Coluna do Crica

Garimpo e o rastro da destruição e morte

O deputado federal Léo de Brito (PT) é o único que vejo até agora se insurgindo contra a concessão requerida por uma mineradora de Pontes e Lacerda, município de Mato Grosso, para minerar ouro em Cruzeiro do Sul, pegando áreas de preservação e que abrangem inclusive o tradicional igarapé preto e até o cemitério da cidade. É cômico, mas é verdade. Com o garimpo vem a destruição do meio- ambiente, a prostituição, a violência, a droga, pistolagem, enfim, será um desastre para a região. A luta para barrar esta iniciativa não deveria ficar restrita ao deputado Léo de Brito (foto), mas, também deve engajar toda a bancada federal, não importando o partido. O governador Tião Viana, que até aqui ficou calado a este respeito é uma peça importante para brecar este garimpo. Precisa se pronunciar. Por onde um garimpo passa deixa um longo rastro de destruição e morte. Esta é uma questão mais séria que a mera politicagem do  dia a dia do parlamento.

Fogo amigo

A deputada Leila Galvão (PT) está sofrendo ataques ao seu mandato do chamado “fogo amigo”. Que, aliás, de amigo não tem nada. Com qual propósito é que não se sabe.

Sabe de onde vem

A Leila é muito discreta, mas não confundir com palerma, sabe exatamente de onde vêm os ataques, quem posta na rede social, e não esperem que continue apanhando calada.

Alfinetada venenosa.

O setor de comunicação da PMRB mandou nota que o prefeito Marcus Alexandre pagou com seu cartão a sua passagem á Cruzeiro do Sul, não terá diária e não levou a “imprensa oficial”. Para um bom entendedor, foi uma alfinetada venenosa. Em quem? Alguém pega a carapuça?

Pelas mãos do padrinho

Falando em Marcus Alexandre, ele circulou por Cruzeiro do Sul pelas mãos do seu padrinho e mentor da sua candidatura ao governo, senador Jorge Viana (PT), que quer impor o seu nome.

Festa no interior

Será hoje em Cruzeiro do Sul o ato petista que reunirá os quatro candidatos ao governo para a apresentação à militância. É uma estratégia politicamente inteligente a do governador Tião Viana, serve para oxigenar a FPA, promover o debate e avivar as novas lideranças do grupo.

Pesquisas darão o tom

As duas pesquisas que o PT pretende fazer no espaço até o fim de setembro servirão para nortear a escolha do candidato ao governo. Enquanto isso, a campanha dos quatro pré-candidatos continua na rua. Tudo seguindo um roteiro pré-organizado

Surras em série

O Juruá virou uma espécie de quartel general da oposição. As três últimas eleições para a prefeitura de Cruzeiro do Sul foram um desastre para os petistas, levaram uma surra nas urnas do prefeito Vagner Sales (duas vezes) e na última do Ilderlei Cordeiro. Além disso, dos municípios do Juruá, o único que o PT ganhou foi em Mâncio Lima, um minúsculo colégio eleitoral.

Espaço ocupado

O deputado Eber Machado (PSDC) conseguiu ocupar com inteligência o espaço político que o ex-deputado Helder Paiva tinha na Assembléia de Deus. Terá muitos votos na igreja para a Câmara Federal. Eber, para quem não sabe, é um evangélico antigo, ou seja, não é estranho.

O que vale é o voto no plenário

O senador Sérgio Petecão (PSD) não foi o responsável pela derrota do projeto de reforma trabalhista em uma das comissões do Senado. Isso não vale nada, o que vale é o voto no plenário quando a matéria for colocada em votação. Só então poderá ser cobrado.

Melhorou a economia

A equipe econômica do governo Michel Temer é de primeira linha. Mesmo o Planalto enfrentando uma turbulência de denúncias graves contra o presidente, ainda assim a economia apresenta sinais de melhora. Saiu do fundo do poço, onde a ex-presidente Dilma deixou o Brasil.

Uma birra que não se sustenta

Não adianta a birra do prefeito Marcus Alexandre contra o funcionamento do sistema UBER, na capital, por que a modernidade costuma atropelar os que ficam na sua frente. É fatal.

Grande potoca

Esta conversa que os taxistas em contrapartida darão descontos aos usuários é uma balela, uma potoca. Quem vai fiscalizar? Continuarão a cobrar o absurdo atual de uma corrida.

Flaviano sem bengala

O PT, que disparou sua metralhadora no episódio da candidatura do então prefeito Flaviano Melo (PMDB), por ter deixado a prefeitura para ser candidato ao governo, vai virar alvo se o prefeito Marcus Alexandre (PT) deixar o mandato dois anos do fim para disputar o governo. Para os oposicionistas, que usarão o mesmo discurso e metralhadora, o Marcus será o Flaviano sem bengala. E naquela que o pau que bate em Chico, também bate em Francisco.

Melhor não explicar

Quanto mais o deputado federal Major Rocha (PSDB) tentar explicar a sua saída da presidência do diretório regional mais vai ficar sem explicação. Ficou muito mal para o único parlamentar federal do PSDB, no Acre, não ter sido nem avisado de que seria sacado do comando tucano.

Nem mandato tem!

Quando acusa o Márcio Bittar (PSDB) de ser o mentor da manobra, longe de lhe desqualificar, o qualifica. Quer dizer que um filiado sem mandato tem poder para tirar um presidente de um diretório regional? O certo é que o PSDB, no Acre, virou “Casa de Noca”, todos falam, esbravejam e ninguém manda.

Declaração polêmica

O ex-prefeito Tião Bocalon (DEM) voltou com uma declaração polêmica, a de que não existe candidatura imutável por causa da Lava-Jato, e que por isso é necessário se trabalhar uma candidatura que possa ser uma via alternativa. Pontua que, não se pode estar á mercê de um único nome como pré-candidato ao governo. E se alguma coisa acontecer e ele desistir? Indaga. Ontem, Bocalon, Major Rocha, Alan Rick, já faziam um arrastão pelo calçadão.

Não se repetirá a eleição municipal

O que tenho ouvido de integrantes da coligação DEM-PSDB é que não vão aceitar na eleição estadual o que aconteceu na eleição municipal, quando o PP e o PMDB, deram todas as cartas e deixaram os demais partidos da oposição como meros carregadores de bandeiras, na campanha.

Comendo pela beirada

Não se vê espalhafato do deputado Ney Amorim (PT) na sua caminhada de candidato ao Senado (PT). Conheço os bastidores como poucos, e já sei de muitos políticos da oposição que com ele conversaram, e que, já admitem lhe dar o segundo voto para senador. Não pensem que estão enfrentando um Zé Mané, o Ney é extremamente habilidoso. Trabalha para ser o segundo voto da oposição. Na política, se ganha e se perde nos bastidores. Isso é real.

Impressionante como saiu de cena

“Você vai para o PSB e não consegue ver um detentor de mandato que possa ser considerado como “brilhante”, mas mesmo assim passou a ser o queridinho do PT, assumindo o papel que era do PCdoB”. Comentário de um dirigente de partido nanico. É isso mesmo. É impressionante como o PCdoB saiu da cena principal da FPA, nos últimos tempos.

É questão de tempo

Nem prefeito, nem governador, nenhum gestor público tem o poder de brecar a modernidade. Podem até colocar alguns entraves burocráticos, mas serão esmagados. Assim é a questão do UBER em Rio Branco. Não é porque o prefeito Marcus Alexandre é contra que, o serviço não será implantado. Como diz um colega jornalista: “Rio Branco não é uma ilha fora do Brasil”. Não pense o Marcus que a sua decisão foi simpática à população, pelo contrário, foi altamente antipática. A cada motorista do UBER que é parado e os passageiros são obrigados a descer do carro, é mais gente a lhe criticar pela sua estabanada decisão. O perfil da simpatia é como as nuvens, costumam chegar e passar com a mesma rapidez. Não encontrei ninguém – além dos taxistas e donos de empresas do transporte coletivo- lhe elogiando por barrar o UBER. O Marcus pisou no tomate. Não sei quem foi seu conselheiro no episódio, mas troque-o.

Coluna do Crica

Voltemos ao tempo das charretes puxadas a cavalo

Com mais de 40 anos no jornalismo, com uma coluna política, acompanhei as gestões dos prefeitos que passaram por Rio Branco, neste período. O Marcus Alexandre está sem dúvida entre os melhores. Mas a araruta teve seu dia de mingau nesta questão do UBER. Preferiu atender o corporativismo dos taxistas e empresários do transporte coletivo e liberar uma caça às bruxas aos que oferecem os serviços do UBER, ao preço pela metade do que é cobrado pelos motoristas de táxis. Se pensou em ganhos políticos, errou: ficou a favor de uma minoria contra a maioria da população, que quer um serviço bom e barato. Não sei se foi uma boa troca política. E ficou mal se agachar ante a ameaça dos taxistas fecharem a BR-364, porque passou para a população a imagem de um administrador sem pulso, que se queda a qualquer pressão. Prefeito Marcus, não se briga com a modernidade, porque ela é incontrolável. Se é para brigar com a modernidade vamos voltar à iluminação à vela, para o telégrafo sem fio, para o carro de boi, para as catraias, para as máquinas de datilografia. Ou voltemos ao tempo do império com as charmosas charretes, e à máquina a vapor das locomotivas chamadas Maria Fumaça. Modernidade, praticidade, para que, retornemos à pedra lascada, não é prefeito Marcus Alexandre? Foi um belo de escorregão na sua gestão.

A RBTRANS não explica

Se a direção do RBTRANS está tão ansiosa em multar deveria começar pelos empresários dos transportes coletivos, cujos ônibus circulam na cidade com placas de outras cidades. E neste caso, o pagamento do IPVA é recolhido aonde? Está história que os taxistas terão um aplicativo que dará desconto de até 30% nas corridas não é de se crer, lhes falta concorrência.

Fora de cogitação

A coluna tem informações que está fora de cogitação o deputado federal Alan Rick ser candidato a governador no atual processo. A sua meta será a de buscar uma reeleição bem encaminhada. Mas, uma coisa é certa: PSD-DEM serão protagonistas na sucessão.

Personalidade própria

Quem observa o comportamento do deputado Heitor Junior (PDT) nos debates da Assembléia Legislativa nota que, ele tem personalidade própria. Não é um alienado. Toda vez que é preciso faz críticas duras ao governo e cobra as providências. Ao rei tudo, menos a honra!

Nada explica

Por mais que o deputado federal Major Rocha (PSDB) tente explicar com teorias da conspiração, não consegue ser convincente a respeito do episódio em que foi sacado da presidência do PSDB. Foi um desprestígio. Afinal, é o único deputado federal tucano, no Acre.

Pode ficar certo disso

O ex-deputado federal Márcio Bittar (PSDB) pode ficar certo de uma coisa, o deputado federal Major Rocha (PSDB) não vai arredar um milímetro na briga entre ambos. Está sendo ruim para o Rocha e para o Márcio e muito mais para a imagem do PSDB, que é uma nau à deriva.

