Gretchen dispara contra Temer: “Aqui na Europa você é uma vergonha”

A cantora manifestou seu repúdio contra o presidente. Anitta e Caetano Veloso também se manifestaram sobre o assunto, com vídeo nas redes sociais.

Desde que o presidente Michel Temer pôs fim a uma reserva amazônica de cerca de 46.000 Km², deixando a área equivalente ao tamanho da Dinamarca livre para exploração mineral, muitos brasileiros, incluindo famosos, manifestaram seu repúdio ao ato. Uma delas foi Gretchen, que aproveitou seu espaço nas redes sociais para desabafar sobre o assunto.

"Que palhaçada é essa Temer???? Quer dizer que era pra isso que você queria ser presidente? Não moro mais aí no Brasil, mas esse é o meu país.

E quanta vergonha você nos faz tendo essas atitudes!!! Aqui na Europa só se comenta da VERGONHA que você é para o Brasil. Tome atitudes decentes e seja amado pelo nosso povo. Você só está conseguindo que todos queiram você fora de onde está. E pelo jeito onde NUNCA VC DEVERIA TER ENTRADO!", escreveu a cantora.

Brasileense Kailane Amorim fica no TOP 10 do Miss Brasil Be Emotion 2017

A Miss Acre-2017, Kailane Amorim, de 23 anos, ficou no TOP 10 do Miss Brasil, concurso realizado neste sábado, 19, em Ilhabela (SP), transmitido ao vivo para todo país pela Rede Bandeirantes.

Kailane Amorim

Kailane Amorim, é natural de Brasiléia, interior do Estado, e filha do Ex-vereador Hilde Amorim. Adora aprender e tem sede de conhecimento o tempo todo.

A disputa foi bem acirrada com muitas beldades concorrendo, mas a bela Monalysa Alcântara, representante do Piauí, conquistou o júri e levou a premiação deste ano.

A primeira peneira que as candidatas encararam foi um júri técnico, em que os especialistas “feras” (adjetivo dado por Raissa Santana, Miss Brasil 2016) analisaram o desfile das garotas e ouviram o que elas tinham para falar em uma breve entrevista. As misses Pernambuco, Alagoas, Paraná, Bahia, Tocantins, Piauí, Sergipe, Mato Grosso, Maranhão, Acre, Goiás, Rio Grande do Norte, Espírito Santo, Rio Grande do Sul foram selecionadas pelos juízes, e a Miss Amazonas avançou na competição por ter sido a mais votada no Twitter e no site da Band.

Um dos temas desse Miss Brasil 2017 foi o sereísmo, moda tão em voga atualmente graças à personagem de Isis Valverde em “A Força do Querer“, e o público teve a chance de ver as 27 misses curtido uma praia com roupas em tom salmão (intercaladas por imagens de eletrodomésticos de fritura do patrocinador).

Miss Acre 2017

No entanto, a segunda prova para as garotas não teve muito a ver com sereias: elas tiveram de participar de um desafio de maquiagem tutoriada por uma YouTuber. A modernidade e as Digital Influencers chegando ao concurso de Miss, quem diria!

A Miss Ceará foi a vencedora da disputa de maquiagem e ganhou uma vida, ou seja, a chance avançar uma etapa mesmo que não fosse escolhida. Assim, seguiram na competição apenas dez misses, as representantes de Espírito Santo, Sergipe, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Maranhão, Acre, Ceará e Alagoas.

A acreana Kailane é natural do município de Brasileia, a 230 km da capital, Rio Branco. Tem 1,72m de altura e cursa o 5º período de Direito.

Veja o Instagram Kailane Amorim: @kailaneamorim

Confira abaixo a classificação geral:

Kailane

TOP 3
Miss Piauí
Miss Rio Grande Sul
Miss Espírito Santo

TOP 5
Miss Piauí
Miss Rio Grande do Sul
Miss Sergipe
Miss Espírito Santo
Miss Pernambuco

TOP 10
Miss Ceará
Miss Espírito Santo
Miss Pernambuco
Miss Piauí
Miss Rio Grande do Norte
Miss Rio Grande do Sul
Miss Maranhão
Miss Acre
Miss Alagoas
Miss Sergipe

TOP 15
Miss Pernambuco
Miss Alagoas
Miss Paraná
Miss Bahia
Miss Tocantins
Miss Piauí
Miss Sergipe
Miss Mato Grosso
Miss Maranhão
Miss Acre
Miss Goiás
Miss Rio Grande do Norte
Miss Espírito Santo
Miss Rio Grande do Sul
Miss Amazonas

Kailane Amorim Miss Acre 2

“Consegui lapidar a pedra filosofal”, diz Bruno Borges o “Menino do Acre”

Bruno Borges afirma que pediu desculpas aos pais pelo sumiço que durou cinco meses e que pretende retomar o curso de psicologia.

