim a quem governa.

A maioria que ocupa cargo de mando no Executivo não gosta muito quando algum jornalista busca a isenção, na verdade amam a bajulação barata. Mas para isso já têm os que o cercam. Só que o bajulador, longe de ajudar, não dá nenhuma contribuição, porque só diz amém. O governante precisa de quem aponte os seus erros e não as suas virtudes. Leiam Maquiável.

Convite está feito

O presidente do PDT,Luiz Tchê, diz que o convite está feito para o deputado Eber Machado (PSDC) ser candidato a Federal pelo PDT. Na verdade isso só teria influência se permanecerem as coligações. Com o DISTRITÃO pode ser em qualquer partido.

Carinho de mulher

Quem chega em Brasiléia nota uma cidade mais limpa e mais humana. A prefeita Fernanda Hassem tem procurado não inventar a pólvora partindo para iniciativas simples como o “Domingo na Praça”, que aproxima a população da gestão e cria uma empatia favorável.

Cidade bombardeada

O que pesa mais a favor da administração da prefeita Fernanda Hassem é o fato de que pegou uma cidade arrasada, prefeitura toda inadimplente, em tempo de crise econômica, e está dando conta do recado. Se tem um lugar onde o PT está indo bem no interior é em Brasiléia.

Política é posição

É da maior hipocrisia se condenar os deputados que votaram a favor do Temer. O condenável na política é não ter posição ou ser oportunista. Se o Temer fosse do PT, os petistas estariam votando nele. Este é um filme que sempre vai acontecer na política brasileira. Não tem santo.

Votos divertidos

Algumas das explicações dos votos é que foram cômicas. Voto pelos quilombolas! Voto pela comunidade negra! Voto pelos excluídos! E o besteirol dos deputados foi até o fim da sessão.

Primeiro suplente

Corria ontem a informação de que o ex-prefeito Vagner Sales amarrou ser primeiro suplente na chapa do Senado do Márcio Bittar. A se confirmar a notícia, a família Sales estará com três dos seus integrantes na disputa da eleição do próximo ano. Algum acordo teria que ocorrer.

É bom combinarem

O deputado Luiz Gonzaga (PSDB) é bom ficar de olho, porque o deputado federal Major Rocha (PSDB) já não se balança com todo fervor para ser candidato a senador. E neste caso morreria a candidatura do Gonzaguinha para a Câmara Federal.

Menos Tchê, menos, Tchê!

O presidente do PDT, Luiz Tchê, acha que o partido pode eleger dois deputados federais.

As mulheres pedem passagem

Maria Antonia, Antonia Sales, Juliana Rodrigues, Eliane Sinhasique, Sawana Carvalho são algumas das mulheres que até aqui se apresentaram como candidatas a uma vaga na ALEAC. Apenas Antonia Sales e Sawana Carvalho não têm mandatos. As demais são parlamentares.

Confusão em Brasiléia

O PMDB vive momentos confusos em Brasiléia, sem uma liderança que congregue o partido. O fato do ex-prefeito Aldemir Lopes estar com problemas jurídicos, deixou o PMDB órfão no município. Não tem ninguém com sua capacidade de organizar o partido.

Sempre será assim

Qualquer pesquisa que for feita para governador ou para senador, seja bem feita, dentro de todos os padrões, vai suscitar paixões e manifestações de protesto dos que aparecerem mal. A última pesquisa da VOX POPULIS, deixando de lado qualquer consideração, acertou num ponto, de que a eleição de 2018 para o governo será disputada. Não é preciso de pesquisa para se saber que não tem favorito, mas dois candidatos muito fortes brigando pela sucessão do Tião Viana. Pode até que um deles surja como favorito durante a campanha, mas o quadro de momento é de muito equilíbrio. E ninguém ganha eleição sem a campanha começar. O restante fica por conta dos que analisam a política com paixão e como torcedores.