Estratégia que oxigena

Em conversa ontem com amigos jornalistas que não são simpáticos ao PT, todos concordaram que esta estratégia do governador Tião Viana em colocar para o debate quatro candidatos ao governo é uma jogada correta. Os debates, a busca de espaços, servem para oxigenar a FPA.

Festa vermelha

Neste sábado toda a cúpula do PT, deputados, lideranças comunitárias, vereadores, estarão sendo apresentados em Cruzeiro do Sul para a militância, que conhecerá todos os candidatos.

Não dá para esconder

Neste clima todo de pré-campanha, por mais que tente ser imparcial, o governador Tião Viana não consegue disfarçar que, o nome que gostaria de ver como candidato ao governo é o do deputado Daniel Zen (PT). Só que, não depende só da sua vontade, pois, existem outros componentes, como as pesquisas.

Terror na UPA

O clima entre os enfermeiros e médicos da UPA da SOBRAL é de terror, com medo de assalto, já que não existe nenhum esquema de segurança para os profissionais. O fato foi constatado pelo deputado Jairo Carvalho (PSD), que fez esta denúncia ontem na tribuna da ALEAC. A UPA da “Cidade do Povo”, por exemplo, já foi palco de tiroteio duas vezes, com feridos.

Jonas, o místico

O deputado Jonas Lima (PT) anda tendo visões religiosas conspiratórias contra o governo Temer, a quem acusa de tentar tirar Deus das escolas, como se tivesse o poder de dispor ou não dispor da presença divina ao seu bel prazer. Menos, deputado Jonas, menos!

Decisão irreversível

Quem conhece bem a ex-prefeita Toinha Vieira e com ela tem conversado garante que, a sua decisão de apoiar o candidato ao governo da FPA é irreversível. Da oposição só apoiará o deputado federal Major Rocha (PSDB). Ninguém tem conseguido demovê-la da idéia.

Voz solitária

O ex-vereador Marieldo Alves, do Bujari, é uma das vozes mais fiéis na defesa de que o ex-deputado federal Márcio Bittar não abandone o PSDB. Aliás, no PSDB, Bittar é minoritário. Se acontecer uma eleição para a presidência do partido entre os dirigentes, não ganharia.

Problema sério

Esta denúncia do SINTEAC é um problema sério. Se ocorreu um acordo entre diretores de escolas com líderes de facções para terem paz, seria a falência do Estado de Direito. Tinha um programa da PM de proteção às escolas, ainda existe? Se ele foi desativado, por quê?

Territórios proibidos

Deputados comentavam que a próxima eleição será diferente, a começar pelo acesso aos bairros. Em alguns deles a partir de 19 horas será perigoso para entrar e fazer campanha, já que, deste horário em diante quem dita ordens são os membros de facções.

Deitou e rolou

A oposição deitou e rolou ontem na Assembléia Legislativa. A tropa de choque estava toda para Cruzeiro do Sul e não teve quem rebatesse as denúncias. A paulada comeu solta.

Influência zero

O processo político nacional tem influência zero nas eleições, no Acre. O Lula sempre foi derrotado aqui. Assim como a Dilma. Mas, o PT ganhou para o governo e PMRB. Este desgaste do Temer também não trará nenhum reflexo negativo nas candidaturas da oposição em 2018.

Não é impossível, mas é improvável

A oposição sair com apenas dois candidatos ao Senado não é impossível, mas é muito improvável. Todos se acham caciques. Ainda que tenham poucos índios. Única candidatura que não se pode querer mexer é a do senador Sérgio Petecão (PSD), por estar no mandato.

Teoria maluca

No período pré-eleitoral sempre surgem as teorias de conspirações malucas. A que rola na rede social é de que a deputada federal Jéssica Sales (PMDB) será a vice do candidato ao governo pela FPA. Pelo que conheço do prefeito Vagner Sales, a possibilidade é zero.

Não se brinca com a honra das pessoas

Há anos que a oposição vinha usando o nome do Tácio de Brito, que respondia a um processo por supostas práticas ilegais na condução de obras da BR-364, para atingir seu filho, deputado federal Léo de Brito (PT). Foi uma execração pública, uma maldade, uma violência, porque a ação que respondia não tinha transitado em julgado. Pois bem, veio agora a decisão final e foi absolvido. E como fica? Darão o mesmo destaque que deram aos ataques? Este é um caso didático: se condena antes de se julgar. Mas a moda agora é condenar antes de julgar. Outro caso exemplar foi o da G7, com prisões e condenações públicas. Foram todos absolvidos. Quem milita na imprensa tem sempre que ter em mente que, enquanto não houver condenação definitiva se aplica a presunção de inocência, um preceito constitucional. Mas é uma pena que na nossa categoria poucos seguem está regra básica. A honra é um vestido branco, depois de manchado, mesmo que venha a absolvição, a nódoa permanecerá na opinião pública. É hora de se refletir com a inversão de valores jurídicos.

Coluna do Crica

Rasteiras, complôs e dossiês balançam o ninho tucano

Num passe de mágica o nome do deputado federal Major Rocha (PSDB) foi retirado do organograma nacional do partido como presidente do diretório regional. Há muito tempo há uma guerra surda entre os grupos do deputado federal Major Rocha (PSDB) e do ex-deputado federal Márcio Bittar (PSDB), pelo controle tucano, que envolve rasteiras, complôs e dossiês. Rocha esteve ontem com o presidente nacional, senador Tasso Jereissati (PSDB), para uma conversa franca. Ouviu dele que desconhecia o assunto e que não autorizou o episódio da retirada do nome. Rocha diz que, não pode acusar diretamente por falta de provas, mas vê no ato a digital de Bittar. Na conversa de ontem, em Brasília, ficou decidido que, não haverá mexida na direção regional e que o equívoco será corrigido, promete. Rocha descarta totalmente dividir o diretório regional com o adversário. “Sobre isso não existe a menor possibilidade”, destacou. Mas fez um desafio: “se o Márcio topar, eu topo uma eleição interna para a presidência regional”. O desafio está lançado.

Fora do quadrado

O argumento de que não pode continuar na presidência do diretório regional, porque não apresentou resultados satisfatórios na eleição passada é falho. Esta exigência foi feita posteriormente à eleição municipal, diz Rocha. Aguardem, pois, o próximo capítulo da briga.

Não consigo avaliar esta birra

Considero o Márcio Bittar um político sagaz, macaco velho de várias eleições, inteligente, mas não consigo aquilatar o que ganha estar se expondo numa briga que virou birra pelo comando tucano, já que tem três partidos ao dispor para disputar o Senado: PTB-PPS-SOLIDARIEDADE.

PT faz esquenta no Juruá

O PT fará no próximo sábado, em Cruzeiro do Sul, uma espécie de esquenta (sic) para a campanha de 2018, apresentando á militância dos partidos da FPA, os seus pré- candidatos ao governo Emylson Farias, Nazaré Araújo (PT) e Daniel Zen (PT). A cúpula petista estará em peso.

Emburrado, mas fazendo o jogo

O senador Jorge Viana (PT) está no jogo porque não teve força suficiente para emplacar a sua tese de que o único nome para o governo deveria ser o do prefeito de Rio Branco. Como não conseguiu apoio, teve que aderir ao modelo de vários pré-candidatos, mesmo que emburrado.

Assim o boi não dança

O secretário de Educação, Marcos Brandão, quer ser candidato a deputado estadual, já em campanha junto aos cargos comissionados do órgão, mas já chegou ao terceiro mês que não paga aos professores do programa “Quero Ler”. Assim o boi não dança, secretário Brandão!

É no bico seco

O deputado Nelson Sales (PV), autor da denúncia, acrescentou que além do não pagamento, até a água os alunos do belo programa “Quero Ler” têm que levar de casa, porque não é fornecida. Com o secretário Brandão é no deserto de Saara, na base do bico seco.

Quem não tem cão, caça com gato

O secretário geral do DEM, Frank Lima, me disse ontem que, a candidatura do deputado federal Alan Rick ao governo não é para barganhar ser o vice na chapa do senador Gladson Cameli (PP). Não é uma candidatura contra ninguém, mas uma nova opção, pontuou Frank.

Nada é imutável

Frank Lima faz um raciocínio de que a oposição não pode ficar a mercê de apenas uma candidatura ao governo, porque em política fatos imprevisíveis podem acontecer, como uma desistência por um ou outro motivo. Hoje, DEM e PSDB se reúnem para abrir esta discussão.

A zona franca do Raimundo

O deputado Raimundinho da Saúde (PTN) quer criar uma espécie de zona franca em Plácido de Castro, na qual os pequenos empresários poderiam importar livremente quinquilharias e eletrônicos vindos do Chile, para servir de opção de compra aos brasileiros a um preço menor.

Cortar na carne

A deputada Leila Galvão (PT) resolveu ontem não só reivindicar ações para a zona rural dos municípios de Xapuri, Brasiléia, Epitaciolândia e Assis Brasil, numa parceria entre o governo e as prefeituras, sugerindo que, se não tem dinheiro, que se cortem cargos de confiança.

Sibá, meu bom sibá, me poupe!

De novo o deputado federal Sibá Machado (PT) volta a atacar com a sua teoria da conspiração dos EUA, que culminaram com a ação da CIA para derrubar a ex-presidente Dilma. Me poupe!

Alerta vermelho

Há muito tempo vinha sendo denunciado que o aparelho de radioterapia do Hospital do Câncer de Rio Branco ia pifar, porque já operava no limite. Pifou! Os doentes têm que ser deslocados para Porto Velho, só que tem uma cota e uma demanda reprimida. Os deputados Raimundinho da Saúde (PTN) e Jairo Carvalho (PSD) têm razão de pedir uma solução rápida.

Mais para bicho-preguiça

O deputado Gehlen Diniz (PP) diz que a CPI da SEHAB está a “passos de tartaruga”. Está mais para bicho-preguiça, que ainda é mais lerdo. E olhe que na CPI existem dois deputados da oposição atuantes, o próprio Gehlen e a deputada Eliane Sinhasique (PMDB). Dará em nada.

Melhor que o marasmo

A Câmara Municipal de Rio Branco vai fechar o seu primeiro período legislativo em alta, com debates, e com uma bancada de oposição atuante e que cobra ações do prefeito. É bem melhor do que o marasmo da última legislatura, que era um puxadinho da PMRB.

Se der quorum: é milagre

Começou ontem a revoada de deputados do PT e da FPA para Cruzeiro do Sul, a onde no sábado acontecerá a apresentação aos militantes dos pré-candidatos ao governo. Se der quorum para ter hoje sessão na Assembléia Legislativa será um milagre.

Conclave dos lisos

Quando se reúnem o DERACRE, INCRA e prefeituras do interior para discutirem melhorias nos ramais é o próprio conclave dos lisos, todos querem o serviço, mas falta o principal: grana. Já se sabe até o final da historieta: vai sobrar para o produtor, que sofre para escoar a produção.