Bruno Borges, de 25 anos, conhecido Brasil afora como “menino do Acre”, voltou para casa na madrugada da última sexta-feira após cinco meses desaparecido. Em entrevista por e-mail a VEJA, o estudante afirma que seu sumiço “estimulou as pessoas a adquirir conhecimentos” e que durante o período conseguiu “lapidar a pedra filosofal”.

Borges desapareceu em 27 de março. Em seu quarto, na casa dos pais, em Rio Branco, foram encontrados códigos escritos nas paredes, teto e chão, catorze livros criptografados escritos por ele e uma estátua do filósofo italiano Giordano Bruno – e nenhum móvel.

O primeiro volume lançado por Borges, TAC: Teoria da Absorção do Conhecimento, saiu em julho pela editora Arte e Vida e entrou para a lista dos mais vendidos do site PublishNews. A Polícia Civil do Acre chegou a investigar o desaparecimento, mas interrompeu o caso após encontrar “fortes indícios” de que se tratou de uma ação de marketing.

A VEJA, Borges se negou a revelar seu paradeiro nos últimos meses e a esclarecer se o sumiço foi ou não um golpe publicitário. Disse que continua trabalhando em seu projeto e que, nas poucas vezes em que saiu de casa desde que voltou, foi bem recebido pelas pessoas na rua. Recorrendo a frases de efeito e respostas “simbólicas”, como frisou, insistiu que tudo o que faz é tentar “mudar a vida de milhares de pessoas para melhor através do despertar para o mundo do conhecimento”.

O que você fez no período em que ficou afastado? Busquei o autoconhecimento. Na alquimia, dizemos que o operador procede em busca da pedra filosofal. Assim também eu fiz. Pude receber novas ideias e tracei o esboço para inúmeros livros, já que ninguém se banha no mesmo rio duas vezes e que já não sou o mesmo de antes.

Como é o seu dia a dia hoje? Continuo voltado ao trabalho para conseguir concretizar minhas obras. No entanto, ainda estou tentando voltar para a realidade, é apenas uma questão de tempo.

Seus pais ficaram chateados por não terem sido avisados do seu plano? Sempre acreditei que este projeto iria mudar a vida de milhares de pessoas para melhor através do despertar para o mundo do conhecimento e da investigação da verdade. Percebi que deveria fazer inúmeros sacrifícios. Um deles era guardar sigilo e não avisar meus pais. Certamente, eles ficaram chateados. Eu me desculpei e busquei aprender com meu erro. A vida é assim, só podemos progredir errando.

O que seus pais falaram quando você voltou? Depois que eu me desculpei, eles me disseram que acabaram mudando para melhor e tiveram que crescer muito diante das dificuldades. Meus pais entenderam que esse projeto era como uma missão para mim e disseram que eu posso contar com eles. Espero poder retribuir todo o amor e carinho que eles têm por mim. Eu tenho os pais mais fortes do mundo, e os melhores. Mas acredito que quase todo filho diga o mesmo dos seus.

Tem saído às ruas? Tem sido assediado? Sempre gostei de ficar em casa e sou muito reservado. Ainda não estou saindo, estou concentrado no trabalho. Tem muitas coisas que preciso colocar em ordem. Mas saí uma ou duas vezes e fui muito bem recebido por todos. A cidade é pequena e as pessoas se conhecem, sempre fui de falar com todo mundo e por isso sou recebido com muito carinho. Sou muito grato por isso.

E seus amigos, falaram com você? Ainda não tive tempo de me reencontrar com todos, mas eles estão muito felizes por eu estar de volta. Sempre conversei muito sobre filosofia e outros assuntos com meus amigos, acho que ficou aquela saudade das discussões filosóficas em busca da verdade da vida. Eles aprenderam muitas coisas interessantes nesse período e eu também, e graças a isso enriquecemos mais ainda nossa amizade.

Você disse ao programa Fantástico que sumiu para buscar a verdade da vida. Encontrou? Gostaria de responder simbolicamente. Cada um recebe de acordo com o merecimento. Mas em pouco tempo eu consegui lapidar a pedra filosofal. Porém, ela logo se dissolveu. Felizmente, é preciso apenas uma centelha para que a semente de mostarda comece a brotar e criar raízes. Vai depender agora de minha fé fazê-la crescer e criar seus ramos.

Quando tomou a decisão de voltar? Quando percebi que já não conseguiria mais alcançar aquilo que vinha buscando para mim em isolamento. Toda a minha meta foi alcançada nos dois primeiros meses.

O que acha do apelido ‘Menino do Acre’? Acho muito legal! Não me importo muito de como as pessoas me chamam, se elas acham ‘Menino do Acre’ legal, então eu também acho. O importante é que as pessoas se sintam bem com a maneira de me chamar.