Mistério do Juruá

O ex-prefeito Vagner Sales (PMDB) fechou-se em copas sobre a sua candidatura ao Senado.

Uma correção

O dirigente nacional do PTB, ex-deputado federal Roberto Jefferson, não irá a Cruzeiro do Sul quando da sua chegada a Rio Branco, no dia 29. A agenda é restrita à Capital e Sena Madureira.

Mineração gera desastre ambiental

O deputado federal Léo de Brito (PT) tem razão em preocupar com um desastre ambiental, com a concessão para uma empresa de Mato Grosso garimpar ouro no Juruá. Antes de se instalar já criaram problema, estão proibindo que olarias continuem atuando na área.

Dinheiro extra

As prefeituras ao longo do trecho entre Sena Madureira e Tarauacá vão ganhar um dinheiro extra das empresas que vão operar na recuperação da rodovia 364. Num tempo de crise bicuda, qualquer dinheiro que cair no caixa das prefeituras será uma festa.

Repetindo o primeiro mandato?

Até os seus próprios aliados o criticaram quando do seu primeiro mandato na prefeitura de Xapuri. E pelo andar lento da carroça parece que o prefeito Bira Vasconcelos tende a repetir a bisonha gestão que teve na sua primeira passagem pela prefeitura do município.

Não há como ser contra

As obras estão lentas, já furaram o cronograma, mas é um disparate ser contra o Hospital Regional de Brasiléia, sob alegação que é muito grande. Além de atender quando pronto a população dos municípios do entorno, quando se executa uma obra tem de se pensar no crescimento da população.

Cortem-lhe as cabeças! Cortem-lhe as cabeças!

Assim bradava a “Rainha Vermelha” no conto “Alice no País das Maravilhas”, aos adversários. Temos na ALEAC o nosso “Rei Careca”. Também louco por ver cabeças rolando. É o deputado Gehlen Diniz (PP). Quer com base no seu projeto aprovado na Casa, que extinguiu o artigo da Constituição Estadual que garantia a pensão para ex-governadores, que o governo deixe de pagar estes ex-governadores. Esquece que seu projeto só produzirá efeitos daqui para frente. E como estas pensões foram adquiridas baseadas em uma lei, a PEC do Gehlen Diniz (PP) não pode retroagir para acabar com o direito adquirido, que é uma norma legal. Mas vamos aguardar a posição do MP, a quem o parlamentar apelou pedindo o fim imediato dos pagamentos. Mas fecho com o Gehlen em um ponto: é imoral que se acumule as pensões com outros ganhos, como de deputado federal e senador, porque isso é uma aberração ética.

Coluna do Crica

Uma tática do tempo que minha bisavó era adolescente

Fui conversar com um amigo aliado do deputado federal Alan Rick, sobre o balão de ensaio do lançamento do seu nome de candidato a governador pela aliança DEM-PSDB. Na sua sinceridade deixou escapar que, trata-se de uma estratégia de com isso forçar a que seja convidado pelo candidato a governador a retirar o seu nome em troca de ganhar a vaga de vice-governador na chapa. Esta é uma estratégia política do tempo que a minha bisavó era adolescente. Nem o mais ingênuo participante da política acredita que possa ser algo sério, simplesmente, porque o Alan (foto) teria pouca chance de sucesso e não iria jogar pela janela uma reeleição com possibilidade de acontecer. Os pensadores do Alan precisam ser mais criativos. Não adianta tentar descobrir a pólvora, porque esta já foi descoberta.

Pedra cantada

Era pedra cantada que, o casal Toinha Vieira e Zé Vieira, não apoiaria o candidato a ser lançado pela oposição ao governo. Rusga esta que vinha desde a campanha da Toinha para a prefeitura de Sena Madureira. Ao cair nos braços do governador Tião Viana, Toinha e Zé marcaram posição a favor FPA. A curiosidade fica por conta do presidente do PSDB, Major Rocha, já que os dissidentes dizem que, para governador votarão e pedirão votos para o nome a ser lançado pelo PT, mas para  senador marcharão coesos com o Major Rocha. Rocha os manterá no PSDB ou pedirá que saiam? Rocha, com a palavra!

Se movimentando bem

Quem vem se movimentando bem nos mais diversos segmentos políticos é o deputado Daniel Zen (PT), que ao que parece tomou gosto pela candidatura ao governo. Trabalha para chegar num bom patamar nas pesquisas que serão realizadas neste período até setembro.

Bem avaliado

O superintendente do INCRA, Eduardo Ribeiro, é bem avaliado até entre os deputados de oposição, que destacam a forma cortês de receber, sem importar-se com a cor partidária. Ribeiro não quer saber se quem procura o órgão é da oposição ou do governo, atende todos com a mesma deferência.

Ficou saturada

A discussão sobre as obras da BR-364 já ficou saturada. É deixar o verão correr para ao final avaliar se o trabalho realizado pelo DNIT ficou de boa ou péssima qualidade. Até lá é justo que o superintendente do DNIT, Thiago Caetano, fique em quarentena de críticas.

Levantando o PTB

Está marcada para o próximo dia 29 a chegada do dirigente nacional do PTB, ex-deputado Roberto Jefferson, em Rio Branco, para num ato solene abonar a ficha de filiação e tornar oficialmente a publicitária Charlene Lima, presidente regional do PTB. Também irá á Cruzeiro do Sul para uma palestra. Foi quem detonou o comando petista no Petrolão.

Fazendo feijão com arroz

O prefeito de Senador Guiomard, André Maia, vem fazendo o feijão com arroz nestes cinco meses de administração. Pelo menos não está parado. Nos Postos de Saúde não faltam médicos e medicamentos e tem feito ações pontuais na cidade. Menos mal. Precisa só entender que oposição é necessária para qualquer ocupante de mandato majoritário.

Coçando a língua

Numa roda de deputados ontem o assunto era os secretários candidatos a uma vaga na ALEAC, que supostamente estariam usando a máquina pública para amarrar votos às suas candidaturas. “Estou juntando fotos, depoimentos, e em breve vou detonar o primeiro”, prometeu um deles. Quando a guerra é por vagas não tem essa de ser do mesmo partido.

Nada contundente

Não esperem nada contundente contra a PMRB, no relatório a ser apresentado pelo vereador Jackson Ramos (PT), na CPI do Transporte Público. Jackson é um petista visceral e jamais faria algo para prejudicar a imagem do prefeito Marcus Alexandre. Confiram o que escrevi.

Exatamente por tudo isso

E é exatamente por isso que o vereador Roberto Duarte (PMDB) apresentará um relatório alternativo. Será bom para não ficar só o lado oficial da história, mas com cara e coroa.

Piegas e apelativo

O prefeito Marcus Alexandre não precisa ser apelativo e piegas para conquistar votos. Como no caso da foto que enviou à mídia tomando coca-cola com alguns trabalhadores. Passa a idéia de apelação política. A sua gestão não será medida pelo número de refrigerantes distribuídos.

Ato no Juruá

Está programado para o próximo sábado em Cruzeiro do Sul um grande encontro com os deputados da FPA, governador Tião Viana e os candidatos ao governo Emylson Farias, Daniel Zen, Marcus Alexandre e Nazaré Araújo, que deverão ser apresentados á militância como as caras da sucessão. Assim como os candidatos ao Senado Ney Amorim (PT) e Jorge Viana (PT).

Tudo que não queria

Tudo o que o prefeito Marcus Alexandre não queria aconteceu, vestir a roupa de candidato ao governo este ano. Não conseguiu. A partir de agora será alvo dos mais diversos pedidos pessoais quando for aos bairros. Não será mais o prefeito e sim o candidato do PT ao governo. É assim que será tratado, não há como fazer mais a diferença do gestor para o candidato.

Brincadeira de criança

Quer dizer que um secretário estadual só pode ser convocado por requerimento de um deputado da base do governo? Isso é política pequena! O pedido de convocação do secretário Gemil Junior feito pela deputada Eliane Sinhasique (PMDB) foi barrado. E outro com igual teor do deputado Raimundinho da Saúde (PTN) será aprovado. Será questionado da mesma forma.

Explicação sem sentido

O deputado Raimundinho da Saúde diz que está convocando o secretário de Saúde, Gemil Junior, para que explique a fila grande para exames e cirurgias. Isso não é atribuição do Gemil, mas de exclusividade da direção do Hospital das Clínicas. Atirou na paca e acerto na cotia.

Neste ponto sim

O deputado Raimundinho acertou na convocação do secretário de Obras do governo, Átila Pinheiro, para explicar o motivo de várias obras do governo estarem paradas no sistema de Saúde. Isso sim é competência da sua pasta. Vamos ouvir o que terá a dizer.

Zero a zero

A próxima eleição será no zero a zero. Nem a oposição poderá chamar os petistas de corruptos e vice e versa. Estão todos até o talo enrolados na Lava-Jato.

Ainda sobre o parlamentar

Já que estamos falando do deputado Raimundinho da Saúde (PTN), não pode se deixar de falar ser meritória a sua preocupação em oferecer cursos à comunidade carente que quer participar do ENEN, vestibular e para o próximo concurso para o Corpo de Bombeiros. Gratuitamente.

Faltou o Eber

Na relação que publiquei de candidatos a deputado federal omiti o nome do deputado Eber Machado (PSDC), justamente um dos que mais tem andado o Estado amarrando apoios. Como parlamentar da ALEAC, Eber Machado (PSDC) não é omisso na sua atuação parlamentar.

El Dorado

Quando for ao Juruá visitarei Mâncio Lima. O deputado Jonas Lima (PT) fala tantas maravilhas da administração do seu irmão, o prefeito Isaac Lima (PT), como se lá fosse a lendária El Dorado.

Também brigou

Muita gente criticou a presença da deputada Leila Galvão (PT) na festa da oposição ontem em Brasiléia, de largada para as obras complementares do anel viário da Avenida Marinha Monte. Esteve por diversas vezes na tribuna da ALEAC reivindicando a obra. É real. Mas para sermos justos, o mérito da liberação  da verba é dos parlamentares federais da oposição.

Brigando no muque

Sem ter nenhuma estrutura da oposição, quem vem brigando no muque e na força de vontade contra o PT em Brasiléia é o empresário Lira. Virou carne de pescoço para os petistas. É praticamente uma das poucas vozes que se levanta contra o petismo, no Alto Acre.

Operação G-7 como exemplo

Prisão preventiva é algo excepcional e não a regra geral no Direito. O empresário Acrevenos Spíndola foi preso como simples acusado, tendo domicílio fixo, empresa onde trabalha e não representa nenhum perigo à ordem pública. Poderia ter sido ouvido, apresentado a sua defesa e se provado tudo o que se alega, então fosse preso. Mas inverteram os papéis. Prenderam antes. Este argumento que participava de licitações com empresas de familiares para ganhar é frágil. Porque donos de outras firmas poderiam participar dos pregões eletrônicos, que são públicos. Ganha quem apresenta qualidade, preço e a certeza da entrega do objeto licitado. Se uma Comissão de Licitação homologa como legal uma licitação é porque deve ter preenchido todos os requisitos. Não há como separar quem vence de quem homologa, porque um ato sucede o outro. Estão umbilicalmente ligados. Não há como haver má-fé unilateral. Não se pode burlar  licitações sem a conivência das comissões de licitações. Isso não existe! Estão todos no mesmo cesto. O que se espera das instâncias superiores da justiça é que o empresário e sua mulher e os outros presos respondam o processo em liberdade e com o mais amplo direito de defesa.  O G-7, quando dezenas de empresários foram presos por meses e depois todos foram absolvidos, é um exemplo marcante que em se tratando de justiça o açodamento não é um bom caminho. Respeito quem diverge da minha posição acima, mas é o que penso. Deixemos o processo seguir o seu curso, mas sem atropelos.

Coluna do Crica

Marcus saiu do armário e anunciou candidatura ao governo

Até aqui o prefeito de Rio Branco, Marcus Alexandre, vinha tirando uma de João sem Braço, saindo com evasivas quando perguntado se seria candidato ao governo em 2018. Mas na reunião de ontem com os demais postulantes à indicação, resolveu sair do armário e anunciou no encontro que pretende ser candidato a governador. É a primeira vez que, Marcus Alexandre (foto) admitiu esta possibilidade, furando a sua promessa de que somente falaria sobre o assunto no próximo ano. Para quem tem acompanhado o trabalho da PMRB e suas frentes de serviço não é novidade esta candidatura, pois, ele vem aliando estas ações à política, como já estivesse em plena campanha para governador em 2018. Com esta revelação não há mais o segredo de polichinelo de que estava focado só no trabalho da PMRB.  Mas, também em buscar votos. Leva vantagem sobre os demais nomes da FPA por estar na máquina da PMRB, com uma exposição diária nos bairros. Só falta mesmo distribuir santinhos aos moradores.

O buraco é mais embaixo

Só que o buraco para a disputa do governo é bem mais embaixo. Não será aquele mamão com mel que Marcus Alexandre pegou na reeleição.

Virou “ajudador”

O senador Jorge Viana (PT) tentou de todas as maneiras impor o seu pensamento de não se discutir a sucessão estadual este ano, com várias candidaturas. Foi voto vencido. Criticado até pelo andar debaixo do PT, agora emite uma nota resumindo seu papel a de um “ajudador”.

Máxima política

Em política é preciso em certas ocasiões dar uma passo atrás para depois dar dois à frente.

Sentado no cofre

Quem manda numa sucessão estadual é o governador, pelo fato de estar sentado no cofre e com a caneta que nomeia e demite nas mãos. Claro que iria prevalecer a sua proposta de se ter na FPA vários candidatos ao governo. Ou alguém imaginou uma derrota do Tião Viana?

Conhecido nas bibocas

O senador Sérgio Petecão (PSD) é o único dos candidatos a senador pela oposição que conhece todas as bibocas do Acre. Ainda assim prossegue suas ações como se estivesse em campanha. Não ponha o senador Petecão, como carta fora do baralho na disputa das vagas do Senado!

Muito improvável

Até parlamentares da oposição consideram improvável que a Câmara Federal vá aceitar o pedido do STF para processar o presidente Michel Temer, que tem votos que lhe garantem a permanência no poder. Posso até estar errado, mas dificilmente, Temer será deposto.

Calados entraram e calados ficaram

Os dirigentes dos partidos nanicos que andaram ensaiando um manifesto a favor da candidatura do prefeito Marcus Alexandre a governador, entraram calados e saíram mudos da reunião acontecida ontem com o governador Tião Viana e o senador Jorge Viana (PT).

Concentrado no Alto Acre

O senador Flaviano Melo (PMDB) , eventualmente, poderá ir pedir votos no Juruá, perdeu espaço na região para a deputada federal Jéssica Sales (PMDB). O forte de sua campanha deverá ser centrado na Capital, Sena Madureira, Manuel Urbano e municípios do Alto Acre.

Organizar melhor

O deputado federal Flaviano Melo (PMDB) precisa organizar melhor a sua campanha de reeleição, na última disputa já se elegeu com certa dificuldade. Foi um aviso do eleitor.

Campanha arregaçada

O vereador Manuel Marcos (PRB) precisa fazer, como se diz no popular, uma campanha arregaçada para se eleger deputado federal. Só os votos da Capital não lhe garantirão a vitória. Rio Branco é um colégio eleitoral mais furado do que queijo suíço. Precisará do interior.

Base em cobija

As campanhas em Brasiléia são interessantes. Com pouco o quase nenhum espaço na mídia, a oposição aluga horários em rádios da Bolívia e larga o malho no PT. A justiça eleitoral não pode intervir porque a produção do programa é em Cobija. E tome sarrafo do pescoço à canela!

Maior torcedor

Ninguém torce mais pela vitória do senador Gladson Cameli (PP) para governador do que o ex-prefeito de Senador Guiomard, James Gomes. É que sua mulher Marilza Gomes é a primeira suplente do Gladson e ganharia quatro anos de Senado.

Só depois de ver

Fala-se muito no momento em Reforma Eleitoral. Mas sou descrente que mude alguma coisa na legislação eleitoral para o pleito do próximo ano. Com o atual Congresso? Duvido!

PT decide lançar candidato ao governo em setembro

Duas reuniões políticas, uma entre os candidatos ao governo Nazaré Araújo, Daniel Zen, Emylson Farias e Marcus Alexandre e a outra com o senador Jorge Viana e o governador Tião Viana e os partidos da FPA, definiram ontem o rumo da sucessão estadual. Venceu a tese de que os pré-candidatos a governador continuarão a manter as suas atividades políticas na busca de popularizar o nome e que o anúncio oficial do candidato ao governo acontecerá em setembro. Prevaleceu justamente a tese defendida pelo governador Tião Viana. Duas pesquisas de opinião pública deverão acontecer neste período. Decidiu-se ainda que, Tião Viana vai comandar a campanha. Nenhum dos dirigentes dos partidos nanicos presentes contestou.

Uma disputa interessante

A Educação é uma forte base eleitoral e tem servido de escada para a eleição de vários deputados. Na campanha do próximo ano poderemos ter uma disputa interessante pelos votos desta área para a ALEAC: o atual secretário Marcos Brandão e a sindicalista Rosana Nascimento. Ambos em lados políticos opostos.

Não deve demorar

A deputada Eliane Sinhasique (PMDB) não deve demorar muito tempo no comando do seu programa na FM-93. É o forte burburinho que já se escuta nos meios políticos do PT.

Apostas em cada esquina

Em Tarauacá as apostas correm soltas nas esquinas se a prefeita Marilete Vitorino (PSD), acusada de compra de votos, com sentença prestes a sair, será condenada ou absolvida.

Campo livre

Em Cruzeiro do Sul há um campo livre para os candidatos a deputado estadual, mas nada recomendável para os que não possuem domicílio eleitoral na cidade. Ainda há bairrismo.

Dois pontos de vistas

Não concordo com muitas das posições políticas do ex-deputado federal Henrique Afonso (PSDB), mas não posso deixar de reconhecer que é um político de mãos e passado limpos. Henrique deverá disputar uma vaga para a Câmara Federal. Sua base é o Juruá.

Propósito de unir

O deputado Daniel Zen (PT) manifestou-se dizendo que, essas reuniões só têm um propósito: a união da Frente Popular e o fortalecimento do projeto político. Foi feito um acordo que as agendas políticas continuam e que o melhor avaliado será apoiado pelos demais.

Chequei antes de publicar

Fui checar a denúncia de licitação supostamente superfaturada da venda de medicamentos pela empresa BIOLAR á prefeitura de Epitaciolândia. Alguns dos remédios são até mais baratos que a tabela nacional. Onde havia distorção foi corrigido. E o mais importante: não foi emitida ainda nenhuma nota de faturamento. A BIOLAR é uma empresa séria e respeitada no mercado.

Permitida por lei

É a questão de se pegar carona em outras licitações é permitido pela lei. Não há ilegalidade.

Morreriam abraçados

Os candidatos ao Senado pela FPA, Jorge Viana (PT) e Ney Amorim (PT), se entenderam politicamente. Se ambos fossem para a campanha desunidos poderiam morrer abraçados.

Senado, o nó da oposição

A Frente Popular já sacramentou os nomes de seus dois candidatos ao Senado: senador Jorge Viana (PT) e deputado Ney Amorim (PT), que se equivalem em densidade eleitoral. A oposição está longe de chegar a um consenso idêntico. São cinco os postulantes: Sérgio Petecão (PSD), Major Rocha (PSDB), Márcio Bittar (PSDSB), Tião Bocalom (DEM) e Vagner Sales (PMDB). E não se nota em nenhum deles a intenção de uma reunião para num consenso saírem apenas com duas candidaturas a senador. Este ano, esqueçam! No próximo ano, também não sei! Todos os nomes da oposição têm demonstrado com atos que, não pensam numa desistência. Aguardemos 2018.

Coluna do Crica

Zen passa ser “prioridade” no PT

Perguntei a uma das figuras mais expressivas do PT, sobre o imbróglio acerca da indicação do candidato ao governo do partido. “Se depender do governador Tião Viana, o candidato será o deputado Daniel Zen, vai tentar viabilizar seu nome. Isso passou a ser prioridade”. Foi a resposta. Ao longo da semana essa afirmação veio a se confirmar, em todos os atos de governo acontecidos nos municípios, Zen (foto) foi uma figura sempre presente. Até nos mais distantes rincões do Juruá. Aliados do governador acreditam que, o nome do parlamentar petista chegará a um patamar nas pesquisas que o deixará em condições de ter seu nome sacramentado. Explicam o fato do PT antecipar o anúncio do candidato para setembro, exatamente, para o governador ter mais tempo de trabalhar a candidatura da sua preferência.  Zen tem dito que, vai buscar ampliar os seus espaços políticos e que, todo candidato da FPA que tiver o apoio do governador Tião Viana e do prefeito Marcus Alexandre será competitivo. O jogo está jogado. Até um desatento observador político nota que Zen é o candidato preferido da cúpula palaciana. Isso é notório. É agora aguardar o resultado das pesquisas.

Foi chamado de “doido”

Esta mesma fonte revelou que o governador Tião Viana joga com os mesmos dados na mesa que jogou quando lançou Marcus Alexandre a prefeito no primeiro mandato, quando nas primeiras pesquisas chegou a aparecer com 3%. “Na ocasião foi chamado de doido, e o Marcus ganhou, para a descrença dos petistas que não o queriam, quer repetir a dose”, completou.