No seu livro você exalta o celibato. Você o pratica? O celibato é exaltado por mim em se tratando de processos criativos. É importante entender que se o celibato for praticado forçosamente acaba sendo prejudicial, mas, se ele advém de uma inspiração, torna-se um mecanismo importante de sublimação energética, visto que o indivíduo estaria utilizando esta energia para uma atividade criadora. Eu pratico o celibato de maneira intermitente, quando estou em processo criativo. Em geral passo meses, dependendo do meu projeto.

Você também afirma ter uma alimentação totalmente frugívora. Passo meses sendo frugívoro. Mas eu também adoto no meu dia a dia uma dieta vegana, por ser mais prática. Acredito que essa dieta ajuda nos processos criativos.

Você cita Hitler como exemplo de pessoa vegana, assexuada, que pratica o isolamento. Esses aspectos são importantes para alcançar objetivos. A pessoa que adota esses comportamentos pode escolher entre o trigo e a palha. Hitler entendia do assunto e de como deveria proceder, mas infelizmente ele resolveu tirar seus conteúdos do depósito de coisas ruins, e não das boas.

Por que você deixou seus livros codificados? Um dos objetivos era estimular as pessoas a revelar o que está oculto. Isso é só o começo para a senda do autoconhecimento que todos nós buscamos em vida. Essa foi uma maneira de instigar as pessoas a dar o primeiro passo.

De onde veio a inspiração para o código usado nos livros? Toda inspiração é de cunho alquímico. O resto, infelizmente, não há como dizer senão através de simbolismos.

Você acredita em vida extraterrestre? Não estamos sozinhos e nunca estivemos. Eu vou dizer em breve o que sei. Também pretendo apresentar uma pessoa que tem grandes revelações a fazer.

Você deixou catorze livros. Os outros treze serão publicados? Quando? Pretendo publicá-los gradualmente e em breve. Mas alguns livros talvez mereçam permanecer ocultos.

Do que tratam os outros treze livros? Cada livro trata de um assunto específico. Eu escrevi livros de filosofia (política e metafísica); ocultismo; psicologia; teologia; história; romance; antropologia (experiências religiosas); mesclei com física quântica e desenvolvi uma teoria cosmogônica e algumas teorias na área de viagens no tempo.

Você pode adiantar algo sobre a sua teoria na área de viagens no tempo? Tenho mais de cinco teorias nessa área. Desenvolvi algumas quando estive isolado. Os astecas utilizavam a fumaça dos corpos queimados em sacrifício para predizer o futuro. Existem substâncias alquímicas na natureza que podem facilitar o processo, mas em geral eu trabalho com a funcionalidade cerebral, conectando as informações (amor) em vez de discriminá-las (ódio). Eu já fiz alguns tipos de viagens no tempo e sei de algumas coisas que vão acontecer nos próximos anos. A minha primeira teoria já está toda no papel e vou colocar no meu blog em breve.

Você disse que fez tudo isso com a intenção de fazer as pessoas buscarem conhecimento. De que forma acha que o seu desaparecimento poderia estimular essa busca? Se eu não tivesse procedido assim, as pessoas não teriam ficado tão curiosas em tentar entender tudo o que eu havia deixado. A maneira como meu desaparecimento estimulou as pessoas a adquirir conhecimentos é perceptível pelo fato de milhares de pessoas terem passado a discutir filosofia e assuntos que enriquecem o espírito, deixando de lado muitas coisas hostis e pueris que estão tomando conta de nossa sociedade, especialmente os jovens. As pessoas começaram a procurar algo que desse sentido a suas vidas e a leitura foi estimulada. O Brasil carece disso.

Que tipo de conhecimento você acha que as pessoas devem buscar? Aquele que enriquece o espírito e que faz com que possamos nos conhecer melhor. O conhecimento mais útil é aquele que faz com que o indivíduo comece a agir em prol de ajudar não apenas ele mesmo, mas os seus semelhantes. Isso é utilitarismo.

O que pretende fazer agora? O futuro próximo já reina. A era virtual já está entre nós. Por mais que as pessoas não percebam, a partir de agora o conhecimento será mais valorizado. Quanto mais conhecimento você tiver, mais influente será na sociedade. Eu continuarei buscando aprender com os outros e com tudo ao meu redor. Ainda estou engatinhando.

Você está em que ano do curso de psicologia? Pretende retomar a graduação? Estou no 3º ano. Pretendo retomar e conseguir minha formação. Não podemos ficar parados, a sociedade exige nosso crescimento e nossa disciplina.

Menino do Acre

Por Meire Kusumoto / veja.abril.com

Após volta, Bruno Borges se tranca em quarto para fazer correções em livro

Denise Borges diz que filho deve terminar correções ainda nesta quarta (16) e enviar material para diagramação. Estudante reapareceu no último dia 11 de agosto.