Amante argentina

O prefeito Marcus Alexandre, mesmo sendo o nome do PT que melhor apareceu nas pesquisas para governador dentro da FPA, não é nenhum ingênuo para não ter notado que, nesta história é uma espécie de amante argentina (sic), não é o número um na preferência palaciana.

Fazendo político

O prefeito Marcus Alexandre até aqui tem mantido um silêncio de monge budista, ao não querer falar de candidatura este ano. Mas quem observar as notícias produzidas pela PMRB vê um Marcus direto nas áreas urbanas e rural, num pique de quem está em campanha política. Faz um verdadeiro corpo a corpo.

Desabafo de um ex-rei

O desabafo do senador Jorge Viana (PT), em recente reunião com sindicalistas em Xapuri, reclamando que não é ouvido pela cúpula do governo e por grupos do PT sobre a sua posição política (é contra o fato do PT ter decidido ter vários pré-candidatos ao governo e defende que o candidato seja Marcus Alexandre e o assunto só se discuta em 2018), é mais uma prova de perda de espaço dentro do partido. O Jorge Viana chegou a um ponto que toda declaração que faz recebe uma saraivada de críticas dentro do PT, até do andar de baixo. Só falta mesmo ser criticado pelo vigia da sede do PT. Eu acho que ele perdeu esta guerra: o PT não vai recuar e continuará com a tese de várias candidaturas ao governo.

Em plena campanha

Novidade para deputado estadual. O secretário de Educação, Marcos Brandão, anda procurando os ocupantes de cargos de confiança da secretaria e pedido que não assumam nenhum compromisso de voto, porque será candidato a deputado estadual. Usa como argumento que o deputado Daniel Zen (PT) será candidato ao governo e a Educação não pode ficar sem um representante na ALEAC.

Candidatura encaminhada

Quem também resolveu encarar o desafio de disputar uma vaga na ALEAC é o militante petista Cesário Braga, que é um dos nomes de proa da corrente petista DR, do Carioca e companhia limitada.

Pesquisas da VOX POPULIS

A coluna tem informação de que o PT pretende contratar duas pesquisas do instituto VOX POPULIS, para acontecer no período de julho e setembro, para se medir como estarão Daniel Zen, Nazaré Araújo, Emylson Farias e Marcus Alexandre, na preferência para o governo.

Mal das pernas

Celular toca. É o deputado federal Major Rocha (PSDB) para fazer ironia com o ex-prefeito Vagner Sales e a deputada federal Jéssica Sales: “na eleição direta para as sete subprefeituras de Cruzeiro do Sul, o Vagner e a Jéssica ganharam em uma”. “É jogou pesado”, pontuou.

As pesquisas vão dizer

Sobre a candidatura de senador diz o Major Rocha (PSDB) que, está mantido o pacto com o ex-prefeito Tião Bocalon (DEM), dentro da coligação PSDB-DEM de que, quem aparecer melhor nas pesquisas será o candidato ao Senado. “Da minha parte não tem problema algum”, avisa.

Parede com ouvidos

Em recente conversa do governador com um Conselheiro do TCE, a conversa entrou para a política, Tião Viana revelou  ao Conselheiro que, o seu candidato é o deputado Daniel Zen (PT). Como eu soube? Ora, ora, dona Aurora, ainda não aprenderam que paredes têm ouvidos aguçados?

Precaução

O deputado Alan Rick ainda não se filiou ao DEM por precaução. Mesmo que o PRB tenha lhe dado uma carta de compromisso que não recorrerá contra a sua saída, resolveu esperar mais um tempo. Está sendo prudente. Sabe que, mesmo com a “carta” o suplente ou o MP podem lhe acionar por infidelidade partidária. Há casos de perda de mandato em episódio idêntico.

Não toco no assunto

O que tinha de comentar sobre a rodovia 364, já comentei. E diversas vezes. Resolvi parar para ver a qualidade dos serviços do DNIT, no trecho entre Sena Madureira-Tarauacá. Não tenho o dom da futurologia para me antecipar em críticas ou elogios. Aguardo, pois, as obras.

Qual é a do cacique?

Ninguém sabe ainda qual será a do deputado federal Moisés Diniz (PCdoB), após passar o mandato ao titular Sibá Machado (PT), em abril do próximo ano. Vai ser candidato a Federal? Pelo PCdoB, com a Perpétua Almeida disputando a Câmara Federal? Cabe? A palavra está com o “Cacique”, que neste pouco tempo de parlamento federal deu visibilidade ao seu mandato.

Primeiros movimentos

O presidente do DEPASA, Edvaldo Magalhães, embora de público diga que espera ver a regra do jogo antes de pensar em candidatura, nos bastidores sabe-se que, já está tendo conversas. Seria um candidato à ALEAC com uma boa margem de sucesso, pela estrutura partidária.

Insistindo na candidatura

A ex-deputada Toinha Vieira, conta quem com ela conversa que, não está propensa em ser candidata a deputada federal, mas acabará se candidatando pela insistência do marido, ex-deputado Zé Vieira (PSDB). O seu problema é que seu reduto se restringe à Sena Madureira.

Eleição mobilizada

Está havendo uma mobilização grande entre a oposição e defensores do PT, na disputa da presidência do Sindicato, dentro da reserva Chico Mendes, em Xapuri, reduto que o PT, se não é mais tão hegemônico como antes, mas ainda tem muita influência nesta base eleitoral.

Todo verão

O prefeito de Cruzeiro do Sul, Ilderlei Cordeiro, tem todo o verão para justificar a sua eleição, com ações para recuperar os bairros periféricos, em sua maioria com ruas danificadas. Terminado o verão é que se verá se a população acertou ou não em lhe eleger prefeito.

Principal motivo

O que embala a vontade férrea do presidente do PDT, Luiz Tchê, em formar uma “chapinha” para a Câmara Federal, com candidatos de pequenos partidos é que será também uma das candidaturas. Sabe que se for candidato a Federal no “chapão” do PT será engolido.

Fora de cogitação

O deputado Heitor Junior (PDT), que cumpre um bom mandato, descarta qualquer possibilidade da mulher e vereadora Elzinha (PDT), tentar uma vaga na Câmara Federal. Heitor disputará a reeleição com a imagem de um parlamentar sempre presente nos debates. Mesmo sendo da base do governo, não poupa as críticas quando isso se faz necessário.

Nome respeitado

Montando um corpo competente de assessores para coordenar a sua campanha, o médico e ex-vereador Carlos Beirute, com filiação no DEM, entra na briga por uma das vagas na Assembléia Legislativa com uma boa dose de sucesso. É um nome respeitado na sociedade.

Chapa sem medalhões

O PSL trabalha para montar uma chapa a deputado estadual que não tenha ninguém com mandato ou ex-deputado. Quer entrar na disputa com nomes novos na política, entre eles o Diretor do DETRAN, Pedro Longo. Para a Câmara Municipal o PSL elegeu dois vereadores.

Câmara Federal

Dos atuais deputados estaduais, três serão candidatos a deputado federal na eleição do próximo ano: Nelson Sales, Jesus Sérgio e Luiz Gonzaga. O restante irá para a reeleição.

Meio difícil

O ex-deputado Chico Viga terá problemas para encontrar um partido pequeno que o aceite como candidato. É que Viga tem passado dos quatro mil votos em suas eleições, o que assusta os novos concorrentes. Terá que acabar entrando num partido grande para tentar a ALEAC.

O rolo compressor está a caminho

Secretários que serão candidatos a deputado pela FPA: Pedro Longo, Marcos Brandão, Sibá Machado, Sawana Carvalho, Nil Figueiredo, Henry Nogueira e Gemil Junior. Se algum deputado de partido nanico pensa que terá moleza na eleição se engana com a cor da chita. O PT virá como um rolo compressor para eleger os seus secretários e os atuais deputados do partido.

Notícia de ultima hora

Os presidentes dos partidos nanicos ficaram de se reunir nesta manhã na residência do senador Jorge Viana (PT) para lhe hipotecar apoio e tirar uma “Nota” em que defendem a candidatura do prefeito Marcus Alexandre, como exclusiva dentro da FPA.  Mais notícia ao longo da manhã.

Velha regras imorais

Estou entre os que acreditam que, não haverá mudanças nas atuais imorais regras eleitorais. É que o espírito de corpo prevalece quando se trata de fazer a Reforma Política, porque os parlamentares querem preservar o que os beneficia. Implantar a cláusula de barreira para brecar a enxurrada de novos partidos, fim das coligações proporcionais, se eleger os mais votados, não acredito que venha a ser aprovado pelo Congresso este ano, para valer na eleição de 2018. Senado e Câmara Federal vêm postergando promover qualquer modificação na lei eleitoral. A Lava-Jato, ao que indica, ainda não serviu de lição. E a farra continuará em 2018.

Coluna do Crica

Fim de conversa.

A recente reunião da cúpula da FPA serviu para definir a vitória dos que defendem a pluralidade de candidaturas ao governo e foi derrotada a ala integrada pelo senador Jorge Viana (PT) e o prefeito Marcus Alexandre, que queriam colocar em discussão a sucessão somente no próximo ano. Serão mantidas as candidaturas de Daniel Zen, Emylson Farias e Nazaré Araújo, junto com a de Marcus Alexandre, como já tinha decidido a tendência majoritária do PT, em convenção. O governador Tião Viana (foto) será o comandante das ações da campanha. Ficou decidido que, cada candidato continuará buscando ampliar os seus espaços. A definição oficial sobre o nome do candidato está prevista para setembro e levará em conta duas pesquisas que acontecerão neste espaço de tempo, o poder de aglutinação de cada candidatura o momento político. No PT, costuma-se aplicar o velho ditado: “manda quem pode, obedece quem tem juízo”. Só não terminou tudo em forró porque faltou o sanfoneiro.

Aprendam uma coisa!

Nunca tomem partido em briga de petistas, porque eles sempre se acertam, é que tomou lado fica com cara de tacho. Entre tapas e beijos, eles sempre acabam em beijos.

O diferencial petista

O grande diferencial entre os petistas e alguns dirigentes da oposição é que eles brigam, mas se reúnem e se acertam e acaba com o dito pelo não dito. Na oposição brigam e ficam de mau.

Tendência muito clara

O governador Tião Viana e os que o cercam não conseguem esconder uma tendência muito clara na torcida para que o deputado Daniel Zen (PT) consiga decolar a sua candidatura ao governo. Apostam na tese que, acabou dando certo com Marcus Alexandre para a PMRB.

Não apostar

Não apostem num racha dentro da FPA saindo para o governo com qualquer das quatro candidaturas. Sabem que, se não entrarem unidos matam a galinha dos ovos de ouro.

Espaço a ser ocupado

Como a coluna tinha antecipado, o PRB iria ocupar o espaço deixado pelo deputado federal Alan Rick, que deixou o PRB pelo DEM. A candidatura a Federal do vereador Manuel Marcos (PRB) se insere na disputa por ser um Pastor da Igreja Universal, de quem terá toda estrutura.

Dobradinha definida

Uma coisa é certa. O PRB não tem chapa para disputar com candidaturas próprias vagas na Assembléia Legislativa e Câmara Federal e, nos dois casos, terá que buscar uma coligação.

Nome da primeira-dama

A candidata que o grupo da primeira-dama Marlúcia Cândida vai apoiar para deputada estadual é a secretaria Sawana Carvalho. É extremamente preparada, mas não tem militância política. Mas significa pouco, em candidatura proporcional, depende da estrutura que terá. Sua campanha será ancorada no grupo das mulheres do PT, que foi quem a lançou.

Sem bola de cristal

Não se pode criticar o que ainda nem aconteceu. É o caso da recuperação da rodovia 364, no trecho entre Sena Madureira-Tarauacá. Vamos esperar a condução das obras pelo dirigente do DNIT, Thiago Caetano, para elogiar se for bem feita e criticar se o serviço for de má qualidade.

Debate sem nexo

Não adianta este debate virulento pela rede social, antes da obra concluída não há o que falar.

FHC ficou gagá?

Fazer uma nova eleição como defende o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, sem uma Reforma Política, é uma grande falácia. Ele acha por acaso que os senadores e deputados federais vão votar numa PEC antecipando eleições gerais, jogando pela janela um ano e seis meses de mandato que ainda possuem? Aproveita e conta agora aquela piada do papagaio.

Os caminhos do JV

O senador Jorge Viana (PT) merece respeito por tudo o que já foi no Acre e as obras que, ele fez, foram bem feitas. Mas, este respeito parece que não tem mais de setores do seu partido, que mesmo os do andar de baixo o instigam e o criticam de público toda vez que emite uma opinião. Se assim agem tendo mandato, o que não farão caso não consiga se reeleger?

Disputa difícil

Não é preciso nem conhecer de política para se antever que, se a oposição sair com dois candidatos ao Senado uma vaga ficará com ela. Já há todo um trabalho para que isso aconteça. É difícil? Claro! Mas em política sempre se conseguem arranjos que pareciam impossíveis.

Deputado federal

Chapa para a Câmara Federal até aqui da oposição: Flaviano Melo (PMDB), Alan Rick (DEM), Luiz Gonzaga (PSDB), Jéssica Sales (PMDB), Sérgio Barros (PSDB), Antonia Lúcia (PR), Marivaldo Melo (PSD), Henrique Afonso (PSDB), Vanda Denir (PP), Fernando (PP), N. Lima (DEM) e Jesus Sérgio (PDT) e Maurício Hohenberg (PP).

Uma chapa encorpada

Basta olhar para os nomes dos candidatos da chapa da oposição para ver que é encorpada.

Não tenho nem dúvida

O PT, PSB e PCdoB, juntos não conseguirão montar uma chapa de 12 bons candidatos a deputado federal. Por isso não tenho a menor dúvida que vão pressionar os partidos nanicos, para estarem todos num “chapão” para a Câmara Federal. Temem perder cadeiras.

Quem melhor se movimenta

Quem melhor se movimenta dentro do PT, até por ser o presidente do partido, é o deputado Daniel Zen, isso o ajuda na movimentação para conseguir aliados à sua candidatura a governador. Tem que sair pelo menos como o segundo colocado nas primeiras pesquisas para brigar pela indicação.

Perdeu a poltrona da frente

Desde a fundação da FPA, o PCdoB vem sendo uma espécie de noiva preferida do PT. Sempre foi o segundo protagonista dentro da aliança. Com a perda da vice-prefeitura da Capital seu prestígio declinou e foi substituído no papel de aliado prioritário pelo PSB. Os fatos mostram.

Foi fragilizado

Desde que o ex-deputado Edvaldo Magalhães (PCdoB) e a ex-deputada federal Perpétua Almeida (PCdoB) ficaram sem mandato, os comunistas perderam a influência na FPA.

Buraco city

Xapuri criou uma nova forma de atrair turistas: as suas ruas completamente esburacadas, ideais para campo de provas de tratores. O deputado Antonio Pedro (DEM) diz que é tanto buraco que estão brigando por espaços. O prefeito Bira Vasconcelos (PT) não disse a que veio.

Disputa sem favoritos

O PMDB tende a fazer dois deputados estaduais. Um é a ex-deputada Antonia Sales (PMDB). Não arrisco um palpite para dizer quem ficará com a segunda vaga, se os deputados Chagas Romão (PMDB), Eliane Sinhasique (PMDB) ou o vereador Roberto Duarte, só sucuris criadas.

Quem é o louco?

O PMDB terá um trabalho danado para montar uma chapa de deputado estadual. O candidato que entrar na chapa já entra sabendo que não vai ganhar e servirá apenas de bucha de canhão.

Parto difícil

A UPA de Cruzeiro do Sul, cuja obra já fez vários aniversários, tem a sua conclusão anunciada pelo secretário de Saúde, Gemil Junior, para o final do ano. Não é duvidando de graça, mas já foram feitas tantas promessas de inaugurações, que prefiro esperar o ato para acreditar.

Não vai para oposição

É decisão tomada. O PEN não integrará os quadros da oposição, já decidiu o seu presidente Jamil Asfury, que perseguirá o velho sonho de ser deputado federal. Tem que avaliar. No chapão do PT, será perder tempo. Se o PDT conseguir montar a “chapinha” é o caminho.

Candidato da IBB

Podem aparecer outros membros, mas o candidato que terá o apoio da cúpula religiosa da Igreja Batista do Bosque será o secretário de Saúde, Gemil Junior. É o nome do Pastor Agostinho Gonçalves.  Para a Câmara Federal deverá ser o deputado federal Alan Rick (DEM).

Casa de bons debates

A Assembléia Legislativa caminha para o seu recesso parlamentar, com um saldo mais positivo do que negativo de suas ações. O que tem sido saudável no plenário é que os debates entre a oposição e a base do governo são duros, mas não descambam para agressões pessoais, acontecem sempre em cima de temas. Um ou outro destempero pode ser colocado na conta do normal no parlamento, que é essencialmente um local de discussões políticas. Se não é excepcional, esta atual legislatura não pode ser enquadrada também como sendo medíocre. Cumpre o seu papel.

Coluna do Crica

Duas notas sobre a sucessão estadual

1º – Defensores da pluralidade de candidaturas ao governo no PT se reuniram ontem, numa manifestação bem representativa, na escola “Armando Nogueira, e fizeram uma manifestação em apoio ao deputado Daniel Zen (PT), como candidato ao governo. Zen é um dos quatro nomes anunciados em convenção do PT, como opção para a disputa do governo na eleição de 2018.

2º- O senador Jorge Viana, que defende que o assunto sucessão só seja debatido no próximo ano, chegou na noite de ontem, e marcou para às 8 horas de hoje uma reunião com toda a bancada de deputados do PT. O assunto a ser pauta do encontro não foi revelado. Mas deve passar pela sucessão estadual. Jorge defende a candidatura única ao governo do prefeito Marcus Alexandre.

Ilderlei tenta tirar DEM da aliança com PSDB

O prefeito de Cruzeiro do Sul, Ilderlei Cordeiro, está tentando tirar o DEM da coligação com o PSDB. Já teria feito uma conversa com alguns integrantes, sobre desfazer a aliança. Ilderlei não perdoa o PSDB, por ter tentado cassar a sua candidatura, acusando-o de comprar votos. A informação chegou à coluna ontem pelo presidente do PSDB, deputado federal Major Rocha (PSDB). Rocha diz não ter sentido o DEM ir se coligar com o PMDB, mas pretende conversar com o presidenteTião Bocalon, sobre essa investida para apartar os partidos, e saber qual a sua posição a este respeito. “Pelo PSDB a coligação está mantida, vamos aguardar uma posição oficial do DEM”. O PSDB se prepara para ter candidato a senador e chapas próprias para deputado estadual e deputado federal, observou Rocha. Voltou a afirmar que trabalha para ser o candidato a senador pelo partido. E que este é um assunto já resolvido no nos tucanos.

O que ganharia o Bocalon?

A princípio, não se vislumbra nenhum ganho ao presidente do DEM, Tião Bocalon, se aceitar uma coligação com o PMDB. Só teria sentido se fosse para ser o candidato a senador dos peemedebistas, algo muito pouco provável, já que o PMDB tem Vagner Sales de candidato.

Situação idêntica

A situação do ex-prefeito Tião Bocalon (DEM) também não difere mantendo a aliança com o PSDB. Bocalon quer ser candidato a senador, a mesma intenção do deputado federal Major Rocha (PSDB). A não ser que, Tião Bocalon queira sair em carreira solo a senador pelo DEM.

Situação interessante

Tião Bocalon é um dos melhores nomes da oposição, mas precisa de alianças partidárias para disputar o Senado com chance, porque o DEM tem apenas uma estrutura mediana no Estado.

Caminhos curtos

Um dirigente do PSB em conversa ontem, relatava a dificuldade do partido em montar uma chapa própria para deputado estadual, por causa da poderosa estrutura do deputado Manoel Moraes (PSB). “Ninguém quer entrar”. Na sua avaliação, o caminho é uma aliança com o PCdoB.

São rumos diferentes

A Delegada Carla Brito (PSB), se candidata a deputada estadual for, não se baseie na boa votação que teve para a prefeitura de Cruzeiro do Sul, porque toda FPA estava com ela. Para prefeito é um voto aberto, para ALEAC é muito compromissado. Comece a trabalhar desde já.

Zero a zero em arranhões

O PT costumava dizer que, a oposição “era um saco de gatos”, por causa das brigas dos seus dirigentes. Depois dessa confusão que se formou no seio do partido por divergências no método de escolha do candidato ao governo, o PT igualou-se à oposição em arranhões.

Primeiro passo

A CPI da SEHAB não poderá dar o primeiro passo, enquanto não conseguir junto ao MPF, uma cópia do inquérito sobre o caso. “Não podemos começar no escuro”, fala a deputada Eliane Sinhasique (PMDB), uma das integrantes da comissão de investigação. O pedido será feito.

Boa base para a ALEAC

Quem deverá vir de Sena Madureira com uma boa votação é a publicitária Charlene Lima (PTB), que vem trabalhando naquilo que é essencial numa candidatura: visitas, conversas e amarrações de boas alianças. No decorrer da campanha os outros componentes se ajustam.

O Acre é que precisa

O governador Tião Viana participou em Brasília de jantar dos governadores com o presidente Michel Temer. Alguns petistas podem torcer até a cara para o fato, mas, além de ser um ato institucional, quem precisa de recursos é o Acre, que não pode ter o luxo de partidarizar.

Sempre bem votada

A ex-deputada federal Perpétua Almeida (PCdoB) sempre se elegeu com uma boa votação, nas duas eleições que disputou para a Câmara Federal. O seu diferencial é que é aguerrida na campanha e ter um partido todo voltado para lhe eleger. É um dos nomes mais fortes da FPA.