Bruno Borges

Mãe diz que jovem se trancou em quarto para fazer as correções de trechos de livro que foram traduzidos errados (Foto: Reprodução/Rede Globo)

Desde que voltou para casa, após ficar quase 5 meses sumido, o estudante Bruno Borges tem se dedicado às correções do livro TAC: Teoria da Absorção do Conhecimento, primeiro dos 14 livros escritos por ele, lançado pela família no dia 20 de junho. O estudante afirma que o livro foi publicado com trechos traduzidos de forma errada.

A empresária Denise Borges, mãe de Bruno, disse que o jovem se trancou no quarto para fazer as correções.
Ela acredita que o filho deve terminar as mudanças ainda nesta quarta-feira (16) para que o material receba uma nova diagramação. O livro corrigido deve ser publicado ainda este mês.

“A editora nos deu um prazo, pois todos os livros foram vendidos, mas há lista de espera de até 15 dias. Não temos muito tempo, então, o Bruno decidiu fazer as correções rapidamente. Foi a Gabriela [irmã de Bruno] e o amigo que codificaram e algumas palavras ficaram parecidas, mas não eram exatamente aquelas palavras”, explica.

Como exemplo, o jovem explicou à mãe que no capítulo “Relacionamentos Reflexivos” a palavra reflexivos está incorreta, mas ela não soube informar que expressão é a correta. Após as correções feitas pelo autor, o livro deve passar também por nova correção ortográfica.

“O Bruno é muito perfeccionista. Então, para ele é muito difícil lidar com isso. Eu li desse jeito e entendi muito bem o que ele queria passar. A correção foi muito rápida porque o Bruno é muito ansioso, o pensamento e o raciocínio dele são muito rápidos e é até difícil acompanhar”, conta.

A mãe diz ainda que o estudante já tem programado como vai ser a publicação dos livros de número três e quatro, que serão lançados em uma só edição e também se dedica à correção do livro dois. Segundo ela, as datas para os próximos lançamentos ainda não foram definidas pelo estudante.

Nesta terça-feira (15) o estudante foi ouvido pelo delegado Alcino Júnior. Ele reafirmou à polícia que planejou o sumiço, desapareceu por livre e espontânea vontade e que não foi coagido por 'nenhuma força externa', o que mantém a versão da polícia de que não houve crime.

O inquérito sobre o desaparecimento já foi encerrado e ninguém mais deve ser ouvido. O delegado do caso foi procurado pela reportagem e não quis dar mais detalhes do depoimento, mas disse que vai manter o indiciamento dos dois amigos de Bruno, Márcio Gaiote e Marcelo Ferreira, por falso testemunho.

Mesmo que não tenha ocorrido um crime, os amigos seguem indiciados porque omitiram informações importantes durante os primeiros depoimentos do caso. Além disso, Gaiote foi indiciado por furto porque os móveis do quarto do estudante foram encontrados na casa dele.

Retorno

Bastante magro e descalço, Bruno Borges voltou para casa no dia 11. As câmeras de segurança do local registraram o momento em que ele aperta o interfone e espera na frente da casa por mais uma hora. Um vizinho aparece e liga para o pai de Bruno, que se emociona ao encontrar o filho.

Maria do Socorro, vizinha de Bruno, disse que ele chegou à casa dela descalço e debilitado. O filho Paulinho, como é conhecido, emprestou para ele uma sandália e, durante o percurso até a casa dele, não trocaram nenhuma palavra, conforme contou o filho dela.

A casa dela foi o segundo lugar que o estudante visitou após o retorno para casa.

Relembre a história

Antes de sair da casa onde mora em Rio Branco, Bruno Borges deixou 14 livros escritos à mão e criptografados, com alguns trechos copiados nas paredes, teto e no chão do quarto. Deixou ainda uma estátua do filósofo Giordano Bruno (1548-1600), por quem tem grande admiração, que custou R$ 10 mil.

Em maio deste ano, Marcelo Ferreira, de 22 anos, amigo do estudante, chegou a ser detido pela polícia pelo crime de falso testemunho. Na casa dele, a Polícia Civil encontrou dois contratos – um deles autenticado no dia do desaparecimento – que estabeleciam porcentagens de lucros com a venda dos livros. Ferreira teria ajudado Bruno no projeto.
Policiais também encontraram móveis do quarto do acreano na casa de outro amigo, Márcio Gaiote, que também teria participado na logística. Gaiote, que mora na Bahia, chegou a ser indiciado para depor na capital acreana, mas não compareceu, sendo indiciado indiretamente.

Em entrevista ao Bom Dia Amazônia exibida no dia 3 de julho, Ferreira contou que ajudou Bruno a montar o quarto e sabia do projeto, mas garantiu que não tinha conhecimento do desaparecimento, nem do local onde ele poderia estar vivendo.