Ainda não surgiu

Uma das figuras antigas do PMDB comentava ontem a situação do partido, em Brasiléia. Acha que, com a saída do ex-prefeito Aldemir Lopes de cena por problemas jurídicos, ainda não surgiu dentro do município uma liderança do seu porte, exímio na condução de campanhas.

O grande adversário

Até pelos petistas, eternos rivais, Aldemir Lopes é sempre comentado como um político sagaz.

Procurar outros caminhos

O deputado federal Flaviano Melo (PMDB) não deverá contar com o apoio dos prefeitos do Juruá, com a decisão da deputada federal Jéssica Sales (PMDB) de se candidatar à reeleição. Terá que procurar outros caminhos eleitorais, porque perdeu também a prefeitura de Brasiléia.

Blindagem sem sentido

Os deputados da base do governo usaram da maioria e vetaram a ida do secretário de Saúde, Gemil Junior para falar na ALEAC sobre o atraso de obras de unidades hospitalares, rejeitando um requerimento da deputada Eliane Sinhasique (PMDB). Foi uma blindagem sem sentido.

Competência da SEOP

Ainda que, quem responde pelas obras do governo é a SEOP, mas o secretário Gemil Junior poderia ser inquirido sobre outros problemas no sistema de saúde. Desenvolto, sairia bem.

Não ganhou muito

Ao indicar o advogado Eduardo Ribeiro para superintendente do INCRA, politicamente, o PMDB não ganhou muito. Eduardo tem se mostrado um bom gestor, mas a questão é que pegou a direção do órgão num dos mais críticos problemas financeiros, com cortes de verbas.

Político habilidoso

O Temer pode ter os seus defeitos, mas é um político habilidoso, conseguiu manter o PSDB na sua aliança e com isso a certeza que a Câmara Federal não dará licença para ser processado.

Discordando do Gonzaga

Não acho que pelo fato de ser Procurador da PGE, Cristovão Pontes, não pode assumir a direção do DERACRE. A questão não é esta. Mas o fato do órgão estar de pires nas mãos. E sem recursos não se faz milagre. Neste ponto discordo das críticas do deputado Luiz Gonzaga (PSDB).

Como virá a REDE?

Até o momento a direção regional da REDE anunciou apenas que terá candidatos ao governo e a senador na eleição do próximo ano. Mas não fala em nomes. Quem pode ter o luxo de lançar candidatos perto da eleição é partido grande, por ser estruturado em todos os municípios.

Precisa se definir

Quem precisa definir por onde será candidato a senador é o ex-deputado federal Márcio Bittar. Não lhe será favorável esta confusão na cabeça do eleitor se sairá pelo PSDB ou não. Este puxa-encolhe com o deputado federal Major Rocha (PSDB) não lhe é benéfico em nada.

Passando ao largo

Quem bem faz é o senador Sérgio Petecão (PSD), passando ao largo das confusões dentro da oposição e tirando as pedras do caminho da sua reeleição. Ainda porque tem mandato e ninguém tem o direito de pedir que abra mão de ser candidato. Um direito líquido e certo.

CPI de molho

Mesmo com o número legal de assinaturas a CPI da BR-364, proposta pelo deputado Luiz Gonzaga (PSDB), não deverá ser instalada antes do recesso parlamentar. Não sei nem se será colocada em funcionamento. E se ela for a sua maioria será formada por deputados da base do governo, que vetarão a convocação, por exemplo, de ex-governadores e dos dirigentes do DERACRE da época. Sem estes depoimentos a CPI não tem como avançar nas suas investigações. E ademais, a responsabilidade pela rodovia é agora o DNIT, comandada pela oposição.  A impressão que começa a se ter é que esta é uma CPI que já nasceu morta. Ou não? Há vários meses, a referida CPI dormita nas gavetas da Assembléia Legislativa.

Coluna do Crica

Oposição está “pessimista” com as obras da BR-364

A euforia do lançamento da abertura dos trabalhos na BR-364, com a presença de políticos da oposição e a direção do DNIT, acontecida em Sena Madureira, murchou na sessão de ontem da Assembléia Legislativa, com vários deputados da oposição demonstrando pessimismo em relação à recuperação do trecho total da rodovia. “Com apenas 230 milhões, o máximo que vai dar para fazer será um trabalho paliativo e em apenas alguns trechos”, lamentaram em discursos na tribuna da ALEAC, os deputados Jairo Carvalho (PSD), Luiz Gonzaga (PSDB) e Jesus Sérgio (PDT). “Temos que jogar limpo, não adianta enganar, não tem nenhum recurso empenhado, quanto mais liberado, para recuperar os piores trechos desta estrada que é entre Tarauacá e Cruzeiro do Sul”, pontuou Gonzaga. O deputado Jesus Sérgio (PDT) teme que por estar fora do cronograma de obras, a parte entre Tarauacá e Cruzeiro do Sul poderá ser interditada no inverno. “Isso pode acontecer”, previu. Foi criticado também o pequeno número de máquinas colocadas pelas empresas vencedoras das licitações. O que tenho visto é muito propaganda do DNIT, com duas equipes vão fazer o que, indagou um desalentado Luiz Gonzaga. O deputado Nelson Sales (PV) foi mais ponderado: “vamos aguardar os serviços serem feitos para depois criticar se for mal feito”. O que está previsto até aqui são reparos na rodovia de Sena -Madureira até Tarauacá. O próprio DNIT admite esta realidade.

Provando do veneno

Fino na ironia, o líder do governo, deputado Daniel Zen (PT), disse que o pessimismo dos deputados da oposição é porque caíram na realidade que não é fácil fazer estradas na Amazônia. Outro petista a ironizar foi o deputado Jonas Lima (PT): “é a própria oposição que diz que será um serviço paliativo”. A BR-364 tende a ser um centro de debates na campanha.

Sem moral

A deputada Eliane Sinhasique (PMDB) entrou em outro viés do debate, ao dizer que ninguém do PT tem moral para criticar a oposição: “passaram 20 anos, gastaram 2 bilhões e não fizeram a estrada”. Num contraponto, a deputada Leila Galvão (PT) perguntou o motivo pelo qual os governos da oposição em 30 anos não asfaltaram toda a BR-364, já que estiveram no poder.

Erro de estratégia

Um calejado político de vários mandatos comentava ontem numa roda na ALEAC que, a oposição cometeu um erro de estratégia ao assumir através do DNIT a responsabilidade pela estrada: “deveriam ter deixado com o governo, com a crise não teria dinheiro suficiente para recuperar a estrada e seria a vidraça da campanha. Se o DNIT não recuperar toda a estrada, a vidraça em 2018 deverá ser a oposição. Pegaram o DNIT na pior hora, numa crise econômica”.

Manifestação de apoio

Aliados da pré-candidatura do deputado Daniel Zen (PT) ao governo querem colocar em torno de mil pessoas hoje na quadra da escola “Armando Nogueira”, para lançar um manifesto em apoio ao nome de Zen ao governo. “Estou na briga e vou ocupar espaços”, declarou ontem.

Explicar obras

A deputada Eliane Sinhasique (PMDB) apresentou requerimento pedindo a presença do secretário de Saúde, Gemil Junior, na ALEAC, para explicar o motivo das obras como a UPA de Cruzeiro do Sul, Hospital de Brasiléia, HUERB, INTO, não terem ainda sido concluídas.

Batendo na porta errada

Já os deputados Raimundinho da Saúde (PTN), Jairo Carvalho (PSD) e Antonio Pedro (DEM) querem questionar o secretário Gemil Junior sobre a fila de cirurgias não andar. É um erro de informação. O setor não é de responsabilidade do secretário Gemil, mas da direção do Hospital das Clínicas (antiga Fundação Hospitalar), que tem autonomia sobre este setor.

Sem nenhum problema

O secretário Gemil Junior disse ontem à coluna que não terá nenhum problema em ir prestar qualquer esclarecimento na Assembléia Legislativa, desde que seja um assunto de sua alçada.

Números contestados

O deputado Heitor Junior (PDT) contesta os números apresentados de que a taxa de violência baixou, no Acre. Os números apresentados pela Segurança, segundo ele, são irreais e a violência fez foi crescer. Citou recente caso de roubo de uma camionete do pai de um assessor. Heitor diz não entender por qual motivo todo mundo que passa no trevo da PM não é parado para checar se quem dirige é dono do carro. Os bandidos passam livres, criticou.

Argumento da perenidade

A base do governo na Assembléia Legislativa usa o seguinte argumento para contrapor aos ataques dos deputados de oposição: “enquanto a BR-364 ficou sob a responsabilidade dos governadores do PT, nunca fechou para o tráfego”. Bisam toda vez que o tema é a 364.

Ficou igual a oposição

O PT primava por resolver as suas diferenças internamente. Mas perdeu este capital. Está se igualando com a oposição em confusão. Chegou a tal ponto do militante Cesário Braga atacar publicamente o senador Jorge Viana dizendo não ser ele “dono do partido” e que precisa pegar aulas de política. E olhe que, o Jorge já foi prefeito, governador e agora é senador.

Ninguém entendeu

Conversei ontem com alguns deputados do PT sobre este caso e todos acharam que, foi um ataque gratuito do Cesário Braga, sem nenhum sentido prático que possa ajudar o PT, neste processo de sucessão. Principalmente, por trazer a público um debate interno, o que só fragiliza a imagem do PT. É a velha tese de que roupa suja se lava em casa.

Tirada irônica

Perguntado ontem se não iria responder os ataques do militante petista Cesário Braga, o senador Jorge Viana (PT), preferiu sair pela tangente da ironia: “Quem sou eu?”

Guerra aberta

O que está acontecendo dentro do PT é uma guerra aberta entre os que defendem que o partido busque decolar outras candidaturas ao governo e o senador Jorge Viana e o prefeito Marcus Alexandre, que só querem abrir discussão sobre governo em março do próximo ano.

Bastante claro

O senador Jorge Viana (PT) defende abertamente que o PT não tem de discutir outros nomes e que tenha como candidato único a governador o prefeito Marcus Alexandre. Marcus já deixou claro que não discute a sucessão estadual e nem fala em política este ano. E está irreversível.

Conversa aberta

O deputado Daniel Zen (PT), um dos pré-candidatos a governador, tomou a iniciativa de visitar o prefeito Marcus Alexandre para deixar claro que, tentará decolar a sua candidatura ao governo, mas se isso não vier a ocorrer e Marcus for o candidato, este terá todo o seu apoio.

Na defesa da pluralidade

Dirigentes dentro do PT que defendem a pluralidade de candidaturas ao governo argumentam em sua defesa que, as pré-candidaturas de Daniel Zen (PT), Emylson Farias (pelo PDT), Nazaré Araújo (PT) e Marcus Alexandre (PT) foram aprovadas no 6º Congresso do PT. Os debates, garantem, serão levados á exaustão, sob a liderança do governador Tião Viana, que será o condutor do processo. O processo está aberto e ninguém pode ser pré-escolhido. As únicas definições, segundo estes grupos, são das candidaturas de Jorge Viana e Ney Amorim ao Senado. E que não se pode ser contra o surgimento de novas lideranças dentro da FPA. A renovação é democracia.

O que isso deixa claro?

O que está ficando bastante claro é que, a escolha do candidato ao governo pela FPA não será empurrada para o próximo ano, como quer o prefeito Marcus Alexandre. O processo está aberto.

Pujança econômica

Rondônia é exemplo de pujança na economia. É o maior produtor de peixe de água doce do Brasil (80mil toneladas/ano), maior produtor de carne e leite da Região Norte, 2º maior produtor de café Conilon do Brasil e alto produtor de soja. Mil anos luz na frente do Acre.

Sobrou para o produtor

O INCRA não tem dinheiro para conveniar a recuperação de ramais. O DERACRE também está na lona. E os prefeitos, de quem é a obrigação de deixar os ramais trafegáveis, estão quebrados. Traduzindo para o popular: sobrará para os produtores, que ficarão ilhados.

Não vão querer saber

Acontece que o agricultor que plantou tem que colher e escoar a sua produção. Com os ramais intrafegáveis vão ter que partir para cima dos prefeitos para fazer uma cobrança justa.

Base suficiente

Qualquer pedido de autorização para processar o presidente Temer terá que ter autorização da Câmara Federal. Assim como para tramitar um pedido de impeachment. Como tem uma base de apoio suficiente, nenhuma dessas vias terá sucesso para lhe tirar do poder.

Fica no poder

Enquanto o presidente Temer continuar com o apoio do PSDB e do PMDB permanece no mandato. A Dilma só caiu do cargo porque não tinha apoio parlamentar majoritário,

Fora, temer!

O deputado federal Major Rocha (PSDB) foi voto vencido no PSDB: defende que, o partido abandone a base de apoio do presidente Temer. Também é contra a Reforma da Previdência.

Debate interminável

Este debate sobre a rodovia 364 está interminável. A oposição ataca dizendo que o governo gastou 2 bilhões de reais e fez uma obra mal feita. A base do governo rebate que, durante os governos do Jorge Viana, Binho Marques e Tião Viana a estrada nunca fechou, nem no pique do inverno. E afirma que só chegou ao péssimo estágio atual devido o DNIT não ter feito um serviço de manutenção. O DNIT agora pegou a obra. Vamos esperar o resultado para saber se será feito um trabalho duradouro. Os deputados da oposição já disseram que, será um trabalha paliativo. Aguardemos, pois, que a rodovia passe a deixar de apresentar problemas.

Coluna do Crica

Em política, em muitas ocasiões, o silêncio é mais sábio

O que se tem assistido nas postagens da internet é uma briga que vai se acirrando a cada dia que passa, pela indicação dos candidatos da oposição para disputar as duas vagas de senador nas eleições de 2018. Chama atenção para os desavisados, para os ansiosos, o silêncio de uma liderança como o deputado federal Flaviano Melo (PMDB). Mas não é novidade para quem acompanha a política mais de perto o pragmatismo do parlamentar. O Flaviano é um dos que melhor faz a leitura política. Por isso sabe que, qualquer discussão este ano sobre a questão do Senado ou da Vice na chapa de governador será mero exercício de imaginação ou ilação. Flaviano Melo é uma das principais peças do tabuleiro da oposição, mas só vai se movimentar a partir do próximo ano. O seu silêncio embute o conhecimento que, na política tudo tem seu tempo. O tempo das lideranças mais experientes falarem será em 2018. E este é o caso do velho cacique peemedebista, que já foi prefeito, governador, senador e hoje deputado federal, e sabe a hora de entrar na lida política. A experiência é moeda valiosa na política.

Nomes tucanos

O presidente do PSDB, Major Rocha, diz que seu partido já tem chapa própria para deputado estadual e caminha para ter também à Câmara Federal. Sérgio Barros, Toinha Vieira, Luiz Gonzaga e Henrique Afonso, são alguns dos nomes tucanos candidatos a deputado Federal.

Tem que mostrar a cara

Certo o Major Rocha. Partido que quer crescer tem de sair sempre com candidaturas próprias.

Em nenhuma hipótese

O PSDB não poderá deixar de ter candidato a senador, pelo fato que o partido terá candidatura própria para Presidente da República. Em nenhuma hipótese deixará de lançar um nome, que deverá ser o deputado federal Major Rocha (PSDB), que tem apoios das instâncias regionais.

Caminho natural

O ex-deputado federal Márcio Bittar tende mesmo a se abrigar na coligação PTB-PPS-SOLIDARIEDADE, coligação por onde disputará uma das duas vagas para o Senado. O seu caminho dentro do PSDB encurtou a partir do momento que perdeu o comando do partido.

Não foi graciosamente

Tanto sabe que a sua chance de ser candidato ao Senado encurtou no PSDB, que colocou a mulher Márcia Bittar como presidente do SOLIDARIEDADE. Márcio é um candidato muito competitivo.

Mérito

Ninguém pode deixar de debitar ao senador Gladson Cameli (PP) o fato de ter conseguido recursos para o DNIT recuperar a rodovia 364, que está se transformando num ramal. A primeira etapa da obra vai abranger o trecho entre Sena Madureira e Tarauacá.

Dificuldade de chapa

Partidos como PSB, PP e PMDB terão dificuldades de montar chapa para deputado estadual, por terem em seus quadros parlamentares muito fortes. Isso afasta a entrada de novos candidatos, porque servirão como mera bucha de canhão para reeleger esses deputados.

Não se briga com dados

Quando são dados de uma instituição séria não se briga com os números. É o caso do Acre ser apontado como o Estado da Região Norte com o menor número de homicídios. São dados de 2014 e 2015. Não duvido. Mas, gostaria de ver os dados referentes à taxa de homicídios de 2016 e 2017 para uma comparação sobre se houve evolução ou diminuição. Há um grande esforço do governo em melhorar a segurança, isso é verdade. Mas ainda estamos muito longe de Rio Branco ser uma capital tranqüila, basta ver os registros de assaltos e tentativas. A esperança é que seja revertido, quando se trata de vidas e de paz, não se deve torcer pelo quanto pior melhor

Mais polícia na rua

A impressão que se sente é que, com o ato do governo ter dado uma maior estrutura para o sistema de segurança e este estar mais presente nas ruas, diminuiu um pouco o sentimento de insegurança. A presença policial na rua não acaba com os crimes, mas inibe os marginais. Acho até que essa presença deveria até ser mais constante.

Discussão do momento

A discussão política do momento em Tarauacá entre petistas e aliados da prefeita Marilete Vitorino (PSD) é sobre se será ou não cassada pela justiça eleitoral. A sentença não deve demorar. Se vier a ser cassada teremos uma nova eleição. Tudo que o PT quer que ocorra.

Um dado das urnas

Independente do resultado o dado das urnas mostrou que rejeitou a gestão dos petistas.

Posição oficial

A PMRB precisa emitir um comunicado esclarecendo se está ou não caçando os motoristas do UBER para recolher os carros e multar, como vem sendo divulgado na rede social. Sob re este assunto, tenho uma posição muito clara de que, não se briga contra a modernidade e a favor do corporativismo. E um assunto que domina a cidade e não se sabe o que pensa a PMRB.

Não confiável

O vereador Roberto Duarte (PMDB) não acredita num relatório isento sobre a CPI do Transporte Coletivo e por isso deve apresentar outro sem procurar proteger ninguém. Não se pode esperar que a base do prefeito Marcus Alexandre apresente um parecer negativo.

Um dado a ser usado

O fato da prefeitura de Rio Branco aparecer como a segunda cidade em transparência nas licitações é um dado que já ajuda a sua base na Câmara Municipal de Rio Branco, na formulação da peça a ser entregue pelo Relator da CPI dos Transportes Coletivos.

Cumpriu o papel

Independente do que foi apurado na CPI dos Transportes Coletivos os vereadores de oposição cumpriram um papel importante, o de fiscalizar os atos do prefeito Marcus Alexandre. É melhor a um prefeito ter uma oposição dura que, áulicos batendo palmas para tudo da PMRB.

Muito mais importante

A vinda de recursos para as obras na rodovia 364, no trecho entre Sena Madureira e Tarauacá foi importante. Ou a BR iria fechar. Mas muito mais importante agora é fiscalizar o trabalho para ver se sairá bem feito. Não cabe mais a partir de agora ficar só reclamando do DERACRE.

Vamos ver o DNIT

Que o DERACRE fez um trabalho de baixa qualidade na BR-364, até o Chico das Couves já sabe.

Não deve perdurar

Como PSDB pretende lançar o Major Rocha de candidato ao Senado, não deve perdurar a aliança com o DEM, já que o ex-prefeito Tião Bocalon (DEM) tem se mostrado intransigente em recuar de sua candidatura de senador. E não recuando, não há como manter a aliança.

Problema partidário

O principal adversário do ex-prefeito Tião Bocalon (DEM) é o seu partido não ter uma estrutura sedimentada em todo o Estado ao ponto de permitir fazer carreira solo segura, precisa de alianças. O Bocalon é sinônimo de político sério, mas isso não é suficiente numa campanha política. Há um cheiro no ar que, o velho e bom Boca vai ficar só com o seu DEM.

Não falem em outro nome

Não falem em outro nome para o senador Jorge Viana (PT) que não seja o do prefeito Marcus Alexandre, se posiciona sempre contra o que chama de “laboratório”, e na sua visão não há outro nome a ser lançado e discutido que não seja o do Marcus. Acha que, quem tem de correr é a oposição. Mas não é majoritária sua idéia, ou não teriam sido lançados mais três nomes.

Suporte político

O deputado Léo de Brito (PT) tem usado o mandato para dar suporte aos prefeitos, seja endereçando emendas parlamentares, sendo fazendo ponte com o governador Tião Viana. Ainda agora esteve com os prefeitos Bira Vasconcelos, Bené Damasceno e Fernanda Hassem intermediando parcerias com o governo.

Recesso vai parar a CPI?

A CPI da SEHAB precisa definir os seus primeiros passos e divulgar os seus atos, pelo visto ainda está nas chamadas preliminares. Se avançou, pelo menos não divulgou. O que mais se admira desta letargia aparente é que entre os integrantes da CPI estão dois dos mais atuantes deputados da ALEAC, Eliane Sinhasique e Gehlen Diniz. Para a CPI ser mais pratica a primeira a ser convocada seria a secretária de Habitação para dar um panorama como está o sistema e que providências foram tomadas para a sua melhoria, depois do festival de denúncias que rendeu até prisões. Alguém precisa lembrar aos senhores deputados que o recesso parlamentar está batendo na porta. E a pergunta que fica é: vão trabalhar no recesso? Algum resultado tem de ser mostrado, afinal, foram até à justiça para implantar esta CPI