Para a Polícia Civil, que investigou o caso, os contratos, e-mails e mensagens trocadas entre os amigos esclarecem a situação. O sumiço de Bruno foi parte de um plano para garantir a divulgação do trabalho deixado por ele, informou na época o delegado Alcino Souza Júnior.

Lançamento de livro

O primeiro dos 14 livros de Borges entrou para a lista “não ficção” dos mais vendidos da semana, entre 24 e 30 do mês passado. O ranking é do site PublishNews, construído a partir da soma das vendas de todas as livrarias pesquisadas. A segunda obra do jovem já tem data para lançamento.

O livro "TAC: Teoria da Absorção do Conhecimento" (Arte e Vida) tem 191 páginas nas quais o autor faz grande esforço para explicar sua criação.

Foto abaixo, Delagado que investiga o caso, Alcino Júnior, diz que inquérito sobre o desaparecimento de Bruno Borges foi encerrado​.

delegado

Do G1 Acre

Bruno Borges nega plano de marketing em entrevista ao Fantástico

O estudante de psicologia Bruno Borges, de 25 anos, que estava sumido desde março, deu uma entrevista exclusiva à Rede Globo, no último sábado, dia 12, na casa dele, em Rio Branco.

Bruno Borges mostra a cara

A reportagem foi exibida neste domingo, dia 13, durante o programa Fantástico, mas Bruno não comentou onde ou com quem esteve durante esses quase cinco meses de desaparecimento.

Bruno, que voltou para casa, curiosamente, logo após o lançamento e sucesso do primeiro livro escrito por ele (de um total de 14 volumes), negou, ainda, que tenha criado um plano de marketing para ganhar dinheiro e fama. Aliás, isso é o que menos se aparenta com toda a repercussão. Ele deve criar um canal direto com os fãs que conquistou nesse período.

“Isso para mim [o local em que estava] é irrelevante, o que importa é o objetivo. Eu estive em meio à natureza. Eu fiz um estudo sobre o local para onde eu estava indo”, disse Bruno ao comentar que “nós não sabemos de nada” e que “o mundo é um mistério”. “Eu pensei que com tudo que eu tinha deixado, todo mundo ia saber que eu tinha me isolado para buscar a verdade da vida”, completa.

Até a mãe de Bruno, Denise Borges, que estava em São Paulo, virou personagem da reportagem global. Ela foi filmada de Brasília até Rio Branco. A mãe, que sempre foi uma espécie de porta-voz de Bruno durante o desaparecimento, foi uma das pessoas que mantiveram o silencia à imprensa local.

Mesmo que tenha negado um plano de marketing para se promover, Bruno foi desmentido pelo delegado Alcino Júnior, que, além e apreender documentos, prendeu amigos do jovem por falso testemunho, e encerrou um inquérito policial por entender que tudo aquilo era uma jogada. Ainda que não tenha cometido crime, Bruno vai ter que se explicar à polícia na semana que vem.

“Nós acabamos chegando à conclusão de que não tinha nenhum viés criminoso, mas a comprovação de que era algo planejado. Não há qualquer tipo de responsabilização para Bruno ou qualquer familiar. Talvez tenha trazido alguma consequência social, mas não consequência jurídica. A gente ficou de marcar uma data para a próxima semana, mais para trazer alguns esclarecimentos, e pontuar alguns vínculos”, explica Alcino Júnior.

Fique por dentro

Bruno Borges mostra a cara 1

Bruno Borges supostamente não teria dado notícia desde 27 de março, quando desapareceu e deixou a família com os nervos à flor da pele.

O amigo dele, Marcelo Ferreira, de 25 anos, acabou preso por ter testemunhado falsamente à polícia enquanto o sumiço do amigo ainda era uma incógnita às autoridades investigativas.

O primeiro livro de Bruno Borges, que renderia, segundo a polícia, lucro para ele e o amigo Marcelo, já foi lançado – é o primeiro da série TAC – Teoria da Absorção do Conhecimento.

Em poucos dias, rendeu o primeiro lugar no ranking dos mais procurados e, antes mesmo do lançamento oficial, já estava com mais de 14 mil exemplares reservados.

 Veja o Vídeo 

Bruno Borges mostra a cara 3

Com Informação Ac24horas

Camila Coutinho define corpo reeducando a alimentação

A blogueira afirmou ter dificuldades com as quantidades propostas pela nutricionista.

Quem vê Camila Coutinho, digital influencer e criadora do "Garotas Estúpidas", em premiações e usando looks antenados com as tendências, não imagina que a recifense de 29 anos já se sentiu insegura com sua imagem. "Sabia que estava magra, e de roupa estava bem. Mas, sem ela, não gostava do que via. Não era uma questão de perder peso, só que eu ainda não entendia o conceito de composição corporal", explicou à revista "Boa Forma".

Alimentação foi aliada: "me sentir melhor"

Segundo a blogueira, com quem Marina Ruy Barbosa passou o Réveillon em Fernando de Noronha, seu objetivo era ficar mais definida e, para isso, contou com a ajuda de um personal trainer, uma nutricionista e uma dermatologista. "Não adiantava mirar em um corpo que não era meu, eu só queria me sentir melhor com o que já tinha", afirmou Camila, atualmente com "56 ou 57 Kg".

Camila teve dificuldade com quantidades de comidas

Camila explicou que sua maior dificuldade foi comer em maior quantidade. "Por incrível que pareça, readaptar meu paladar à alimentação saudável foi tranquilo. Difícil mesmo é dar conta da quantidade – eu não sou de comer muito ou sentir fome", contou a pernambucana, relembrando ainda outro problema resolvido, além dos dois quilos a menos: "Sempre que eu comia, meu abdômen inchava. Era tão frequente que eu achava completamente normal. Não tinha ideia de que não deveria acontecer e só percebi que havia algo de errado quando os novos hábitos alimentares fizeram o desconforto sumir".

Blogueira é adepta do ioga: "Me cuidar"

À publicação, Camila explicou ainda que, com os novos hábitos, começou a cuidar melhor do corpo e conheceu a ioga, prática queridinha da futura mamãe Sheron Menezzes, grávida de sete meses de um menino. "Além do shape, ganhei o hábito de me cuidar, de guardar uma horinha do dia para me tornar mais saudável – por exemplo, participar de uma aula de ioga. A gente está olhando tanto ao redor, falta esse olhar para si, do que faz a gente se sentir melhor", ponderou a influencer, exaltando a importância do exercício, também praticado por Isis Valverde.

2203282-camila-coutinho-define-corpo-com-reeduca-950x0-2

Por Marilise Gomes

Ciclista pedala quase 3 mil km para conhecer namorada, em Cruzeiro do Sul

Casal se conheceu nas redes sociais e sonhava com encontro. Heleno Morais, de 42 anos, saiu de Brasília com destino a Cruzeiro do Sul no dia 31 de maio.

Ciclista pedala quase 3 mil km 1

Homem saiu de Brasília e pedalou até Manoel Urbano, de onde seguiu de ônibus até Cruzeiro do Sul (Foto: Heleno Morais;/Arquivo pessoal )

Aos 42 anos, o cicloturista Heleno Morais se aventurou nas estradas do Brasil para conhecer a namorada que mora no interior do Acre, em Cruzeiro do Sul. Ele saiu de Brasília (DF) no dia 31 de maio e chegou na cidade acreana no dia 27 de junho. O que motivou a aventura foi a namorada Pâmela da Silva, de 21 anos, que conheceu nas redes sociais.

“Não conhecia a região Norte e um dia teria que fazer isso para alcançar meu objetivo de percorrer os 27 estados. Conheci a Pâmela pelo Facebook, começamos a namorar, interagimos alguns meses pelas redes sociais e decidi unir o útil ao agradável, percorri estados que não conhecia e vim conhecer a família de minha namorada” conta.

Formado em educação física, ele diz que largou um emprego de lojista na capital federal. “A empresa passava por dificuldade e fiz acordo. Minha rescisão deu R$ 2.756 e foi divida em cinco parcelas que estão sendo depositadas em minha conta", explica.

O ciclista faz parte do Projeto Brasil em Duas Rodas, com núcleo do Distrito Federal, desde o dia 6 de abril de 2006 e tem como meta percorrer os 27 estados do Brasil com sua bike. Depois, pensa em percorrer os 12 países da América do Sul e as três Américas para promover a difusão do ciclismo, de caráter amador, e estudar o comportamento do homem com sua bicicleta.

Rubens percorreu 2.926 quilômetros até chegar a Manoel Urbano, cidade a 215 km de Rio Branco, onde foi aconselhado a seguir a viagem de ônibus por conta da má condição da estrada.

“Infelizmente, não cheguei aqui como gostaria. Trazia 34 quilos de peso e até Manoel Urbano foram 2.926 km e demorei 26 dias neste trajeto. De lá, peguei um ônibus e cheguei ao meu destino, que era conhecer a família de minha namorada. Tenho intenção de viver ao lado dela o resto de minha vida”, explica.

Ciclista pedala quase 3 mil km

Casal se prepara para conhecer outros países de bike (Foto: Adelcimar Carvalho)

Para poder seguir viagem, ele também teve que deixar a bicicleta na casa de um homem que conheceu na cidade. Na época, a estrada estava intrafegável.

“Foi uma viagem difícil, a região é muito quente. Eu trabalhava numa empresa e decidi viajar antes de receber a rescisão de contrato. Com isso, trouxe pouco recurso. Não conhecia ninguém nesta região. Pretendo ficar aqui por ao menos três meses e está sendo difícil me manter. Alugamos uma casa e estamos vivendo da venda de bolos de pote, que eu e minha namorada produzimos e vendo pelas ruas da cidade”, conta.

Ele relata que para chegar até Cruzeiro do Sul teve que contar com a solidariedade das pessoas que encontrava no caminho. “Para chegar aqui gastei cerca de R$ 300 com alimentação. Dormia em postos de gasolina, em postos da Polícia Rodoviária federal e recebi solidariedade e ajuda de muitas pessoas”, diz.

Depois desse período no interior do Acre, Morais pretende conhecer o Peru, Chile e Bolívia, após voltar a Rio Branco e ter de volta a bicicleta. “Já conversei com a minha namorada e estou preparando ela para seguir viagem comigo. Para isso, estou em busca de patrocínio para comprar uma bicicleta para ela. Enquanto isso não acontece, vamos nos virando com bolos de pote que vendemos”, conta.

Apesar do clima quente e da árdua viagem até a cidade acreana, o cicloturista diz que a aventura valeu a pena e que está feliz e realizado. “Estou muito feliz e realizado. Cada ciclo da viagem é uma aventura. Mas esta foi diferente, pois mexeu com meu coração. Contei com a solidariedade de muitas pessoas e estou muito feliz com minha futura mulher”, destaca.

Além de viver uma história de amor, ele também quer fazer com que outras pessoas se apaixonem pelas pedaladas que, segundo ele, o faz se sentir livre para ir a qualquer lugar do mundo.

“As pessoas precisam experimentar o prazer e a liberdade de fazer determinados trechos de viagens sem depredar o meio ambiente e colaborando com sua saúde. Espero que as pessoas se conscientizem de que a bicicleta pode levar você a qualquer lugar. Basta ter fé e determinação. Devagar se chega aonde se quer”, finaliza.

Ciclista pedala quase 3 mil km 2

Do G1 Acre

Ministério Público contrata pela primeira vez servidora transexual

Em um país em que 90% das mulheres transexuais são profissionais do sexo, Rubby Rodrigues, 30 anos, moradora da periferia de Rio Branco, é inspiração e, ao mesmo tempo, uma exceção.

Ministério Público contrata pela primeira vez servidora transexual

Em sua luta por respeito e reconhecimento, ela transpôs mais um obstáculo e protagoniza um capítulo importante da história do Ministério Público do Estado do Acre (MPAC).

Estudante de Gestão de Recursos Humanos, ela é a primeira transexual contratada pela instituição. A decisão é inédita entre as unidades do Ministério Público brasileiro e foi anunciada na terça-feira, 1, pelo procurador-geral de Justiça, Oswaldo D’Albuquerque Lima Neto, durante a abertura da XI Semana da Diversidade, ocasião em que o MPAC lançou a cartilha ‘ O que você precisa saber sobre Direitos LGBT’.

“Pra mim é uma conquista tão grande, que quase não acredito. O mercado de trabalho não aceita ou não compreende a transexualidade. Eu já fui a uma entrevista de emprego e a pessoa que ia me entrevistar ria de mim, e nessa hora, você tem que se manter firme porque a gente vai ouvir muita coisa: que aquele trabalho é difícil, é pesado, mas na verdade sabemos que não é nada daquilo. Muitos não acreditam na nossa capacidade”, comenta.

Com a contratação, Rubby passou a trabalhar no Centro de Atendimento à Vítima (CAV), onde há cerca de um ano esteve como vítima, após sofrer tentativa de homicídio pelo companheiro. Agora, retorna empenhada em acolher pessoas, que como ela, foram vítimas de crimes contra a mulher ou que tenham motivação homofóbica, que fazem parte do público-alvo do órgão.

Para a procuradora Patrícia Rêgo, coordenadora do CAV, o ingresso de Rubby no MPAC tem valor simbólico. “É difícil você ver mulheres transgêneros ou travestis ocupando posições de destaque ou mesmo no serviço público. O gesto do procurador-geral mostra e dar o exemplo daquilo que a gente, enquanto Ministério Público, tem procurado afirmar: que todos são iguais perante a lei, independente de cor, credo ou raça, orientação sexual e identidade de gênero”, diz.

Independente da questão de gênero, nós somos humanos

transexual

A frase da transexual faz parte do relato da agressão praticada pelo então namorado, a partir de quando teve o primeiro contato com o MPAC. Ela foi trancada no quarto, espancada e as agressões só terminaram quando desmaiou no estacionamento do condomínio onde morava. Os vizinhos presenciaram, mas nenhum quis intervir. “Talvez eles me vissem como um homem e que poderia me defender sem a ajuda de ninguém”, conta.

Rubby sofreu um corte profundo na cabeça, entre outras lesões. Na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) só conseguiu registrar o boletim de ocorrência três dias após sua primeira ida à unidade. No hospital, onde fez exame de corpo de delito, também enfrentou preconceito.

“Eles me olhavam como um homem vestido de mulher, não como uma pessoa que tinha sido agredida, ninguém perguntou se eu tinha nome social, como gostaria de ser chamada”, conta.

Um desabafo nas redes sociais fez com que o caso chegasse ao conhecimento do CAV. Uma equipe do órgão esteve na casa de Rubby e a partir de então o Ministério Público passou a acompanhar o caso. No ano passado, ela viu seu agressor ser condenado com base na Lei Maria da Penha, numa decisão inédita e que teve repercussão nacional.

Atuação do MPAC fortalece causa LGBT

No âmbito do MPAC, existe uma recomendação determinando que travestis, transexuais e todas as pessoas que não tenham identidade de gênero reconhecida sejam identificadas pelo nome social no órgão. A medida deve ser adotada no tratamento pessoal, cadastro de dados, comunicação interna, identificação funcional e na inscrição para eventos promovidos pela instituição.

Há ainda, uma recomendação, expedida pela 13ª Promotoria de Justiça Criminal, para garantir que mulheres transexuais e travestis vítimas de violência doméstica e familiar sejam atendidas na (Deam).

Além disso, no Senado Federal, tramitam duas propostas de alteração legislativa, sugeridas pelo CAV e apresentadas pelo senador Jorge Viana, que contemplam a comunidade LGBT.

A primeira inclui travestis, transsexuais e transgêneros entre as pessoas protegidas pela Lei Maria da Penha. A outra prevê que não apenas os casos de violência contra a mulher, crimes contra a dignidade sexual contra crianças e adolescentes registrados na rede pública sejam informados à autoridade policial, como também os registros que envolverem pessoas com identidade de gênero feminina como vítimas.

“A Rubby tem sido um símbolo de uma grande transformação social, em um momento em que trocamos a cultura do ódio pela cultura da paz, pela cultura do amor. O Ministério Público do Acre está empenhado em garantir dignidade e respeito a todas as pessoas, independente de questões de gênero”, ressaltou o procurador-geral Oswaldo D’Albuquerque.

Atuação do MPAC fortalece causa LGBT

Kelly Souza-Agência de Notícias do MPAC

 

Marcelo Adnet mostra silhueta mais fina em caminhada com a namorada

O ator e roteirista está exibindo uma silhueta mais fininha desde que começou a namorar a estudante gaúcha Patrícia Cardoso.

O amor é capaz de tudo, não é mesmo? Marcelo Adnet que o diga. O ator e roteirista está exibindo uma silhueta mais fininha desde que começou a namorar a estudante gaúcha Patrícia Cardoso, de 26 anos.

Prova disso é que os dois têm se exercitado juntos, como foram fotografados na Lagoa Rodrigo de Freitas, na Zona Sul do Rio. O casal deu uma bela volta no cartão-postal da cidade e mostrou sintonia até na passada.

No fim de semana, os pombinhos fizeram um passeio românticvo no pedalinho da Lagoa. O local parece ter sido adotado por Adnet e Patricia como cenário ideal para o namoro recentemente assumido.

adnet

De extra.globo

Fábio Jr. quer reduzir pensão de R$24 mil e questiona luxos da ex

Na petição, os advogados, inclusive, sugerem que a ex-Garota do Fantástico estaria vivendo uma vida de luxo às custas de Fábio.

Apesar de, aparentemente, estarem vivendo uma maré de calmaria, Fábio Jr. e Mari Alexandre não são o tipo de casal que deixou o passado no passado. Pelo menos não financeiramente. E o cantor se arrependeu do acordo de pensão que assinou em 2011, no “calor das emoções”, como informam seus advogados num processo de revisão de valores.

Em nenhum momento Fábio Jr. se recusou a pagar a pensão ao filho de 8 anos que teve com a apresentadora. Por mês, ele desembolsa cerca de R$ 35 mil para sustentar o menino. Ele custeia a escola, cursos extras, plano de saúde, remédios, manutenção da casa em que Mari e o menino moram, em Alphaville, condomínio nobre de São Paulo, e ainda paga aproximadamente R$ 24 mil ao pequeno.

Após ter sido executado pela ex que pediu o pagamento retroativo de juros e correção da pensão alimentícia, Fábio entrou com ação impugnando o pedido e pedindo a revisão dos valores depositados, já que segundo a ação, Mari não presta contas do que é gasto mensalmente.

Na petição, os advogados, inclusive, sugerem que a ex-Garota do Fantástico estaria vivendo uma vida de luxo às custas de Fábio e citam as muitas viagens que ela faz dentro e fora do país, além de presença em eventos nos quais receberia cachês, sem arcar com qualquer despesa do filho único.

Fábio Jr pede que a pensão seja reduzida para R$ 8 mil e se compromete a continuar pagando as demais despesas com as quais já arca atualmente. A pendenga judicial já se arrasta há quatro anos. O cantor e Mari se divorciaram em 2010.

fabio junior

De extra.globo